Entrevista/ “A indústria da tecnologia da saúde está preparada para uma evolução significativa em 2024”

Akvile Ignotaite, fundadora e CEO do System Akvile

Tornar a saúde da pele acessível a todos. É este o propósito da System Akvile, start-up criada por Akvile Ignotaite que desenvolveu uma app com a missão de ajudar pessoas com pele propensa a desenvolver acne, que é a 8º doença mais comum e que afeta mais de 40% dos Millenials e da GenZs. A lituana participou como júri na última call do Taguspark e falou com o Link to Leaders.

System Akvile está a revolucionar a indústria de cuidados com a pele com a sua solução de banco de dados. Através da sua app Akvile AI, os utilizadores podem compreender o quadro completo das suas alterações na pele, utilizando exames biométricos de rosto, rastreadores de estilo de vida, saúde hormonal, entre outros parâmetros para fornecer uma abordagem holística. Com 400 mil utilizadores registados em todo o mundo, apresenta-se como a primeira app de saúde da pele com base científica a revelar informações valiosas para empresas de cuidados com a pele.

Em entrevista ao Link to Leaders, Akvile Ignotaite, fundadora e CEO do System Akvile, referiu que “a nossa missão é tornar a saúde da pele acessível a todas as pessoas, independentemente da idade, situação económica, educação ou abordagem. Num mundo em que os temas de saúde estão dispersos, com inúmeras abordagens, o nosso objetivo é reduzir a desigualdade, tirando partido da tecnologia e da disponibilidade da informação, sobretudo para os grupos demográficos mais jovens”.

A lituana que participou como júri da última call da Incubadora do Taguspark – Cidade do Conhecimento, falou ainda do seu percurso como empreendedora e dos seus projetos para o futuro que incluem a expansão da System Akvile para o mercado indicado e a realização de testes em Taiwan.

Pode explicar-nos o seu percurso e experiência no ecossistema de start-ups e o que a levou a lançar o System Akvile?
O meu percurso começou com uma profunda paixão pela resolução de problemas e pela inovação. Antes de iniciar a System Akvile, fiz um doutoramento e ganhei experiência de trabalho em várias empresas. No entanto, dei por mim a sentir falta da abordagem prática do mundo empresarial. Embora goste de elaborar estratégias, gosto mais de executar ideias. Além disso, sempre tive problemas de pele, tendo mesmo sido submetida a um tratamento com Roaccutane, e compreendo como os problemas de pele afetam tantas pessoas. A carga psicológica que se sente e o preconceito associado às doenças de pele são absurdos.

Qual é a missão da System Akvile?
A nossa missão é tornar a saúde da pele acessível a todas as pessoas, independentemente da idade, situação económica, educação ou abordagem. Num mundo em que os temas de saúde estão dispersos, com inúmeras abordagens, o nosso objetivo é reduzir a desigualdade, tirando partido da tecnologia e da disponibilidade da informação, sobretudo para os grupos demográficos mais jovens.

“Um dos maiores desafios no percurso da start-up é enfrentar as incertezas, como se se estivesse a navegar em mares tempestuosos”.

Quais foram os principais desafios que encontrou no caminho?
Um dos maiores desafios no percurso da start-up é enfrentar as incertezas, como se se estivesse a navegar em mares tempestuosos. Descobrir o talento adequado para trabalhar num ambiente de ritmo acelerado com recursos limitados, assegurar investidores que estejam de acordo com a nossa missão e compreender o que o nosso produto é para os nossos clientes, são obstáculos significativos.

Conseguiram angariar dinheiro, aumentar a base de clientes e trazer mais criadores e influenciadores. Como conseguiram tudo isto?
O sucesso das start-ups resume-se muitas vezes à execução de estratégias e métricas bem definidas. Concentramo-nos nas principais métricas que impulsionaram o nosso progresso e executamo-las cuidadosamente, compreendendo a importância dos números e do desempenho consistente, bem como a resiliência. Os momentos mais difíceis terminam se definirmos uma estratégia clara e adequada ao produto-mercado.

Muitas vezes, em alturas de incerteza no mercado, os fundadores podem entrar em desespero e tentar angariar o máximo de dinheiro possível. O que pensa sobre esta situação?
O dinheiro é, de facto, crucial e ter uma reserva financeira é prudente, principalmente em tempos de instabilidade. No entanto, a angariação de fundos baseada no estado de desespero nem sempre pode dar os resultados desejados. É essencial encontrar um equilíbrio entre a garantia de recursos e a manutenção de uma abordagem estratégica ao crescimento.

Como é que mantém a mente sã e ao mesmo tempo se mantém resiliente? E como motiva a sua equipa?
Manter a saúde mental e a resiliência é fundamental. Dou prioridade a ouvir-me a mim própria e a fazer pausas quando necessário, nomeadamente quando tomo decisões difíceis, incluindo a reestruturação de equipas quando necessário, para o bem maior da empresa. Quanto à motivação da minha equipa, encorajo a comunicação aberta, reconheço os esforços e promovo um ambiente de trabalho positivo. No entanto, os conflitos acontecem e, provavelmente, a equipa nunca saberá a pressão que exerce sobre os investidores.

“Estou entusiasmada com o crescimento empresarial que está a surgir nas economias emergentes, o que demonstra uma imensa criatividade e positividade”.

Qual é a sua opinião sobre a próxima geração de jovens empreendedores?
Estou incrivelmente otimista em relação à próxima geração de empreendedores. Apresentam novas perspetivas, criatividade e uma variedade diversificada de abordagens para a resolução de problemas. Estou entusiasmada com o crescimento empresarial que está a surgir nas economias emergentes, o que demonstra uma imensa criatividade e positividade.

O que pensa sobre os projetos que se candidataram à Call da Incubadora Taguspark, iniciativa na qual participou como júri?
Fiquei impressionada com os projetos que se candidataram à Call da Incubadora Taguspark. Há ideias inovadoras e indivíduos talentosos com quem vale a pena colaborar, e estou ansiosa por explorar potenciais parcerias.

Existe inovação em Portugal?
Sem dúvida. Portugal, especialmente Lisboa, tornou-se um centro de inovação, que atrai talentos e fomenta um ecossistema tecnológico dinâmico. A presença de eventos como a Web Summit e o aumento de imigrantes contribuem para um ambiente único e propício à inovação.

Como é que prevê a evolução da tecnologia na área da saúde em 2024?
A indústria da tecnologia da saúde está preparada para uma evolução significativa em 2024. Com a mudança da dinâmica de financiamento e a crescente adaptação ao mercado, provavelmente testemunharemos mudanças fundamentais nas tecnologias e nas soluções. É um cenário mutável, e só o tempo revelará quais as inovações que realmente repercutem nos consumidores.

O que 2024 reserva para a System Akvile?
Em 2024, estamos a preparar-nos para uma fase de maior investimento e para expandir a nossa presença, nomeadamente no mercado indiano. Além disso, estamos a explorar oportunidades para testar as nossas soluções em Taiwan, promovendo a nossa missão de tornar a saúde da pele acessível a nível global.

Respostas curtas:
O risco mais elevado:
Adotar a inovação.
O grande erro:
Ignorar o meu instinto.
A melhor ideia:
Aproveitar os anúncios do TikTok.
A lição mais importante:
Persistência perante o fracasso
A maior conquista:
Representar a System Akvile no G20, na Índia, no ano passado.

Comentários

Artigos Relacionados