Singa é uma start-up finlandesa que, através da sua plataforma, quer revolucionar a indústria tradicional do karaoke.

Depois de ter recebido um investimento de 1,75 milhões de euros quando ainda estava numa fase embrionária, a start-up da Finlândia dá acesso a mais de 20 mil músicas a todos os que utilizem a sua plataforma.

O CEO da Singa, Atte Hujanen, disse em entrevista à Techcrunch que “nos meus últimos dez anos na indústria do karaoke, a gerir campeonatos mundiais desta modalidade, trabalhei com grandes e pequenas empresas de todo o mundo, desde a Ásia aos Estados Unidos. Ganhei um ‘insight’ da indústria e vi que enquanto muitos media do entretenimento se estavam a virar para o ‘streaming’, o karaoke ainda estava preso nos anos 90”.

“Isto era uma falha para com os cantores de karaoke e representava uma grande oportunidade para uma empresa que percebesse tanto desta indústria como de software disruptivo”, acrscentou.

A Singa apresenta-se como mais simples de utilizar que os tradicionais aparelhos de karaoke. Não requerendo DVD’s, downloads ou qualquer tipo de hardware caro, a start-up finlandesa torna o karaoke simples, intuitivo e com a possibilidade de o utilizador cantar em qualquer lado, visto que está disponível tanto para sistemas Android e iOS. Os utilizadores podem ainda aceder a esta plataforma através de uma Smart TV, Apple TV ou pela versão web. Para espaços comerciais como bares, restaurantes e hotéis, a Singa vem num pacote comercial que conta com mais funcionalidades.

Hujajen diz que o único grande competidor da Singa é o Youtube, mas que 99% do conteúdo que é disponibilizado pela maior rede social de partilha de vídeos do mundo é ilegal ou, na melhor das hipóteses, não tem licença. No entanto, há outros três grandes “players” no mercado do karaoke: a norte-americana Smule, a israelita Yokee que foi vendida à canadiana Stingray por cerca de 35 milhões de euros e ainda a Chang-Ba, a chinesa que conta com 30 milhões de utilizadores mensais.

O CEO da Singa refere ainda que o conteúdo do Singa não é comparável aos seus competidores, visto que é o único disponibilizado em 4k e que foge da estrutura “old school” ainda muito patente nesta indústria.

Atualmente, a Singa dá acesso aos utilizadores a mais de 20 mil músicas por 9,99€ por mês. No entanto, após o registo, são dados 30 dias aos utilizadores para experimentarem o produto sem terem de pagar nada.

 

Comentários