Primeira edição dos UE Organic Awards distingue oito projetos

A Comissão Europeia já revelou os vencedores dos primeiros Organic Awards, distribuídos por sete categorias. Portugal ficou-se pela shortlist na categoria de Best Organic Bio-District.

Oito vencedores, sete categorias foi o balanço da primeira edição dos Organic Awards, uma iniciativa promovida pela Comissão Europeia e que visa reconhecer diferentes atores ao longo da cadeia de valor biológico que desenvolveram um projeto inovador, sustentável e inspirador, resultando em valor acrescentado para a produção e consumo biológicos.

Provenientes da Áustria, Bélgica, Croácia, França, Alemanha, Itália, Espanha e Suécia, os projetos vencedores representam o crescimento e a inovação do setor orgânico europeu e da cadeia de valor, e sua contribuição para reduzir o impacto da agricultura no clima e no meio ambiente.

Esta iniciativa, que visa também celebrar também a segunda edição do Dia Orgânico da UE, lançado no ano passado pelo Parlamento Europeu, pelo Conselho e pela Comissão Europeia, é uma organização conjunta  da CE, do Comité Económico e Social Europeu, do Comité das Regiões Europeu, do COPA-COGECA e do IFOAM Organics Europe, com a participação do Parlamento Europeu e do Conselho no júri dos prémios.

Os Organic Awards 2022 foram atribuídos a:

Best Organic Farmer (Feminina): Nazaret Mateos Álvarez de Espanha. Administra uma unidade de produção de cogumelos orgânicos no Norte da Espanha e desenvolveu um método de cultivo único, maximizando a qualidade do produto, reduzindo drasticamente o consumo de água.

Best Organic Farmer (Masculino): David Pejić da Croácia. É responsável por uma das fazendas orgânicas mais antigas perto de Zagreb, na Croácia, cultivando mais de 60 culturas diferentes. A fazenda está envolvida em atividades de educação, formação e consultoria com uma padaria no local e um restaurante.

Best Organic Region: Occitânia na França. Os orgânicos são uma prioridade para o desenvolvimento da Occitânia, no sul da França. Atualmente, 19% de todas as terras agrícolas são de agricultura biológica, envolvendo 608 285 hectares e 13 265 explorações. A meta é atingir 30% de todas as terras agrícolas sob agricultura orgânica até 2030. Uma abordagem abrangente é adotada, envolvendo uma governação regional inclusiva e toda a cadeia de valor da produção ao consumo.

Best Organic City: Seeham na Áustria. Esta cidade, localizada no noroeste da Áustria, é membro da Organic Cities Network Europe. As cantinas públicas da cidade, jardins de infância e escolas cozinham e servem alimentos 100% orgânicos. Existe também uma intensa colaboração com as infraestruturas turísticas, levando os produtos orgânicos à gastronomia e à hotelaria.

Best Organic Bio-District: Associazione Bio-Distretto Cilento na Itália. O biodistrito Cilento investe na produção sustentável e local de alimentos, associando também iniciativas de turismo como biopraias e biotrilhas. Isto beneficia a criação de emprego, a coesão social e a revitalização da área.

Best Organic Small or Medium Enterprise (PME): The Goodvenience.bio na Alemanha. Com seus dez funcionários, a empresa produz caldos, sopas, molhos, temperos e óleos artesanais e orgânicos. Coloca uma forte ênfase na produção sustentável, circular e inovadora e na promoção de dietas saudáveis ​​através de um blog de receitas e vídeos de culinária.

Best Organic Food Retailer: La ferme à l’arbre de Liège na Bélgica. Este supermercado de pequena dimensão localizado numa fazenda vende produtos orgânicos como carnes e farinhas de toda a região desde 1978. Com um forte foco na produção sustentável e circular, a empresa também usa energia verde, evita embalagens e limita as emissões de transporte, concentrando-se sobre compras locais.

Best Organic Restaurant: Lilla Bjers na Suécia. Localizado na ilha de Gotland, no mar Báltico, o Lilla Bjers é uma fazenda orgânica e restaurante que opera sob o conceito ‘seed-to-plate’. 300 culturas diferentes são cultivadas numa fazenda que preserva a biodiversidade e é livre de combustíveis fósseis. O restaurante tornou-se um centro de formação de jovens agricultores orgânicos e chefs.

Refira-se que Portugal, concretamente o Centro Municipal Cultura e Desenvolvimento de Idanha-a-Nova, chegou à final na categoria Best Organic Bio-District. Neste primeira edição do Organic Awards foram pré-selecionados 24 finalistas, escolhidos a partir de um conjunto de mais de 200 candidaturas, de 26 Estados-membros.

A propósito desta iniciativa, Janusz Wojciechowski, Comissário da UE para a agricultura, mostrou-se impressionado com cada uma das histórias por trás dos vencedores. “São pessoas, organizações e instituições incrivelmente comprometidas, que promoveram a produção orgânica muito antes de ela se tornar popular, muitas vezes em circunstâncias muito difíceis. Eles vêm de toda a UE, mostrando que os orgânicos estão vivos em todos os lugares e que a excelência orgânica pode ser encontrada em todos os lugares. Nesse sentido, eles me dão muita esperança no desenvolvimento da produção orgânica e nos benefícios que ela pode trazer para nossos agricultores, comunidades rurais e sociedade como um todo”, concluiu.

Comentários

Artigos Relacionados