O investimento em start-ups de tecnologia em todo mundo cairá 16% no primeiro trimestre de 2020 devido à pandemia do Covid-19. No entanto, algumas tecnológicas, que ajudarão na melhoria dos processos das empresas, estarão em ascensão, diz CBInsights.

A economia portuguesa pode recuar 10% e o desemprego subir para 10,4% este ano, caso a fase crítica da pandemia do novo coronavírus em Portugal dure três meses, estima o Núcleo de Estudos da Universidade Católica (NECEP).

Os economistas da Católica, liderados por João Borges de Assunção, divulgaram esta semana uma edição antecipada e extraordinária da habitual Folha Trimestral de Conjuntura, onde apresentam uma nova estimativa para a evolução da economia portuguesa para o conjunto de 2020, assumindo a “disrupção generalizada na economia mundial” causada pela pandemia do Covid-19.

Perante este cenário, como ficam as start-ups? A pandemia do coronavírus começa a aumentar a cautela dos fundos de capital na alocação de investimentos. A consultora CBInsights estima que, devido ao impacto do Covid-19, o financiamento para start-ups de tecnologia no mundo cairá 16% no primeiro trimestre de 2020.

A análise trimestral projeta que, no primeiro trimestre de 2020, o montante total de investimentos em start-ups de tecnologia no mundo totalizará 77 milhões de dólares (cerca de 72 milhões de euros), um valor reduzido comparado com o quarto trimestre de 2019 que registou 92 milhões de dólares (aproximadamente 86 milhões de euros).

Numa comparação anual (Q12019 vs. Q12020), o mesmo número cairá 12%, de acordo com dados da consultora que estima que a tendência continuará no restantes meses de 2020.

No entanto, as start-ups que procuram automatizar processos tecnológicos e que podem ajudar os grandes retalhistas a tornar mais eficazes os seus processos de produção e a acelerar a recuperação podem sair vitoriosas desta crise.

“As empresas estão a procurar por tecnologias emergentes para reparar as suas cadeias de suprimentos e melhorar a gestão das suas operações. Um exemplo são as start-ups que tornam a cadeia de produção mais visível e ajudam a antecipar as necessidades dos consumidores “, explica a CBInsights.

Comentários