À Moura juntou-se a Sabra. As duas têm em comum partilharem os sabores da região algarvia e encantarem os apreciadores da cerveja artesanal. Para continuarem a inovar e chegarem a todo o Algarve, os seus criadores procuram um investidor.

Loira, ruiva ou “morena”. Há uma Moura para “encantar” todos os gostos. A Moura é uma cerveja artesanal produzida a partir de alfarroba, que chegou ao mercado em 2015. Depois do sucesso da Moura, Ivânia Lourenço e Sebastião Afonso, os rostos que estão por trás deste negócio, quiseram crescer e criar uma cerveja que também fosse inovadora, sem nunca abandonarem o amor que os liga aos produtos da região algarvia. Criaram a Sabra que, na sua génese, tem um fruto pouco conhecido: o figo de pita, da variedade Opuntia ficus-indica.

Fabricadas em Tavira, de onde os seus criadores são originários, estas cervejas carregam o peso da história. A Moura tem por trás uma “lenda” que remonta ao final do ano de 2013, quando o casal decidiu ir ao Porto, para tirar um curso de produção de cerveja artesanal.

Segundo Afonso, o nome para a cerveja foi escolhido com os mesmos critérios do ingrediente principal, ou seja, a referência às origens. “Depois do ingrediente local, queríamos um nome que tivesse a ver com a nossa terra. Lembrámo-nos da Moura Encantada de Tavira. Conseguimos relacionar tudo com a nossa terra: um ingrediente típico, trazido pelos mouros, a história da Moura Encantada de Tavira, daí o nome Moura, daí a decoração, daí o lema: `Artesanal de Alfarroba, Cerveja de Encantar´”, explica.

Afonso conta ainda que “diz a lenda que o governador de Tavira da altura, Aben-Fabila, ao sentir que ia perder a batalha pelo castelo de Tavira, decidiu encantar a própria filha, na esperança de um dia voltar vitorioso e, nessa altura, desencantá-la. Acontece que Aben-Fabila nunca mais voltou, ficando assim a jovem Moura encantada para sempre. Diz a lenda que a Moura aparece nas muralhas do castelo, todos os anos na noite de 23 para 24 junho. É assim a história da nossa Moura”.

Também a Sabra tem uma história para contar. A ideia de criar a nova cerveja nasceu “dentro de portas”. Em casa, este casal tinha uma piteira já centenária, que pertenceu à bisavó de Ivânia. Foi a partir daí que surgiu a ideia de criar uma nova cerveja. Para os primeiros lotes, produzidos em 2015 e que deram aproximadamente para 360 garrafas de 33 centilitros, os figos de pita utilizados foram “exclusivamente da nossa piteira”, revela Afonso. Segundo o casal, o nome remonta aos israelitas. Sabra é a palavra que os israelitas chamam à variedade de pita que é utilizada na produção desta cerveja.

Para conseguirem responder aos pedidos que diariamente lhes chegam, o casal confessa que precisa de aumentar a produção da cerveja e apostar na sua distribuição. “Neste momento, temos arrendado um armazém com cerca de 280m2 para a instalação da fábrica de cerveja, mas precisamos de panela de brassagem, fermentadores compatíveis com a mesma, máquina de engarrafamento, equipamento de calor/frio, equipamento de sanitização, moinho de malte e respetivos acessórios. É ainda necessário fazer instalação de água e luz apropriadas, divisórias (zona fabrico, escritório, armazenamento de matérias primas e produto acabado) e câmara de refrigeração”, enumera Afonso, revelando que irão precisar de um investimento na ordem dos 120 mil euros.

Para além de investimento, o casal algarvio procura também “alguém que nos ajude em termos de organização da estrutura da empresa e que tenha um bom conhecimento do mercado e canais de distribuição, marketing e comunicação”, referem.

Atualmente, a produção é toda consumida localmente – em restaurantes e lojas gourmet em Tavira, Olhão, Faro e Almancil -, mas faz parte dos planos do jovem casal encontrar um investidor que os ajude a aumentar a produção, para conseguirem chegar a todo o Algarve e, posteriormente, ao resto do país.  E, quem sabe, tentar a internacionalização, até porque ainda este ano vamos ouvir falar muito da Moura. Jack Maxweel, que faz o programa “Booze Traveler” para o Travel Channel, “andava à procura de bebidas diferentes e encontrou-nos. Veio cá filmar”, conta Afonso. “É algo que vai passar no mundo inteiro. É excelente sentir este reconhecimento”, afirma Afonso.

Resumo:
Responsáveis: Sebastião Afonso e Ivânia Lourenço
Área: Alimentar
Produto: Cerveja artesanal
Mercado: Nacional
Necessidade: Investimento (120 mil euros)
Contacto: cervejeirosmouros@hotmail.com

Comentários