Mercado financeiro: profissionais do setor especializados em ESG ganham mais 20%

As contratações e compensações para funções com especialização em ESG na indústria financeira aumentaram, constatou estudo da start-up norte-americana Revelio Labs.

Banqueiros e gestores de recursos de instituições financeiras nos Estados Unidos cujos cargos incluem “ESG” – Environmental, Social and Corporate Governance – ou “sustentabilidade” ganham, em média, salários-base cerca de 20% mais elevados do que os pares com a mesma função, mas sem essa sigla, de acordo com um estudo realizado pela start-up Revelio Labs e divulgado pela Reuters.

Os valores acima da média quando comparados com outras funções no setor são explicados pela elevada procura por banqueiros e gestores de fundos que dominem os critérios ambientais, sociais e de governança (ESG). A elevada procura resulta da expansão do tema no meio corporativo e não considera as remunerações variáveis como bonificações comuns neste setor.

“Os salários do pessoal ESG e não ESG começaram a divergir em 2020, em linha com o aumento na contratação de funções ESG devido ao foco crescente em governança e investimento sustentável no setor financeiro”, explicou Loujaina Abdelwahed, economista da Revelio.

Desde 2019, a taxa de crescimento do salário-base para funções ESG foi cerca de 38 pontos percentuais maior do que o pessoal não ESG, acrescentou Abdelwahed.

Apesar de o estudo ser exclusivo ao mercado financeiro norte-americano, a valorização de profissionais especializados em ESG é visível em todos os setores. De acordo com o estudo Future of Jobs, do Fórum Económico Mundial, o especialista em ESG é uma das profissões do futuro e um dos cargos que deve gerar mais emprego nos próximos anos – aproximadamente 1 milhão de novos postos de trabalho.

Mas faltam pessoas no mercado. “O profissional preparado para lidar com as questões ESG é cada dia mais procurado e valorizado, mas faltam pessoas especializadas no tema”, afirmou a consultora Robert Half no seu relatório global.

Uma pesquisa do CFA Institute, uma instituição focada em certificar profissionais de finanças, encontrou uma lacuna entre a procura por especialistas em ESG e o número de profissionais qualificados. A análise mostrou que menos de 1% dos perfis analisados no LinkedIn no mercado financeiro tinham as competências necessárias para atuar com ESG.

Com a falta de profissionais, as remunerações passam a ser atrativas. Segundo o Guia Salarial 2023 (Robert Half), um profissional ESG pode ganhar entre 6 mil a 35 mil reais (mil a 7 mil euros), dependendo de vários fatores como o nível de senioridade, a empresa em que está a trabalhar e o setor. Por exemplo: a área financeira já paga mais que os outros setores, ou seja, especialistas em ESG no mercado financeiro provavelmente serão melhor remunerados do que em outros setores.

O mercado ESG já movimentou mais de 30 triliões de dólares (cerca de 28 triliões de euros) e deve movimentar 53 triliões de dólares (o equivalente a 49 triliões de euros) até 2025, segundo uma estimativa da Bloomberg.

Comentários

Artigos Relacionados