Como coexistir pacificamente com um parceiro de negócio

Conseguir manter uma boa relação com um parceiro de negócio pode ser uma tarefa espinhosa, mas não impossível. Ponha em prática algumas estratégias para que a colaboração profissional seja o melhor possível.

Gerir corretamente uma parceria de negócio nem sempre é fácil. Ou porque as personalidades em causa são ambas fortes, e querem sempre que a sua vontade prevaleça, ou porque têm visões diferentes para o rumo a dar ao negócio… as razões são inúmeras. Por isso, e para que a colaboração entre parceiros decorra da forma mais tranquila e correta possível, existem algumas práticas, partilhadas pelo Entrepreneur, e que podem ser adotadas na relação diária com o seu partner para que a relação seja eficaz e produtiva.

Distribuir responsabilidades
Se há duas pessoas a dirigir a empresa cada uma delas deveria ter competências diferentes e concentrar-se nas suas skills primárias, ou seja, cada um deles levar para a empresa a sua experiência, também em função da própria formação académica. Por exemplo, um centrar-se mais na atração de investidores e o outro no planeamento estratégico ou na tecnologia, se foram essas as suas skills.  O negócio só tem a ganhar com esta divisão de responsabilidades. Por um lado, porque permite construir uma empresa com ativos diversificados, o que também contribuiu para um negócio mais sustentável. Por outro, acaba por ser uma forma mais eficiente de gerir uma equipa, porque assim os colaboradores sabem sempre a quem recorrer em função das dúvidas que tenham.

Não “roube” espaço
Muitos gestores/empreendedores comparam uma parceria de negócios a um relacionamento conjugal, na medida em que é importante que os parceiros compreendam os pontos fortes e fracos de cada um e saibam lidar com eles. Se ambos não conseguem abdicar do controlo ou admitir que têm fraquezas, então estão a “roubar” espaço um ao outro. No fundo estão a competir entre eles para assumir o poder, o o que nfraquece cada um deles e, sobretudo, causa danos no projeto. Além disso, os sinais que dão às equipas são muito importantes e não serão certamente muito positivos se estes perceberem que há um padrão de “luta” entre os fundadores da empresa.

Direito a cometer erros
Os parceiros devem ser responsáveis ​​pelas decisões uns dos outros porque se se culparem consecutivamente por más decisões, dificilmente permanecerão muito tempo juntos. No fundo, as falhas de um e outro devem servir para rever a estratégia conjuntamente e trabalhar nos erros. Até porque investimentos mal-sucedidos ou negócios não concretizados são frequentes no mundo dos empreendedores. Desenvolver a atitude certa em relação ao fracasso é algo que leva tempo, mas que quando apreendida traz vantagens para o negócio.

Aproveitar a colaboração
Os parceiros podem e devem ser uma equipa eficaz e ganhar dinheiro juntos. Mas também é importante que eles se sintam bem nessa relação e gostem de trabalhar juntos. Admirar o talento do seu partner e ter prazer na cooperação pode ser uma peça fundamental para salvar um negócio em momentos mais difíceis. No fundo, desenvolver a capacidade de confiança através do apoio mútuo nas várias etapas de vida da empresa. As parcerias maduras e bem estruturadas são um trabalho conjunto e diário.

Comentários

Artigos Relacionados