O BIG smart cities anunciou os 20 projetos finalistas da competição de empreendedorismo e inovação. Esta 5ª edição recebeu um número record de candidaturas, com a participação de cerca de 240 equipas.

Estão escolhidos os 20 finalistas da 5ª edição do concurso de empreendedorismo e inovação BIG Smart Cities, com 10 projetos selecionados nos cinco BIG City Challenges e os outros 10 projetos através das candidaturas online.

Eis os projetos selecionados:

  • Pavnext: Equipamento que reduz a velocidade dos carros e cria energia limpa.
  • Brincar de Rua: Wearables conectados à internet que permitem às crianças brincar em segurança na rua.
  • Portuguese Table: Plataforma promotora de experiências gastronómicas em casa de anfitriões portugueses.
  • Eduttia:  Plataforma que liga alunos com dúvidas/dificuldades escolares aos que dominam a matéria.
  • Tibu: “Buddy Finder Application” que ajuda viajantes a conhecer pessoas/ter experiências locais.
  • Sesta: Rede de vending machines IoT com refeições saudáveis.
  • Rnters: Plataforma que permite alugar ou lucrar com qualquer produto.
  • Tram Grid: Conversão da rede de elétricos em corrente contínua para carregar carros elétricos.
  • Geosafer: Dispositivo IoT para carros que envia dados em caso de emergência/acidente.
  • Tarento Robotics: Robô conectado à internet pensado para a limpeza de campos de cultivo de bagas.

Estes primeiros finalistas desta edição foram apurados nos BIG City Challenges em Coimbra, Braga, Évora, Lisboa e Porto, tendo sido premiados com o acesso direto à última fase da competição e 500 euros de investimento.

Promovido pelo Vodafone Power Lab e pela Ericsson, a 5ª edição do BIG City Challenges registou um número record de candidaturas nesta edição, contando com a participação de cerca de 240 ideias de negócio que pretendem melhorar o dia a dia de quem vive, visita ou trabalha nas cidades.

Os projetos candidatos distribuiram-se por cinco áreas de oportunidade: smart mobility, smart living, smart tourism, smart inclusion e smart green.

40% das ideias de negócio recebidas pertenciam à categoria de smart living, mantendo-se a tendência registada na edição anterior.

Os 20 finalistas deste ano começam agora um programa de pré-aceleração de um mês, recebendo, num espaço de cowork, formação, mentoring e apoio para transformarem os seus projetos em negócios viáveis.

A proposta tecnológica que apresente a ideia mais relevante para as cidades receberá 10 mil euros, seis meses de aceleração no Vodafone Power Lab – onde poderá desenvolver a sua ideia de negócio, recebendo formação, coaching, sessões de mentoria e beneficiando, ainda, do ambiente de partilha de conhecimento, de experiências e de entreajuda entre start-ups que se vive na aceleradora – e terá a oportunidade de visitar um polo de inovação da Ericsson na Europa. Os segundo e terceiro lugares recebem um prémio de 2500 euros. Será ainda eleito pelo público uma menção honrosa, que receberá também seis meses de aceleração no Vodafone Power Lab.

A grande novidade desta edição é o acesso que os vencedores terão à cidade experimental de Cascais, onde podem testar, em ambiente real, as suas soluções tecnológicas para as cidades inteligentes do futuro.

A final acontece em Cascais no dia 11 de julho, com as apresentações públicas dos pitches dos 20 projetos finalistas, a revelação dos três projetos vencedores e a menção honrosa.

Comentários