A Kleros, uma start-up de legaltech argentina, considera que as tecnologias disruptivas, como o blockchain e a inteligência artificial, podem ajudar a justiça, especialmente em questões menos complexas. Por isso, desenvolveu um plataforma que soluciona disputas online com código aberto, usando blockchain nos julgamentos.

Ao contrário dos sistemas tradicionais em que várias pessoas são responsáveis pelas decisões judiciais, o novo modelo desenvolvido pela Kleros usa o conceito de inteligência coletiva para a criação de sistemas de justiça rápidos.

Segundo Federico Ast, CEO da start-up Kleros, a plataforma que desenvolveram é o “futuro do sistema legal”. “Nos sistemas antigos, várias pessoas eram responsáveis pelas decisões. Criámos uma plataforma que ajuda a resolver disputas legais menores, de forma muito mais rápida, tornando os processos mais ágeis, seguros e acessíveis, e diminuindo a possibilidade de decisões incorretas”, acrescentou.

A plataforma usa o conceito de “inteligência coletiva” para criar sistemas de justiça mais dinâmicos, com economia e transparência. Além disso, a plataforma possui um júri de especialistas para mediar as disputas.

Para usar o sistema, o cliente preenche um formulário no qual indica a sua questão legal. A partir daqui, um júri de especialistas é selecionado para resolver a disputa.

De acordo com Ast, os especialistas registam-se na plataforma e após julgar cada processo são remunerados. “Os epecialistas podem registar-se na plataforma e receber dinheiro, após julgar cada processo. Mas quem tentar abusar do sistema ficará sem nada. É assim que construímos sistemas seguros usando blockchain”, concluiu Ast.

Comentários