Schneider Electric anuncia criação de novo fundo de impacto

O “Schneider Energy Access Asia” é o terceiro fundo de impacto lançado pela multinacional.

Proporcionar eletricidade segura, limpa e sustentável às comunidades é o objetivo do novo fundo de impacto criado pela Schneider Electric com o apoio dos parceiros Norfund, EDFI e Amundi. Denominado “Schneider Electric Energy Access Asia”, o fundo destina-se aos 350 milhões de pessoas que não têm acesso a energia, maioritariamente na Índia, Bangladesh, Mianmar, Indonésia e Filipinas.

De acordo com informação divulgada pela multinacional, o plano consiste em proporcionar o acesso a eletricidade a habitações, pequenas empresas e serviços coletivos, como escolas ou centros de saúde, através do investimento na cadeia de valor do acesso à energia: fabricantes, distribuidores e fornecedores de soluções.

Os beneficiários desta estratégia serão essencialmente escolhidos com base em três critérios: contribuição para o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável Nº7, através de impactos mensuráveis na região Ásia-Pacífico; potencial de crescimento e viabilidade financeira; e governação clara e que respeite os critérios do compromisso com o meio ambiente e a sociedade.

“Com este novo fundo, um total de 20.9 milhões de euros será dedicado a start-ups que trabalham para fornecer o acesso à energia na região Ásia-Pacífco, bem como para acelerar o desenvolvimento económico,” referiu em comunicado Christophe Poline, Director of Impact Investing da Schneider Electric.

Por sua vez, Gilles Vermot Desroches, Chief Sustainability Officer da Schneider Electric, frisou acreditar que “para impulsionar uma mudança positiva e duradoura, o investimento de impacto é crucial e vai acelerar a nossa ambição de quadruplicar o número de pessoas com acesso à energia. Estamos a falar de, aproximadamente, 24 milhões de pessoas que obtiveram acesso à energia desde 2009 e de 80 milhões que o vão conseguir até 2030, graças às nossas ofertas e investimentos. Agora devemos apostar na aceleração, para garantir que nenhuma comunidade é deixada para trás”.

Além deste novo projeto, o grupo já tinha criado dois outros veículos de investimento de impacto para apoiar start-ups com objetivos inclusivos no âmbito da energia limpa e acessível em zona do globo como África, Índia e Sudeste Asiático.

Comentários

Artigos Relacionados