Um projeto familiar de agricultura regenerativa do Alentejo lançou uma campanha de crowdfunding na GoFundMe.

O Monte Mimo é um projeto familiar de agricultura regenerativa, localizado no Baixo Alentejo, da responsabilidade de Rita Magalhães, engenheira do ambiente, e Sérgio Correia, artista plástico, empreendedores que se instalaram na região em 2009.

Desde então são produtores de hortícolas da AMAP Sado (uma comunidade de consumidores que apoia a agricultura na região), e com o seu projeto, pretendem criar uma espécie de “ilha de biodiversidade” no meio da agroindústria, procurando a “soberania alimentar, ao mesmo tempo que regeneram uma paisagem degradada”.

Para isso recorrem a compostagem de matéria orgânica, trabalham com tração animal, fazem vermicompostagem e usam biofertilizantes. O lema deste projeto é criar um sistema integrado de vegetais e animais. Estão a desenvolver uma agrofloresta e a criar charcos para atrair a maior biodiversidade possível para aquele habitat.

Agora, os produtores de hortícolas puserem em prática uma campanha de angariação de fundos que lhes permita comprar uma estufa, orçamentada em cerca de cinco mil euros, para assim puderem dar continuidade à produção durante o inverno.

“A estufa é uma prioridade porque mantem o sistema produtivo e isso torna viável a manutenção do sistema de regeneração”, explicou Rita Magalhães.

Se este valor for ultrapassado durante o crowdfunding, o casal de agroecólogos avançará para a concretização de outros projetos complementares à estufa.

A campanha está decorrer na plataforma GoFundMe  e até ao momento já ultrapassou os três mil euros, num objetivo de cinco mil euros. “Precisamos de todos vós para dar continuidade a este projeto de agricultura regenerativa”, apela o casal no vídeo de apresentação do Monte Mimo na plataforma de financiamento colaborativo.

O Monte Mino integra a AMAP Sado, uma comunidade de consumidores que apoia a agricultura na região e que atualmente soma 19 famílias que, semanalmente, recolhem os seus cabazes de produtos junto dos produtores locais.

Comentários