Abrir uma loja e apostar numa linha de artigos e acessórios produzidos a partir de cortiça reciclada, mais concretamente de rolhas, são os objetivos de Tiago Bacalhau para a marca que criou há 9 anos. Para isso, procura um investidor que o ajude a tornar a sua vontade em realidade.

Tiago Bacalhau criou, em 2008, a Pipline Twenty One, uma marca de roupa desportiva para pessoas com um estilo direcionado para os desportos radicais e de aventura. Um dos fatores de diferenciação da sua marca relaciona-se com a disponibilização de produtos “no mosquito”, que permitem que os clientes desfrutem da tranquilidade que a natureza oferece.

Os artigos produzidos em Portugal são comercializados na loja online da marca Pipeline Twenty One. “Para a Pipeline Twenty One temos vários artigos de venda ao público. Uns são fruto de parcerias estratégicas implementadas, outros artigos da minha produção de costura”, explica ao Link To Leaders o empreendedor que quer agora apostar numa linha de artigos e acessórios fabricados a partir de cortiça reciclada, ou seja, rolhas.

Segundo Tiago Bacalhau, “pretendemos recolher e vender as rolhas aos transformadores de cortiça e, posteriormente, transformá-las em novos artigos. Consideramos que, desta forma, estamos não só a colocar no mercado artigos de elevada qualidade, mas, acima de tudo, estamos a educar a sociedade e a transmitir a ideia de que é fundamental existir uma atitude ativa e participativa com as iniciativas de preocupação ambiental, transmitindo, deste modo, o sentimento de que vale a pena reciclar e que alguém está a dar continuidade ao seu gesto e ato de responsabilidade com o setor da reciclagem”.

A Pipeline Twenty One está registada, desde 2008, no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), altura em que Portugal atravessava uma crise, o que levou Tiago Bacalhau a arregaçar as mangas e a empreender em nome individual. No entanto, só em abril de 2015 Tiago Bacalhau iniciou a atividade de venda dos seus artigos e acessórios.

“Fiz tudo do zero, sem a ajuda de ninguém, seja em termos financeiros, logísticos, organizativos ou burocráticos. Tudo foi fruto da minha vontade de trabalhar e de transformar um sonho em realidade. Agora que comecei e que me vejo envolvido, não quero mais parar, quero atingir patamares de qualidade e de mais sucesso”, conta.

Tiago Bacalhau quer conquistar o mercado nacional a partir da Comporta, mas não nega a vontade de transformar a sua marca numa marca reconhecida a nível internacional e com artigos específicos para cada região. “Tenho completa noção dos desafios e dos obstáculos, sei que tudo leva o seu tempo e que só com muita vontade de vencer irei conseguir atingir os objetivos, pois a chave do sucesso passa pelo nosso trabalho, ambição e pelo sonhar todos os dias”, reconhece.

Quando questionado sobre quais as maiores dificuldades que encontra no mercado nacional, o empreendedor afirma que “no que toca a produções próprias possuo dificuldade de produção, pois não possuo espaço para poder trabalhar na produção de novos artigos. Observei um nicho de mercado nos artigos de costura e comecei a costurar sem formação e já conto com artigos produzidos para a marca Pipeline Twenty One”.

Próximos passos? O Tiago Bacalhau quer “prosseguir com o projeto de venda de artigos, sendo que irei dar especial importância aos artigos de cortiça e se possível partir para a reciclagem de rolhas e poder produzir artigos de cortiça através de parcerias, com o nosso design, preocupação ambiental e redução de custos de matéria-prima”.

Para além disso, espera encontrar um investidor que o ajude a abrir a sua loja na zona da Carrasqueira, na Comporta, onde reside, para produzir os artigos e comercializá-los porque acredita no “potencial turístico” que existe nesta zona.

Resumo:
Responsável: Tiago Bacalhau
Área: Moda
Produto: Roupa e acessórios de Moda
Mercado: Nacional
Necessidade: Investimento
Contacto: tiago.bacalhau@sapo.pt

 

Comentários