Spe Futuri, Investidores conversa com Amorim Cork Ventures e As Portuguesas

A Amorim Cork Ventures e As Portuguesas são os protagonistas do Spe Futuri, Investidores desta semana. António Amorim, do lado do investidor, e Pedro Abrantes, empreendedor, falam dos seus projetos, da relação que une as duas empresas e das metas que querem alcançar.

Criada no seio da Corticeira Amorim, em 2014, a Amorim Cork Ventures, uma corporate venture que assumiu como missão apoiar empreendedores com produtos e aplicações inovadores para o setor da cortiça. Foi o que aconteceu com o projeto As Portuguesas –  uma marca de chinelos (flip flop) lançada em 2016 que recorre a matéria-prima100% natural, a cortiça – criado por Pedro Abrantes e investido pela Amorim Cork Ventures.

António Amorim, presidente da Amorim Cork Ventures, e o fundador de As Portuguesas reuniram-se durante meia hora em mais uma sessão de conversas Spe Futuri, Investidores, conduzida por Ricardo Luz , para explicar o que motivou a parceria entre ambos e os objetivos que esperam concretizar. E ainda sobre o acaso que levou o jovem empreendedor Pedro Abrantes a apresentar o seu projeto ao presidente da Corticeira Amorim em plena loja Decathlon de Matosinhos, no que designa de o seu “elevator pitch” de dois minutos.

Acompanhe o Spe Futuri, Investidores nas redes sociais do Link To Leaders (Facebook, YouTube e LinkedIn) amanhã, pelas 12 horas.

António Amorim é presidente e CEO da Corticeira Amorim desde 2001, e responsável da Amorim Cork Ventures. Licenciado em Comércio Internacional pela Universidade de Birmingham, António Amorim concluído estudos executivos em gestão no INSEAD, Stanford e Universidade de Columbia. Entre 2003 e 2010 foi presidente da Confederação Europeia de Cortiça e, em 2012, terminou o seu terceiro mandato consecutivo à frente dos destinos da APCOR – Associação Portuguesa de Cortiça. Sob a sua liderança a indústria da cortiça experienciou um reconhecido renascimento, consolidando Portugal como incontestável líder mundial do setor.

Pedro AbrantesPedro Abrantes é o fundador e CEO de As Portuguesas,  start-up que criou há cinco anos. Arquiteto de formação, e natural do Porto, lançou o projeto dos chinelos de cortiça em resultado da sua paixão pela cortiça e o sonho de iniciar um projeto de calçado.

Começou por usar a garagem dos pais para montar uma linha de produção. Mas foi quando trabalhou em part-time na Decathlon de Matosinhos (para ter dinheiro para investir no projeto), que, por acaso, conheceu António Amorim, a quem acabou por apresentar a ideia dos seus chinelos feitos com cortiça, e que acabaria por ser seu investidor neste empreendimento.

Reveja as conversas anteriores:

António Murta, fundador e CEO da Pathena, e Renato Oliveira, fundador e CEO da eBankit.
João Brazão, CEO da Eureekka e business angel, e João Marques da Silva, CEO da CateringAssiste.
Francisco Horta e Costa, managing director da CBRE, e Ricardo Santos, CEO da start-up Heptasense.
João Arantes e Oliveira, fundador e partner da HCapital Partners, e Nuno Matos Sequeira, diretor da Solzaima.
Tim Vieira, CEO da Bravegeneration, e Pedro Lopes, fundador da Infinitebook.
Luís Manuel, diretor executivo da EDP Innovation, e Carlos Lei Santos, CEO e cofundador da HypeLabs.
António Miguel, fundador e CEO da MAZE, e Guilherme Guerra, fundador e CEO da Rnters.
João Amaro, Managing Partner da Inter-Risco, e Carlos Palhares, CEO da Mecwide.
Pedro Lourenço, administrador da Ideias Glaciares, e Pedro Almeida, fundador e CEO da MindProber.
Alexandre Santos, diretor de investimento na Sonae IM e cofundador da Bright Pixel, e João Aroso, cofundador e CEO da Advertio.
Francisco Ferreira Pinto, partner da Bynd Venture Capital, e Eduardo Freire Rodrigues, cofundador e CEO da UpHill.
Basílio Simões, business angel e fundador da Vega Ventures, e Gustavo Silva, cofundador e CMO da Homeit.
Manuel Tarré, presidente da Gelpeixe, e Nuno Melo, cofundador e sócio da Boost IT.
José Serra, fundador e managing partner da Olisipo Way, e Tocha Serra, Partner & Startup Spotter da Corpfolio.
Stephan Morais, fundador e diretor-geral da Indico Capital Partners, e André Jordão, CEO da Barkyn.
Ricardo Perdigão Henriques, CEO da Hovione Capital, e Nuno Prego Ramos, CEO da CellmAbs.
Pedro Ribeiro Santos, sócio da Armilar Venture Partners, e Jaime Jorge, CEO da Codacy.
Miguel Ribeiro Ferreira, investidor e chairman da Fonte Viva, e João Cortinhas, fundador e CEO da Swonkie.
Cíntia Mano, investidora que está ligada à REDangels e à COREangels Atlantic, e Marcelo Bastos, fundador da start-up Sizebay.
Diamantino Costa, cofundador da Ganexa Capital, e Nuno Almeida, CEO da Nourish Care.
David Malta, Venture Partner do fundo de investimento Vesalius Biocapital, e Daniela Seixas CEO da TonicApp.
Sérgio Rodrigues, presidente da Invicta Angels, e Ivo Marinho, cofundador e CEO da StoresAce.
Alexandre Barbosa, Managing Partner da Faber, e Carlos Silva, cofundador da Seedrs.
Inês Sequeira, diretora da Casa do Impacto, e Nuno Brito Jorge, cofundador e CEO da GoParity.
Paulo Santos, managing partner da WiseNext, e Hugo Venâncio, CEO da Reatia.
João Matos, administrador executivo do dstgroup e presidente e CEO da  2bpartner, e Bruno Azevedo, CEO da AddVolt.
Luís Quaresma, partner da Iberis Capital, e Vasco Portugal, cofundador e CEO da Sensei.
Isabel Neves, business angel, e Rita Ribeiro da Silva, cofundadora da Skoach.
Pedro Tinoco Fraga, fundador da F3M e acionista da Braintrust, da BrainInvest e da BrainCapital, e César Martins, fundador e CEO da ChemiTek.
Roberto Branco, CEO da Beta Capital, e Luís Moreira, cofundador da Bullet Solutions.
Carlos Brazãobusiness angel,e Ricardo Mendes, cofundador da Vawlt Technologies.
Inês Lopo de Carvalho, partner da Crest Capital Partners , António Brum, diretor-geral do grupo Penta.
Luís Santos Carvalho, cofundador, partner e CFO da Vallis Capital Partners, e Óscar Salamanca, CEO da Smile-up.
Pedro Cruz, business angel e CEO da Gallo Worldwide, e Rogério Nogueira, CEO da Winegrid.

Comentários

Artigos Relacionados