Start-up brasileira fatura milhões com amostras grátis

Mostrar às empresas que a experimentação dos produtos era a melhor forma de conquistar os clientes foi o ponto de partida da start-up brasileira Samplify, uma plataforma de distribuição de amostras de bens de consumo no retalho.

Fundada no início deste ano pelo jovem empreendedor Ernesto Villela, a Samplify baseia o seu modelo de negócio na distribuição de amostras grátis como forma de levar as empresas a percepcionarem, “no terreno”, se os seus produtos são atrativos para os potenciais consumidores. De acordo com o criador da empresa, a amostra grátis é uma ferramenta de marketing muito eficaz porque para conquistar um novo consumidor, sobretudo no que toca a produtos novos, nada melhor que levar o cliente a experimentar para depois o fidelizar.

A Samplify funciona como uma plataforma B2B que recebe os produtos dos fabricantes e, posteriormente, distribui amostras desses mesmos produtos junto de potenciais consumidores. Assim, sempre que uma empresa quer implementar uma campanha de divulgação de um novo produto no mercado, a Samplify põe em prática uma apertada estratégia de distribuição de amostras. Depois de receber dos clientes os produtos que a empresa quer promover, a start-up analisa o target que se enquadra no tipo de produto, por exemplo, salões de beleza ou cabeleireiros, se for esse o público consumidor do que se pretende promover.

Depois disso, a Samplify distribui as amostras/brindes pela sua rede de mais de seis mil retalhistas, que fazem a distribuição dos produtos junto dos seus clientes. Acaba por ser um “presente” que pode vir a fidelizar o cliente. A plataforma também permite que as empresas façam uma simulação virtual para escalar e estruturar as suas possíveis campanhas.

Esta abordagem de mercado já garantiu à Samplify trabalhos para multinacionais como a Coca-Cola, a Avon, a Bauduco e a Hersheys. Em cerca de nove meses de atividade, o negócio permitiu-lhe distribuir quatro milhões de amostras e uma faturação superior a um milhão de euros.

Comentários

Artigos Relacionados