Como será 2022? Provavelmente esta é a pergunta que todos nós nos temos vindo a fazer nos últimos dias. Quando no dia 31 de dezembro de 2019 deu a meia noite e o ano 2020 começou, o entusiasmo e excitação eram grandes em todo o mundo. Seriam os loucos anos 20 do século XXI. Mal sabíamos que em dois meses e meio tudo ia mudar.

Depois veio a noite de 31 de dezembro de 2020 e havia a esperança, quase infantil, de que a simples mudança do ano deixasse para trás tudo o que queríamos que passasse. Tudo seria melhor. Mas também não foi assim. 2021 continuou a ser um ano de pandemia, de confinamentos, de desafios que causaram as mais variadas dificuldades e transformações na economia e nas nossas vidas.

Com tudo o que sabemos hoje, atrevemo-nos a imaginar o que esperar de 2022?

Não me atrevo a fazer futurologia, mas há uma coisa que eu sei.

A forma como olhamos para a realidade, através de uma lente positiva ou negativa, tem o poder de mudar a nossa vida! O que pensamos determina o que fazemos. Então, cuidemos do que pensamos.

Enquanto líderes, ao fazê-lo, mudamos não apenas a nossa vida, mas a vida das pessoas que lideramos. Do meu ponto de vista, por esta razão, para nós já não é uma escolha, mas sim uma responsabilidade.

Eu sei que isto pode parecer demasiado simples…

Afinal, como pode a simples mudança de lente e pensamento ser mais forte do que os avassaladores fatores externos que chegam até nós, como a pandemia ou as grandes movimentações políticas e económicas a nível mundial e nacional?

A verdade é que pode. E tem sido assim ao longo dos séculos. Se observarmos de perto a vida dos grandes líderes que transformaram o curso da história, comprovamo-lo. Veja-se o exemplo de Mandela. Tinha tudo para não correr bem. Mas este líder, preso durante 27 anos, acabou de forma pacífica e inclusiva o regime do apartheid. Ele dominava com maestria a sua mente e o seu pensamento. Mesmo preso sempre acreditou! Por isso toda a sua energia, foco e ação iam nesse sentido e foram-lhe permitindo descobrir o caminho apesar dos muitos obstáculos e retrocessos!

E a verdade é que o pode também em cada uma das nossas vidas. Pessoalmente, quando assumi a liderança da Mary Kay em Portugal, desde o princípio sempre acreditei que era possível fazer o turn around. Os obstáculos foram muitos. Mas quanto maior era o obstáculo, maior era a minha crença e, depois, a de toda a equipa de que era possível! Isso fez com que frente a qualquer obstáculo, dificuldade ou fracasso, não parássemos. Procurámos novas soluções, fomos mais criativos, pedimos ajuda, focados em conseguir, focados na nossa missão. E conseguimos!

Sim, não podemos mudar ou controlar como será 2022 em relação à evolução pandémica. Não está nas nossas mãos. Não podemos saber se será o fim dos constrangimentos logísticos ou da dificuldade de acesso a talento. Isto para nomear apenas alguns dos desafios vividos e esperados.

Mas o que podemos decidir é como vamos olhar para o mundo e para a nossa realidade. Que pensamentos vão guiar as nossas ações.

Eu, em 2022, escolho os seguintes:

Continuar a sonhar! Sonhar é fundamental. Em tempos de incerteza e transformação ainda mais. Ter e sentir uma visão grande, de crescimento, inspiradora para a nossa empresa e organização. Uma visão em que acreditemos até ao mais profundo do nosso ser, de tal forma que nos tornamos obsessivos com ela e que nos inspira a dar tudo de nós. A não desistir. A procurar superar toda e qualquer dificuldade. Isto é tão poderoso que não só consegue o melhor de nós como faz com que as pessoas que estão à nossa volta o façam também.

Por trás de cada problema há uma oportunidade! Isto vai ser decisivo em 2022 e foi-o em 2020 e 2021. O mundo está com níveis de instabilidade como não vivíamos há décadas e as pessoas e empresas que florescem e vão continuar a crescer são aquelas que não vêm problemas. Veem oportunidades. Por trás de cada desafio está uma oportunidade de fazer melhor, fazer diferente, avançar e evoluir. A quantidade de transformações nascentes desta pandemia são disso um exemplo. O teletrabalho. O nascimento de novos negócios de entregas ao domicílio. A aceleradíssima transformação digital. Já diz o ditado, a necessidade aguça o engenho. Por isso, vamos mudar o pensamento. Quando a nossa cabeça nos trouxer a palavra problema, vamos fazer delete e escrever oportunidade. Isso vai colocar-nos imediatamente na rota certa para encontrar a solução.

– Empoderar. A força e o potencial de uma organização dependem disso! O líder que empodera e envolve as equipas nas decisões nos vários níveis da organização desenvolve o talento e expande o negócio de forma exponencial.

Estes são os meus pensamentos para 2022. Quais são os seus?

Feliz Ano Novo!

Comentários

Sobre o autor

Avatar

Sandra Silva é a diretora-geral da Mary Kay Portugal desde 2009, ano em que entrou para a companhia. Desempenhou um papel importante e fundamental tendo sido responsável pelo turnaround da empresa em Portugal. Liderou a importante renovação da estratégia de... Ler Mais