Em 30 minutos, esta start-up conquistou o Softbank e recebeu 65 milhões de dólares

A norte-americana Digits, que disponibiliza uma plataforma para facilitar a pesquisa e extração de dados financeiros das empresas, acaba de receber uma ronda de investimento liderada pelo Softbank. Atualmente está avaliada em  565 milhões de dólares (515 milhões de euros).

Apresentações multimédia, discursos cuidados e relatórios preparados são estratégias dos empreendedores que querem conquistar a atenção dos investidores durante um pitch. No entanto, para uma fintech americana bastou uma conversa de 30 minutos pelo Zoom para atrair não apenas a atenção, mas também os milhões de dólares do Softbank.

Foi o que aconteceu com a Digits, start-up norte-americana com sede em são Francisco que está a construir uma nova visão do software de contabilidade e que conseguiu convencer Masayoshi Son, o fundador do Softbank a liderar uma ronda de investimento no valor de 65 milhões de dólares (59 milhões de euros). O objetivo do investimento é reforçar a operação da fintech que utiliza técnicas de machine learning para disponibilizar às empresas infraestrutura que permite um maior controlo das contas comerciais.

“Conhecemos Masa numa conversa por Zoom e, em menos de 30 minutos, já tínhamos um investidor para liderar a ronda da Série C”, afirmou Wayne Chang, cofundador da Digits, ao Business Insider.

Anunciada no final da semana passada, a ronda contou ainda com a participação da empresa britânica de capital de risco 20VC, além da GV e da Benchmark, que já eram investidores da fintech. Com o investimento, a start-up soma 97,5 milhões de dólares (89 milhões de euros), estando avaliada em 565 milhões de dólares (515 milhões de euros).

“O que atraiu os investidores foi a plataforma desenvolvida pela empresa que permite pesquisar e extrair dados financeiros que orientam os negócios. As finanças são muito importantes e as empresas precisam de ter a melhor qualidade de dados disponíveis para tomar decisões estratégicas”, disse Harry Stebbings, fundador da 20VC.

O que também pode ter feito a diferença foi a experiência de Chang e de Jeff Seibert, o outro fundador da start-up, no mercado de tecnologia. A dupla de empreendedores já tinha lançado a start-up Crashlystics, proprietária de um software para recolher, analisar e organizar relatórios de falhas de aplicações.

Em 2013, dois anos após ter sido fundada e de ter levantado apenas 6 milhões de dólares (5 milhões de euros) em capital de investidores privados, a Crashlystics foi vendida ao Twitter, num acordo estimado em mais de 100 milhões de dólares (91 milhões de euros). Anos depois, em 2017, o Google comprou a ferramenta do Twitter por um valor não revelado.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados