Black Friday, CyberMonday, Natal…! Chegou novamente a altura crucial do ano para o mundo da comercialização. Mais cedo do que nunca, as marcas anteciparam as suas estratégias de promoção e de captação de consumidores.

Campanhas alargadas, prazos de troca ou devolução prolongados, reforço nos serviços de entregas, novos formatos de compra e venda nos canais digitais são apenas alguns dos mecanismos implementados para garantir os melhores resultados possíveis.

O empoderamento do e-commerce, impulsionado pela pandemia COVID-19, tem também pressionado as empresas a acelerarem os seus processos de transformação digital e a assumirem uma presença online, algo que deixou de ser uma opção para passar a obrigação. A competitividade intensifica-se a cada dia e exige-se uma resposta capaz, com níveis de performance constantemente otimizados.

Nestes processos, e dada a altura frenética em que nos encontramos em todo o universo empresarial, é essencial manter presente que o comércio eletrónico acarreta tanto oportunidades como múltiplos riscos para as organizações. Acontecimentos como roubo de identidade, dados e informação são cada vez mais frequentes, bem como as técnicas e diferentes formas de o fazer. É fundamental certificar a conformidade legal e a segurança dos processos interinos da empresa, das interações com clientes, potenciais clientes, parceiros ou qualquer entidade terceira.

Para que o online seja exemplo e traga vendas a curto, médio e longo prazo, existe um leque de vertentes que têm forçosamente de ser trabalhadas offline. Nesse sentido, partilho de seguida cinco pontos base que todas as organizações deverão assegurar que são considerados nas suas estratégias digitais, de forma a reforçar a sua credibilidade e garantir segurança aos consumidores nas compras online – não só nesta altura em específico, mas durante todo o ano:

  • Nomeação de um Encarregado de Proteção de Dados e de responsáveis concretos na empresa pelo acompanhamento próximo de todos os processos de transformação digital com apoio interno ou externo à conformidade legal;
  • Criação de uma estratégia específica para a privacidade, proteção de dados e segurança da informação adaptada ao digital, mas com visão global;
  • Acompanhamento e mapeamento ongoing de possíveis ataques de fishing e outras ameaças cibernéticas e preparação de plano de ação a ativar caso os mesmos se verifiquem;
  • Desenvolvimento de ferramentas de segurança para os seus consumidores em caso de contacto e/ou de compras (ex.: duplicação de fatores de verificação via diferentes canais online);
  • Comunicar ativamente as políticas que a empresa desenvolve e tem implementadas nesta área, de forma a criar awareness e reforçar o sentimento de confiança na organização.

*Especialista em Privacidade e Proteção de Dados 

Comentários