Quais são as novas tendências no mundo das start-ups?

O mundo da tecnologia não pára e o que era tendência há dois anos pode já não ser o principal eixo de desenvolvimento das start-ups. Do mais recente evento do Y Combinator saíram algumas pistas dos caminhos que estas estão a seguir.

Para conhecer um pouco melhor as tendências nas start-ups, em especial no setor da tecnologia, a Forbes publicou uma lista com diversos tópicos baseados nas conclusões do encontro bianual Demo Day, promovido pelo acelerador Y Combinator, que decorreu nos EUA.

#Aproveitar oportunidades nos mercados emergentes: De acordo com os dados deste acelerador, cerca de 15% do seu portefólio está focado em mercados fora dos EUA, ou seja muitas empresas desenvolvem soluções mais direcionadas para mercados emergentes. Por exemplo, a TradeID pretende a oferecer aos cidadãos da Indonésia a possibilidade de investirem em ações dos EUA. A Coco ajuda os imigrantes venezuelanos a enviar apoio à família, através de alimentos. A Lezzoo fornece alimentos e medicamentos no Iraque, tal como o Grab, no sudeste da Ásia. Já o WeChat, na China, quer expandir além de sua funcionalidade base e tornar-se numa super-aplicação única no Médio Oriente.

#Criar empresas na área de tecnologia. A carência de recursos humanos na área tecnológica está a criar oportunidades diversas. A start-up Tuttowent, fundada por Tilek Mamutov no Quirguistão, ajuda funcionários de tecnologia talentosos em mercados emergentes a encontrar empregos em empresas líder fora do seu país natal, recebendo para isso uma percentagem do salário do funcionário. Tudo aconteceu quando o próprio fundador foi contatado para trabalhar na Google.
Outras start-ups atuam em áreas diferentes ligadas à tecnologia como a Compound, uma consultora de património para os funcionários das principais start-ups, ou a Elpha, uma comunidade online para mulheres na tecnologia que permite conversar, fazer contatos e encontrar empregos.

#Carência imobiliária abre novos caminhos. Construir casas a preços acessíveis e em boas localizações parece ser o alvo de algumas novas start-ups. A Node está a desenvolver um modelo baseado na lógica de montagem de mobiliário da Ikea para construir rapidamente casas de verão. Por sua vez, Rent the Backyard constrói um pequeno anexo nos quintais das casas para alugar como casa de veraneio em troca de uma percentagem do aluguer. Já a Globe está a desenvolver uma plataforma no estilo Airbnb, mas para alugar à hora, destinada, por exemplo, a pessoas que precisam de descansar durante pouco tempo ou para quem quer ter privacidade para um telefonema.

#Tornar a moda personalizada acessível. A Fit to Form baseou-se nos dados de devoluções de compras de roupa online devido ao tamanho inadequado, para desenvolver um algoritmo que permite fazer a correspondência entre as medidas do cliente e os vários modelos, ajudando-os, desta forma, a comprar roupa com a dimensão adequada.
Já o Custom Movement é um marketplace para artistas independentes que criam ténis personalizados a um preço acessível. A Curtsy é uma aplicação de revenda de roupa para a Geração Z, apostando na ideia de que os adolescentes querem um roupeiro sempre novo com peças com estilo.

#Aplicações para enfrentar a saturação das aplicações de tecnologia. Quer uma empresa esteja ou não na indústria de tecnologia, provavelmente usa uma série de aplicações para manter as operações em funcionamento. A saturação do mercado das start-ups é real e algumas estão conscientes disso. A Gmelius quer abordar esse problema na área das aplicações de produtividade e de trabalho tendo desenvolvido uma solução que integra Slack, Asana e Google Docs num único produto. 

#Soluções para quem procura um extra. As start-ups sabem que muitas pessoas procuram uma forma de obter rendimento extra e, por isso, criaram plataformas para ligar interessados em trabalhos extra. A GitStart criou uma rede de programadores para os ajudar a encontrar pequenos trabalhos de programação. Numa lógica semelhante a DirectShifts é direcionada para médicos. Por seu turno, a Beacons AI criou uma plataforma de pagamento para que os influenciadores possam faturar com os seus fãs através da gravação de vídeos com respostas personalizadas.

Muitas start-ups apresentaram conceitos relacionados com formas de melhorar o sofrimento dos funcionários ou com o mundo de trabalho moderno. Outras desenvolvem atividades em áreas como bem-estar pessoal, monitorização de emoções ou um assistente pessoal para relacionamentos. A realidade é que pelas tendências resultantes do Demo Day promovido pelo acelerador Y Combinator, o  mundo das start-ups fervilha de inovação e todos os setores de atividade podem usufruir de novas ideias para agilizar e melhorar diversos aspectos da vida quotidiana.

Comentários

Artigos Relacionados