EDP está à procura de start-ups de energia em todo o mundo

Estão abertas as candidaturas para a edição de 2021 do Free Electrons, uma competição organizada pela EDP que distingue as “mais promissoras start-ups de energia”. As inscrições estão abertas até 29 de março e a final acontece em novembro: a start-up vencedora recebe um prémio de duzentos mil dólares (cerca de 167 mil euros).

Já arrancou a quinta edição do programa “Free Electrons”, através do qual a EDP espera encontrar soluções inovadoras para melhorar os produtos e serviços que oferece aos clientes.

Podem participar start-ups de todo o Mundo com projetos e negócios nas áreas da energia limpa, gestão e eficiência energética, soluções para o cliente, redes inteligentes e comunidades energéticas, armazenamento de energia, acesso à energia, mobilidade, resiliência do cliente e dos serviços públicos, gestão de instalações e bens, soluções de arrefecimento ou conectividade.

As inscrições estão abertas até 29 de março, sendo que as start-ups selecionadas terão oportunidade de participar num programa de oito meses que as coloca em contacto com algumas das maiores utilities do setor energético. Além da EDP, também as empresas Ausnet Services (Austrália), DEWA (Dubai), ESB (Irlanda), E-ON (Alemanha), Origin Energy (Austrália), SP Group (Singapura), TEPCO (Japão), American Electric Power (EUA) e a CLP (Hong Kong) fazem parte do consórcio responsável por promover o “Free Electrons”.

A final da competição está marcada para novembro, sendo que a start-up vencedora receberá um prémio no valor de 200 mil dólares (cerca de 167 mil euros). Desde a primeira edição, já foram investidos mais de 100 milhões de dólares (aproximadamente 83 milhões de euros) em pilotos e negócios com start-ups que participaram na iniciativa.

A EDP está neste momento a trabalhar com sete start-ups que participaram na última edição do “Free Electrons”: a Vyntelligence, que venceu a competição em 2020, mas também a NET2GRID, a Chargetrip, aEnergyX, a FlexiDAO, a Soraytec e a Tesselo.

Em comunicado, a empresa informa ainda que investiu nas start-ups Tesselo, Vyntelligence e Net2Grid através da EDP Ventures.

Em cinco anos, o Free Electrons já permitiu o investimento de mais de 100 milhões de dólares (cerca de 84 milhões de euros) em pilotos e recebeu mais de 2300 candidaturas.

Comentários

Artigos Relacionados