Entrevista/ “Consideramos tanto o Porto como Lisboa cidades-chave no nosso crescimento em Portugal”

Ricardo Fernández, Country Lead da limehome Iberia

A limehome oferece uma experiência de alojamento totalmente digital, entraram em Portugal pelo Porto, mas a estratégia de expansão nacional inclui mais 100 novas unidades em Lisboa e no Porto,  bem como outras localizações. Ricardo Fernández, Country Lead, fala dos planos da empresa e do potencial turístico do país.

Ricardo Fernández, Country Lead, limehome  Iberia Portugal, afirma em entrevista ao Link to Leaders que “Portugal tornou-se um destino turístico internacional com uma importante atração para os nómadas digitais. Encontramos um forte interesse por parte de investidores, family offices e fundos de investimento que olham para Portugal e para o Sul da Europa com interesse no desenvolvimento destes ativos turísticos que respondem a estes grupos-alvo.

Não será de estranhar que os planos desta empresa europeia de tecnologia hoteleira e operadora de serviced apartments digitalizados, atualmente instalada apenas no Porto, incluam a expansão para outras regiões do país, entre as quais Évora, Braga, Coimbra e Algarve.

Recentemente, o grupo, que atualmente está presente  na Alemanha, Áustria, Países Baixos, Bélgica, Espanha e Hungria, fechou uma segunda ronda de financiamento de 45 milhões de euros, capital que a empresa vai usar para a sua expansão para outros mercados europeus.

Qual a missão da limehome a nível global?
Em termos da missão da empresa, damos prioridade a uma experiência confortável e cómoda para os nossos hóspedes, com foco no design e numa abordagem fundamentalmente digital. O conforto é o nosso padrão de qualidade, conseguido através da amplitude, das comodidades e de uma limpeza atenta. A limehome inova no sentido de proporcionar conveniência, eliminando as limitações dos modelos tradicionais. O nosso objetivo é proporcionar uma experiência perfeita desde a reserva até ao check-out, e temos planos para expandir os serviços para uma conveniência ainda maior.

E os objetivos?
Quanto aos nossos objetivos são os seguintes: procura global de estadias e viagens (procura generalizada permite-nos operar em grande escala); necessidades unificadas dos viajantes (as necessidades dos viajantes apresentam uma variação mínima entre países, eliminando a necessidade de personalizar o nosso produto para cada mercado); capacidades operacionais a nível mundial (temos a capacidade de operar em qualquer lugar onde haja procura de viagens); escalabilidade digital (as nossas capacidades digitais e a nossa experiência em escalar equipas locais tornam a expansão através de cidades e fronteiras altamente viável); e expansão do alcance (o nosso objetivo nos próximos anos é expandirmo-nos e chegarmos a mais hóspedes).

O que distingue a empresa de outros operadores turísticos?
Ao contrário de um hotel tradicional, a limehome não precisa de ter uma receção ou um restaurante, nem de ter um spa ou comodidades semelhantes. Focamo-nos em estadias em apartamentos de design de alta qualidade. O percurso do cliente é também totalmente digital, o que simplifica os processos de check-in, check-out e faturação. Em contraste com a Airbnb, a limehome é um conceito de hotel padronizado e com controlo de qualidade e não um conjunto de diferentes alojamentos, oferecidos principalmente por particulares.

Os nossos utilizadores experimentam um serviço totalmente digital que funciona sem contacto, desde o preço dinâmico dos apartamentos, à reserva, atribuição dos quartos, o check-in e o serviço de apoio ao cliente disponível 24 horas por dia, até ao check-out, à faturação eletrónica automatizada e ao controlo do serviço de quartos.

“Consideramos tanto Porto como Lisboa, cidades-chave no nosso crescimento em Portugal (…)”.

O que levou a empresa a escolher o Porto para acolher o primeiro projeto em Portugal?
A popularidade da cidade entre os viajantes internacionais, juntamente com o seu património cultural e acessibilidade, criam um ambiente favorável aos investimentos hoteleiros. O Porto é uma cidade atrativa devido à sua crescente indústria turística, ao estatuto de Património Mundial da UNESCO, ao enoturismo, ao crescimento económico, às infraestruturas, ao potencial do mercado imobiliário e aos projetos de desenvolvimento da cidade.

Consideramos tanto o Porto como Lisboa cidades-chave no nosso crescimento em Portugal, sem excluir outros destinos de potencial interesse para o nosso modelo de negócio, que nos permite operar em cidades de diferentes dimensões, tanto capitais como cidades de província, com diferentes tipos de procura, bem como numa grande variedade de ativos imobiliários.

Portugal tornou-se um destino turístico internacional com uma importante atração para os nómadas digitais. Encontramos um forte interesse por parte de investidores, family offices e fundos de investimento que olham para Portugal e para o Sul da Europa com interesse no desenvolvimento destes ativos turísticos que respondem a estes grupos-alvo. Graças à digitalização de todo o percurso do cliente, bem como de todos os processos internos, podemos oferecer a estes hóspedes total flexibilidade e máximo conforto a um preço relativamente acessível.

Depois do Porto e Lisboa, que outras cidades portuguesas se seguirão para projetos da limehome?
Portugal tem vindo a consolidar a sua posição como um dos principais destinos internacionais da Europa, batendo recordes tanto em termos de dormidas como de receitas. De facto, no acumulado até 23 de maio, o país registou um crescimento de quase 30% nas dormidas, naquilo que observamos como um crescimento do segmento dos nómadas digitais e dos viajantes com um poder de compra médio-alto.

Para nós, Portugal não é apenas Lisboa e Porto. A nossa flexibilidade como operador permite-nos ser muito competitivos em cidades de pequena e média dimensão, como Braga, Coimbra e regiões como Algarve, desde que tenham fortes geradores de procura hoteleira. Outras localizações estão já a ser planeadas em cidades portuguesas de pequena e média dimensão, como por exemplo Évora. Para a expansão, estamos a trabalhar localmente, e a longo prazo, com investidores portugueses e internacionais.

Desde meados de 2022, temos uma equipa local, tanto para a nossa expansão como para as operações, que traz esse conhecimento minucioso para garantir o seu sucesso.

De que forma pretendem revolucionar a experiência do cliente num apartamento turístico em Portugal?
Os hóspedes da limehome experimentam um serviço totalmente digital desde a reserva, atribuição de quartos, check-in e serviço de apoio ao cliente 24 horas por dia até ao check-out, check-in automático e eletrónico e gestão do serviço de quartos.

Os processos internos também são praticamente totalmente automatizados. Para além da sua própria solução de yield management, da sua própria solução de acesso digital, do controlo automático do serviço de quartos e das soluções de manutenção que permitem um funcionamento eficiente dos locais, também desenvolvemos as nossas próprias soluções digitais baseadas em dados para a seleção, conceção e desenvolvimento dos locais.

Como carateriza o tipo de cliente que procura a limehome?
Os nossos clientes têm diversos interesses e características, desde viajantes em negócios e em lazer, a famílias e casais. As viagens de lazer estão a tornar-se cada vez mais importantes e os viajantes de hoje querem flexibilidade, visitar cidades de dimensão média a pequena e sentirem-se em casa quando viajam.

Tudo o que o viajante moderno procura está presente na experiência limehome: pode reservar no nosso site em dois minutos e fazer o check-in 100% online, carregando os seus dados, onde lhe será dado um código para entrar nos apartamentos. Oferecemos atenção 24/7 por telefone, e-mail ou whatsapp e os apartamentos são muito bem desenhados e muito confortáveis para os viajantes, com sala de estar e cozinha. A sensação de desfrutar do conforto e da tranquilidade da sua própria casa está presente desde o primeiro momento em que entra numa propriedade limehome.

“(…) assinámos contratos para mais de 100 novas unidades em Lisboa e no Porto”.

Qual são os planos de expansão da marca para Portugal?
Recentemente, assinámos contratos para mais de 100 novas unidades em Lisboa e no Porto. Em menos de seis meses, a limehome multiplicou por oito o seu portefólio planeado para Portugal a um ritmo acelerado. Outras localizações estão já a ser planeadas em cidades portuguesas de pequena e média dimensão, como Évora e Coimbra, e na região do Algarve. Para a expansão, a limehome está a trabalhar localmente com investidores portugueses e internacionais de longo prazo.

Como avalia o setor do alojamento em Portugal? E na Europa?
Os grandes hotéis tradicionais enfrentam o desafio de que o seu negócio é principalmente analógico e, por isso, têm muito que fazer em termos de digitalização. Além disso, têm custos de pessoal muito elevados, cerca de 40-50%, por um lado, e, por outro, apenas têm uma produtividade de espaço (o rácio entre o volume de negócios e o espaço utilizado) de cerca de 65%.

Os grandes hotéis tendem a concentrar-se nas maiores cidades, devido aos elevados fatores de custo operacional, pelo que não conseguem cumprir os mesmos padrões que as alternativas mais pequenas num segmento de preço semelhante.

A limehome é uma empresa bem capitalizada que está a liderar a revolução digital no setor. Graças ao nosso modelo de negócio digital, somos capazes de crescer rapidamente tanto nas principais localizações do país como em localizações em cidades secundárias com um elevado movimento de viajantes.

“(…) a maior parte dos lucros continua a ser gerada por operadores tradicionais e não tecnológicos”.

Como olha para o futuro do setor?
O mercado está atualmente muito fragmentado, com uma penetração de apenas 10%.  Dito isto, a maior parte dos lucros continua a ser gerada por operadores tradicionais e não tecnológicos. Para nós, enquanto conceito de hospitalidade orientado para a tecnologia, isto significa uma grande oportunidade para aumentar a nossa quota de mercado. Existem também oportunidades para nós no setor imobiliário, uma vez que podemos encontrar ativos adequados para o nosso crescimento numa questão de semanas. Os grandes hotéis, por outro lado, têm muitas vezes de procurar por períodos mais longos para encontrar um imóvel adequado, uma vez que a sua procura de instalações maiores é muito mais difícil do que a procura de ativos menos limitados.

Qual o mercado que mais se destaca em termos de faturação da limehome?
Globalmente, no último ano, atingimos os nossos objetivos ambiciosos apesar de um ano difícil para o setor, o que demonstra mais uma vez o grande potencial e a resiliência do nosso modelo de negócio. Este é um sinal claro para o mercado. Graças à nossa abordagem orientada para a tecnologia, conseguimos continuar o nosso rápido crescimento, mantendo a confiança dos clientes, parceiros e investidores. Com os sucessos do ano passado, a nossa equipa da criou uma excelente base para este 2023.

Em comparação com 2021, conseguimos mais do que duplicar o nosso volume de negócios nos quatro trimestres de 2022. Apesar dos investimentos significativos realizados (TI, experiência de marca, etc.), a empresa já conseguiu apresentar um resultado EBITDA positivo nos últimos meses, o que não é muito normal para empresas em crescimento durante a sua fase de arranque.

A ocupação média do ano em todos os locais foi de 90%, muito acima da média anual do setor, que é de cerca de 60%. O aumento da procura em comparação com o ano anterior e o nível de preços mais elevado refletiram-se num crescimento de mais de 50% no RevPar (receita por quarto disponível). Também crescemos em termos de recrutamento de pessoal. Temos atualmente 4100 apartamentos em quase 205 locais em mais de 100 cidades sob contrato e operamos na Alemanha, Áustria, Países Baixos, Bélgica, Espanha, Portugal e Hungria.

“Planeamos utilizar o capital angariado para nos expandirmos nos mercados onde já estamos presente, bem como em novos mercados (…)”

Projetos para o futuro da limehome?
Fechámos recentemente uma segunda ronda de financiamento de 45 milhões de euros. Com este capital, a empresa está a preparar a expansão para outros mercados europeus. Os investidores HV Capital, Picus Capital e Lakestar continuam a participar nesta ronda, enquanto os novos investidores AW Rostamani Group e Capital Four se juntam à ronda.

Planeamos utilizar o capital angariado para nos expandirmos nos mercados onde já estamos presente, bem como em novos mercados, como Portugal e Itália, e para aquisições estratégicas de operadores existentes. Em Espanha, o modelo de negócio continuará a crescer em todas as capitais de província, para além de destinos com um segmento de lazer muito importante, como as Ilhas Baleares, a Costa Catalã e o sul da Andaluzia.

Há uma procura de estadias e viagens em todo o lado, o que nos permite desempenhar um papel numa escala tão grande como esta. As necessidades dos viajantes também não diferem muito entre países, o que significa que não temos de adaptar o nosso produto a um novo mercado.

Dito de forma simples, já temos as capacidades para operar em qualquer lugar onde haja procura de viagens. As nossas capacidades digitais e a nossa experiência em escalar equipas localmente significam que a expansão através de cidades ou fronteiras já é muito viável. Nos próximos anos, teremos de nos esforçar para estarmos presentes e chegarmos aos hóspedes em ainda mais locais nos nossos mercados atuais e em novos mercados.

Comentários

Artigos Relacionados

Tiago Rodrigues, economista e gestor
Miguel Pina Martins, CEO e fundador da Science4you