Opinião

O André Fontes tem um artigo muito bom, que tem repostado, de título “Queres um bom líder? Contrata uma mãe que adore a sua profissão”.

No contexto do que o André escreveu vou tentar reforçar também com mais pontos de vista. Não apenas o ponto de vista da mãe mas, numa lógica mais lata, o ponto de vista da parentalidade.

Robin Landa, Professora da universidade de Kean, Irlanda, refere que a verdadeira liderança transcende muito as noções mais convencionais e os estereótipos e tipologias de liderança que se têm vindo a desenhar e escrever em publicações ao longo do tempo.  Em vez disso, esta professora engloba na liderança características tipicamente associadas a um comportamento maternal (de forma mais lata, parental). Com o Dia da Mãe a ter ocorrido no primeiro domingo de Maio, em Portugal, e no segundo domingo de Maio no Brasil, bem como numa boa parte dos países do mundo, e porque hoje é 13 de Maio, altura em que escrevo, aqui ficam os seis princípios orientadores para a liderança como um boa mãe ou um bom pai (assentes sempre no conceito de boa parentalidade):

  1. Reconhece os outros

A paternidade frequentemente traz a revelação de que cada um de nós deixou de ser o ponto focal da nossa existência. Seja porque ponderamos sobre necessidades pessoais versus as de uma criança seja porque deliberamos mais sobre prioridades financeiras, a mudança para uma preocupação externa emerge como crucial. Da mesma forma, uma liderança eficaz exige uma mudança de foco para aqueles que estão sob tua responsabilidade. A transição exclusiva das aspirações pessoais para a defesa das necessidades da tua equipa fomenta um ambiente muitíssimo mais acolhedor.

  1. Sintoniza-te

Na linha do reconhecimento e abordagem ao estado emocional de uma criança, a liderança eficaz depende do entrosamento interpessoal—estar sincronizado com os sentimentos dos membros da tua equipa. Essa consciência promove uma comunicação fluida, mais colaboração e faz emergir a confiança. Negligenciar este aspeto destrói a tua liderança. Ao contrário, enfatizar a sintonização como necessidade, chama à colação as perspetivas e circunstâncias alheias.

  1. Escolhe a integridade

Um marco óbvio da paternidade tem de passar por incutir valores éticos, refletidos na conduta profissional. Manter a integridade, mesmo perante os desafios, não apenas cultiva uma cultura de confiança, mas aumenta, também, a satisfação no trabalho. Abraçar o caminho ético serve como uma base sólida para a liderança, garantindo apoio consistente e benefícios para todos.

  1. Evita a micro-gestão

Assim como a paternidade envolve estimular a independência, a liderança eficaz necessita capacitar as pessoas para trabalharem de forma autónoma, incentivando a emergência de forças diversas e ideias novas, intervindo apenas quando necessário e questionando-te sobre os modos preferidos de apoio. A micro-gestão sufoca a criatividade individual e mina as alianças colaborativas e, ao contrário, afastando-a, eleva a importância de promover autonomia dentro das equipas.

  1. Comunica claramente

Seja porque delineamos as expectativas para uma criança, para uma sala de aula (e de alunos, e aqui falo também com outra experiência comparável a uma segunda parentalidade) ou a uma equipa, a comunicação clara é crucial para o alcance de objetivos. Articular objetivos de forma sucinta e delinear resultados desejados antes dos compromissos facilita o alinhamento e o entendimento. A comunicação eficaz serve como um farol orientador, garantindo clareza e direção para empreendimentos complexos.

  1. Sê benevolente, pelo menos q.b.

Refletindo sobre a influência maternal, percebe-se o impacto profundo das ações altruístas no crescimento pessoal e profissional. Seja no papel de mãe, pai ou líder, garantir ou até priorizar o bem-estar dos outros estabelece as bases para relacionamentos duradouros e contribuições significativas. Defender princípios de compaixão e altruísmo promove uma cultura de respeito mútuo e avanço coletivo. E, ao contrário do que possas pensar, não é uma lógica piegas.

Robin Landa foi instada a partilhar uma lição aprendida com a sua mãe ao ser entrevistada recentemente por um jornalista. Não a reproduzo. Prefiro partilhar uma lição que a minha mãe me ensinou desde pequeno e que vem num texto publicado por mim no Observador, designado a minha mãe em 10 lições (e fui buscar à minha mãe a lição número nove porque a considero fundamental na criação de tudo, na gestão de tudo, na convergência de tudo e de toda a construção). E a lição era esta (deve ser lida em sentido lato):

Olha sempre para o mundo à procura, em tudo o que vês, de um sentido estético. Tudo tem um sentido estético. Os olhos veem o mundo. Os olhos apreciam o mundo. Os olhos são capazes de distinguir e avaliar o sentido estético de tudo o que te rodeia – mas é preciso treino, muito treino. Na pintura, nas cidades, no campo, nas praias, na decoração, na forma como te vestes ou apresentas. Na maneira como escreves. “E a forma, meu filho, é muito importante”. É tantas vezes isso, conjuntamente com a cor, que torna possível a beleza do mundo em que vives.

Se eu transpuser a forma, a lado positivo do que encontro noutros e a cor e o desenho dos seus mundos, encontrarei muito mais coisas boas que aspetos negativos. E esta é uma lição que me fica para a vida. E que aproveita muito para os seis tópicos de Robin Landa. Lidera, pois, como uma mãe.

Comentários
José Crespo de Carvalho

José Crespo de Carvalho

Licenciado em Engenharia (Instituto Superior Técnico), MBA e PhD em Gestão (ISCTE-IUL), José Crespo de Carvalho tem formação em gestão, complementar, no INSEAD (França), no MIT (USA), na Stanford University (USA), na Cranfield University (UK), na RSM (HOL), na AIF (HOL) e no IE (SP). É professor catedrático do ISCTE-IUL, presidente da Comissão Executiva do ISCTE Executive Education e administrador da NEXPONOR. Foi diretor e administrador da formação de executivos da Nova SBE e professor catedrático da Nova SBE (Operations... Ler Mais..

Artigos Relacionados

José Pedro Salas Pires, presidente da ANETIE*