Hackathon SAS procura soluções tecnológicas para desafios empresariais ou humanitários

Estão abertas as inscrições para a competição global que vai receber equipas e cientistas de dados individuais, entusiastas da tecnologia e visionários. Qualquer interessado em analytics pode participar: clientes e parceiros SAS, developers independentes, estudantes e start-ups.

O SAS irá realizar mais uma edição do seu hackathon global – e as inscrições estão abertas. Equipas e cientistas de dados individuais, entusiastas de tecnologia e visionários podem inscrever-se até ao dia 15 de fevereiro no website do Hackathon SAS.

Segundo o SAS, qualquer pessoa interessada em analytics, incluindo clientes e parceiros SAS, developers independentes, estudantes e start-ups podem participar nesta iniciativa. As equipas podem incluir integrantes de uma ou mais organizações. Quem se inscrever sem equipa será colocado num grupo de participantes individuais com os mesmos interesses.

“Grandes ideias podem surgir de qualquer pessoa, em qualquer lugar. Quando entusiastas de dados se reúnem, vindos de diferentes regiões, com históricos e níveis de competências diversos, coisas incríveis acontecem,” disse Einar Halvorsen, coordenador do Hackathon Global SAS. “O Hackathon SAS é realmente um ambiente onde a curiosidade leva à inovação”, acrescentou o responsável.

As equipas deverão fornecer uma breve descrição de um desafio do mundo real que será trabalhado – seja uma questão corporativa ou de sustentabilidade da sociedade. Já os indivíduos deverão informar a organização do Hackathon SAS sobre os seus interesses e competências para que sejam colocados numa equipa que corresponda às intenções. Quando a inscrição for confirmada, os participantes receberão novas instruções por e-mail.

As equipas deverão concentrar-se numa ou mais das 10 categorias disponíveis a concurso: AgTech; Banking; Energia; Saúde e ciências da vida; Seguros; IoT; Manufatura; Setor público; Retalho e Telecomunicações.

Durante o mês de março de 2022, as equipas irão colaborar umas com as outras e terão acesso a mentores e parceiros SAS para melhorar as suas ideias e tecnologias. Os finalistas serão selecionados em abril e desafiados a trabalhar com especialistas do SAS no desenvolvimento da aplicação. Os vencedores serão anunciados num evento do SAS.

A start-up LivNSense foi uma das vencedoras da primeira edição, nas categorias Indústria global e Internet das coisas. “O Hackathon SAS permitiu-nos ousar e levar a nossa tecnologia Cognitive Furnace a outro nível”, referiu Avnish Kumar, CEO da LivNSense.

O sistema da empresa usa dados de sensores localizados em caldeiras industriais para alimentar uma caldeira virtual de inteligência artificial. Assim, os fabricantes podem otimizar o desempenho e reduzir o consumo energético, emissões de gases de efeito estufa e a pegada de carbono. “O Hackathon SAS foi uma ótima oportunidade para experimentar novas ideias e impulsionar a inovação”, garantiu Kumar.

As outras equipas vencedoras da primeira edição recorreram à tecnologia como IA e machine learning, visão computacional e IoT para salvar vidas de socorristas através de semáforos inteligentes, explorar a reciclagem para aumentar a produção de alimentos e poupar o meio ambiente, analisar os movimentos de pacientes através de uma sola de sapato inteligente e criar pontuação de risco para perda de equilíbrio e quedas, e ajudar bancos a alinhar os seus portefólios com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados