Em junho de 2020, o Link To Leaders publicou o meu artigo intitulado “No que estou a investir agora” que forneceu seis métricas específicas que estava a usar para ajudar a orientar as minhas decisões de investimento.

Quando liderei um Instituto Universitário de Investigação Económica e Empresarial, fizemos relatórios e previsões regulares para serem usados pela comunidade de investimento, e muitas vezes era nossa prática voltar ao nosso trabalho um ano, ou mais, depois e fazer uma autoavaliação.

Examinar o que fizemos de certo ou errado foi uma capacidade crítica para refinar os nossos processos e análises. Por conseguinte, gostaria de voltar a estes pontos do ano passado para ver como o fiz e também para o utilizar como um lembrete de que, por vezes, é útil que olhemos para trás nos nossos próprios investimentos e empresas para fazermos uma autoavaliação da nossa própria tomada de decisão.

Aqui estão as seis métricas desse artigo original e as minhas notas numéricas correspondentes:

  1. Limitar a minha consulta de sites de notícias e informações convencionais. 18/20 A-
  1. Tratar um dólar (ou euro) hoje como se pudesse valer cinco dólares em breve. 15/20 C+
  1. Investir em empresas ou pessoas com ativos reais e tangíveis fortes. 17/20 B+
  1. Investir em pessoas que tenham algo que você não tenha. 18/20 A-
  1. Imobiliário, imobiliário, imobiliário. 20/20 A+
  1. Seja diversificado. Seja muito diversificado. 16/20 B-

Nota Geral – 17.33 B+

Esta breve revisão da minha orientação de há 17 meses mostra que me saí muito bem e, no geral, estou satisfeito com as minhas próprias decisões de investimento, mas houve algumas coisas que perdi.

O mais óbvio é que, embora reconheça que a Covid-19 ia ser disruptiva para a economia global e, portanto, criar várias oportunidades, em termos de equilíbrio, eu fui provavelmente mais conservador do que devia ter sido e “deixei dinheiro na mesa”.

Embora tenha sido muito correto ao prever que as avaliações imobiliárias iam aumentar significativamente, e de facto fiz grandes investimentos tanto nos EUA como em particular no imobiliário português, há algum sentido de que poderia ter feito ainda mais para localizar ativos imobiliários desvalorizados e tirar partido das baixas taxas de juro. Lição aprendida!

Também falhei ao não aceitar o meu próprio conselho, na medida em que assumi participações significativas em criptomoedas, não só em Bitcoin, mas em várias outras moedas e plataformas blockchain. Por um lado, violei o meu próprio conselho de só investir em empresas com “ativos reais e tangíveis fortes” porque se as criptomoedas são ou não “reais e tangíveis” é uma questão de muito debate global.

Embora estes investimentos tenham tido um desempenho bastante bom, tratei-os mais como explorações físicas de longo prazo semelhantes aos metais preciosos e ao imobiliário, em vez de como investimentos mais especulativos que requerem rotações mais rápidas do que estou habituado.

Quanto ao meu conselho para a diversificação tanto nas classes de ativos como nas pessoas, saí-me bem, mas não muito bem. Alguns diriam que me mantive fiel ao que mais sabia, e não aumentei significativamente a minha própria plataforma e equipa de parceiros, e provavelmente fui mais conservador à medida que pandemia global aumentou em 2020 e em 2021. Só nos últimos meses é que tenho vindo a alargar os meus horizontes de investimento e os potenciais setores para considerar algumas novas posições potenciais mais recentes.

Em retrospetiva, provavelmente devia ter estudado investimentos emergentes mais do que fiz, e aproveitado alguns desses mais cedo. Como exemplo, fascina-me a forma como a indústria de lavagem de automóveis está a mudar rapidamente, utilizando tecnologia, recuperação de água, marketing, dados e sistemas de recompensas dos clientes. Trata-se de uma indústria em rápida expansão na América do Norte, mas talvez seja demasiado tarde para poder captar as primeiras recompensas desta inovação no dia a dia para milhões de consumidores.

Sou imensamente negativo e frustrado com as redes sociais, os meios de comunicação social e muitas fontes de informação. Há uma quantidade reduzida de notícias e informação que eu sinto que é fiável, pois grande parte dela foi envenenada pela política, hipérboles e tensão. Por isso, creio que o meu conselho para limitar estas vozes a falar nos meus investimentos continua a ser prudente.

Continuo a ser um grande crente em termos de inovação e do poder de jovens empreendedores e inovadores para continuarem a melhorar a nossa economia e o nosso mundo. Mas estou a observar mais de perto o movimento daquilo a que se pode chamar indústrias ou setores “velhos ou aborrecidos”. Estes incluem logística, transporte, habitação e bens e serviços básicos. Estou a discutir com vários amigos e aliados como pequenas e subtis melhorias podem ser transformacionais, sem grandes manchetes e atenção excessivas.

O meu encorajamento, à medida que avançamos para o final de 2021, é que 2022 possa parecer-se um pouco com 2021 do ponto de vista do investimento, mas a fiscalidade e a regulação e escrutínio do governo provavelmente irão aumentar em todo o lado. Os projetos de desenvolvimento demorarão mais tempo do que o suposto e as avaliações das empresas serão amplamente variadas, tanto as negociadas nos mercados de ações públicas como os investimentos privados.

O excesso de capital que circula em torno dos investimentos em todo o lado, provavelmente irá começar a diminuir, mas os efeitos serão sentidos durante algum tempo depois. Penso que as taxas de juro se manterão bastante estáveis nos próximos trimestres, mas quando avançarem a ação será rápida e decisiva. Independentemente do que o BCE e os decisores políticos da Reserva Federal dos EUA possam dizer, a inflação é real e está agora embutida no sistema de cadeia de abastecimento. Cuidado com as suas más intenções, pois já passei por isto antes e a inflação pode ser dolorosa.

Boa sorte para todos nas vossas próprias decisões de investimentos. Seja prudente, procure conselhos e invista sabiamente!

Comentários

Sobre o autor

Avatar

Randy M. Ataíde é um experiente CEO, empreendedor e educador com mais de 40 anos de experiência prática de negócio. Atualmente é investidor e consultor numa grande variedade de empresas norte-americanas e portuguesas, em imobiliário residencial e comercial, hospitality e... Ler Mais