As duas empresas participaram na ronda de financiamento da start-up tecnológica que desenvolve software de acesso remoto a servidores.

A Bright Pixel  e a Portugal Ventures divulgaram hoje a sua participação na ronda de financiamento de 2 milhões de euros levantada pela Fyde, uma start-up especializada no desenvolvimento de software para facilitar o acesso remoto e seguro aos servidores das empresas.

Trata-se da segunda ronda de financiamento da Fyde que, para além de ver reforçada a confiança dos atuais investidores – os fundos de capital de risco Draper Nexus e a Vertex Ventures – contou ainda com a entrada de novos investidores como a Portugal Ventures, a Bright Pixel e a Wells Fargo Ventures.

Com este reforço a Fyde prepara-se para investir no desenvolvimento de produto e no crescimento do negócio. Refira-se que esta start-up, com sede nos Estados Unidos, foi criada há dois anos e tem na sua equipa de fundadores os portugueses José Luís Pereira, que assume o cargo de Chief Technology Officer, e Luísa Lima, vice-presidente de engenharia. Conta ainda com uma estrutura de cerca de 20 colaboradores no Porto.

A solução que disponibiliza permite o acesso seguro a servidores e elimina os riscos de segurança associados ao tradicional acesso via VPN. Para garantir uma maior segurança, o software utiliza o modelo Zero Trust Security, que parte do princípio de que nenhum utilizador é confiável e requer que qualquer pessoa, mesmo aquelas que já têm acesso à rede, tenham de ver o seu acesso verificado.

“A cibersegurança tem sido uma área chave para a Bright Pixel devido ao seu potencial de aplicabilidade aos mais diversos setores e à grande necessidade de soluções inovadoras e flexíveis, uma vez que os ataques estão também em constante evolução”, explicou em comunicado Celso Martinho, cofundador e CEO da Bright Pixel, venture builder studio que reforça, assim, o seu portefólio de cibersegurança, entrando numa vertente que ainda não estava coberta pelas atuais participadas.

Rita Baptista Marques, CEO da Portugal Ventures, destacou ainda que “o investimento na Fyde representa a aposta na capacidade tecnológica nacional em cibersegurança, uma prioridade atual para todos. Um coinvestimento com a Bright Pixel, nosso Ignition Capital Network, e outras entidades internacionais incluindo a Wells Fargo, DNX Ventures e Vertex Ventures, confirma Portugal como um dos melhores países para investir e trabalhar”.

Com a equipa de desenvolvimento em Portugal, a Fyde tem vindo a ganhar uma forte tração nos Estados Unidos, especialmente em empresas tecnológicas cujas equipas de desenvolvimento e de vendas trabalham frequentemente de forma remota e precisam de uma ligação segura e com fortes exigências de performance.

Comentários