Um número crescente de start-ups tecnológicas veem Miami como uma possível ponta de lança para as suas operações tanto nos Estados Unidos como na América Latina. Conheça algumas destas empresas.

A Solomoto é uma start-up radicada em Tel Aviv que oferece um tabuleiro digital de marketing para ajudar pequenos negócios a assumir o controlo da sua presença na Internet.

“Nós somos um sistema de operações para negócios pequenos. Tudo o que possa fazer a nível digital para os seus negócios pequenos, deveria poder fazê-lo em 30 minutos por dia num só lugar”, disse Guy Israeli, cofundador da Solomoto.

A Solomoto explorou Miami no ano passado e recentemente tomou a decisão de radicar a sua expansão para os Estados Unidos a partir de Miami. As operações da empresa nos Estados Unidos estão a cargo de Leandro Finol, ex-diretor executivo do Centro de Ideias do Miami Dade College.

Miami tem muitos pequenos negócios, o que combinado com a sua posição como portal para a América Latina  fez da região uma base americana inevitável, disse Israeli. O responsável planeia ter nesta cidade em breve 10 funcionários, ou seja, 20 por cento da força de trabalho da Solomoto.

A Solomoto, criada em 2015, anunciou recentemente que se ia associar à WeWork, o que dá aos 30 mil membros da WeWork acesso aos serviços da Solomoto, através da Loja de Serviços da WeWork. A WeWork, uma empresa global de colaboração laboral que atrai numerosos pequenos negócios, está mesmo a um clique de distância para os clientes da Solomoto. A Solomoto associou-se também à BlueVine, provedor na Internet de linhas de crédito para pequenos negócios. “Ambos sincronizam-se perfeitamente com a nossa visão de ajudar a crescer os pequenos negócios”, disse Israeli, que afirmou que vão ser anunciadas mais associações. “A Solomoto é uma conexão para o ecossistema dos pequenos negócios”, acrescentou.

Apesar de ter como clientes cerca de 5.000 pequenos negócios nos Estados Unidos, o verdadeiro crescimento da Solomoto tem sido internacional. Mais de 150 mil empresas de 24 países estão a usar a plataforma. “Os proprietários de pequenos negócios têm as mesmas dificuldades, não importa em que mercado estejam radicados”, disse Israeli, que fundou a empresa juntamente com Pasha Romanovski, presidente executivo da Solomoto. Ambos fundaram e dirigiram outras empresas a nível internacional.

Para entrar nos Estados Unidos, também a empresa francesa Magic Xperience de realidade aumentada associou-se à StartHub, empresa de colaboração laboral e aceleração radicada em Miami que é especialista em ajudar empresas internacionais a lançar as suas operações nos Estados Unidos. Finaben, a empresa mãe da StartHub, é aliás um dos investidores da Magic Xperience, parte de uma firma francesa de maior dimensão chamada ARTech.

A StartHub está a ajudar a Magic Xperience no desenvolvimento e na venda de produtos de realidade aumentada centrados no consumidor através da Walmart e outros 1.200 mercados minoritários a nível mundial, disse David Bensoussan, fundador e diretor de operações da StartHub Miami.

“Apoiamo-nos nos recursos locais para cobrir as necessidades das nossas empresas membros que estão a lançar-se no mercado estadunidense, para oferecer um crescimento fácil de medir… através do nosso método dos três pilares: colaboração laboral, crescimento e aceleração”, disse Bensoussan. “Temos evoluído e desenhado soluções que se adaptam ao mercado en que estamos… e oferecemos recursos e serviços para uma empresa em qualquer nível do seu crescimento”.

A StartHub trabalhou com cerca de 15 empresas centradas no consumidor, a maioria delas internacionais que incluem a Amsellem, empresa canadiana que fabrica produtos de carne seca, e a KF Beauty, empresa de cosméticos do Reino Unido com uma marca de rápido crescimento chamada WunderBrow, disse Bensoussan. “Focamo-nos em estratégias digitais para a geração de receitas. É assim que funcionamos”.

No mês passado, o Museu Pérez de Arte de Miami anunciou que a Magic Xperience e a StartHub iam criar uma experiência de realidade aumentada para os seus visitantes, financiada com uma subvenção de 150 mil dólares (da Fundação Knight.

O Miami-Dade Beacon Council, a organização de desenvolvimento económico do Condado, tem trabalhado com empresas tecnológicas internacionais que instalaram ou reinstalaram em Miami as suas operações para os Estados Unidos durante o último ano, disse Susan Greene, diretora de marketing do Beacon Council. Entre estas empresas encontra-se a Technocom, de Espanha, que oferece soluções informáticas, de envios e de impressão; a Clearsale, do Brasil, uma empresa de prevenção de fraude; a Woosh, de Israel, cujas estações inteligentes patenteadas oferecem água potável para levar à área de Miami; a ThinkSmart, de Espanha, que desenvolve tecnologia de desempenho de vendas; e a empresa de realidade virtual Dream VR, também de Espanha.

 

Comentários