Schneider alinhada com objetivos dos Princípios de Empoderamento das Mulheres

A Schneider Electric, empresa de transformação digital em gestão de energia e automação, anunciou ser a primeira empresa multinacional a atingir total compromisso com os Princípios de Empoderamento das Mulheres – uma iniciativa das Nações Unidas.

Numa altura em que são poucas as mulheres que acreditam na igualdade de género no trabalho, começam a surgir multinacionais dispostas a mudar o paradigma do mercado laboral.

Para além de Jean-Pascal Tricoire, presidente e diretor executivo da organização, cada um dos country managers da Schneider Electric com pelo menos dez colaboradores assinaram pessoalmente a intenção de apoiar estes princípios.

7 princípios para apoiar o empoderamento das mulheres

Desenvolvidos em 2010 numa iniciativa conjunta entre a ONU Mulheres e o Pacto Global da ONU, são sete os princípios que servem como diretrizes para as empresas progredirem na direção da igualdade de género e do empoderamento das mulheres no local de trabalho, no mercado e na comunidade.

Os primeiros quatro princípios encorajam o compromisso dos cargos de liderança no fomento à igualdade de género no local de trabalho. Algo que é feito através do estabelecimento de objetivos das empresas e de oportunidades e tratamento similares entre géneros.

Os outros três identificam como prioridade a implementação de objetivos que empoderem as mulheres nos vários quadrantes da empresa: seja no desenvolvimento do negócio, na cadeia de abastecimento ou nas práticas de marketing. Para além disto, a ONU encoraja as organizações a promover a igualdade através de iniciativas comunitárias e de publicação de relatórios públicos.

Compromisso na igualdade de género

A Schneider, que se diz 100% alinhada com os princípios delineados pela ONU, explica em comunicado que implementou um rigoroso enquadramento de igualdade salarial, bem como medidas de trabalho flexível. Refira-se também a iniciativa “Global Family Leave” que foi lançada no ano passado e que torna as licenças parentais, de assistência à família e de luto acessíveis a 75% dos colaboradores – algo que a empresa tem esperança de cobrir em 100% até 2020. Acrescente-se também que 92% dos funcionários estão a trabalhar sobre o enquadramento de igualdade salarial. Neste último campo, existe a ambição de atingir 95% até ao próximo ano.

“Todos os nossos country presidents estão comprometidos com os Princípios de Empoderamento das Mulheres, para impulsionar a igualdade de género em todos os locais,” refere o chairman e CEO da Schneider Electric. “Os nossos líderes de negócio possuem e transmitem, localmente, a nossa ambição de proporcionar as mesmas chances de sucesso a mulheres e homens. Eles ajudam-nos a aprender e a crescer na sua jornada profissional, associam-se a organizações externas com princípios semelhantes, e estendem os seus esforços à sociedade em geral. Estamos alinhados no que toca à construção da igualdade de género, a longo prazo, em todos os nossos mercados e operações”, acrescenta.

Comentários

Artigos Relacionados