3 start-ups portuguesas que estão do lado dos clientes

Um estudo norte-americano indica que 72% das empresas têm como prioridade máxima melhorar a experiência do consumidor. Em Portugal, a realidade não é diferente. Fique a conhecer três start-ups, apoiadas pelo programa Ativar Portugal da Microsoft, que têm este campo como principal área de atuação.

Um botão que lhe permite selecionar os itens de que mais gosta, sem perder muito tempo, e depois esperar por ser notificado quando aqueles entram em promoção. Um tutorial para o seu site ou aplicação web, sem tem que sair dele e sem exigir necessidades de programação.  Ou ainda uma ferramenta que torna cada visita do site do cliente numa potencial venda.

Estes são apenas três exemplos de soluções que colocam os clientes no cento das decisões e que aproximam marca e consumidor.

Segundo o Forrester, 72% das empresas referem o melhorar da experiência do consumidor como uma das suas prioridades máximas. Um outro estudo da NewVoiceMedia aponta para uma realidade preocupante: as empresas perdem mais de 54 mil milhões de euros com serviços deficientes de apoio ao cliente.

Hoje, nenhuma empresa pode dar-se ao luxo de ter um serviço de apoio ao cliente que demora a dar resposta. As implicações que tal acarreta traduzem-se de imediato no negócio e a perda dos clientes implicados é a menor das preocupações, uma vez que com as redes sociais um pequeno problema depressa se torna numa crise para a marca. Para evitar este tipo de cenários, é importante que as empresas conheçam o perfil dos seus clientes para melhor satisfazer as suas necessidades.

Conheça três start-ups portuguesas que contam com o apoio da Microsoft e que se têm dedicado a melhorar a experiência do cliente e a traçar o perfil do mesmo para que as empresas o possam conhecer melhor.

Com a Followprice, comprar só quando chega o preço

FollowpriceA ideia que deu origem à Followprice surgiu em 2014. João Almeida Leitão, empreendedor e gestor de uma loja online, identificou a necessidade de uma ferramenta que aumentasse as comunicações sobre promoções a decorrer junto das pessoas realmente interessadas nos seus produtos.

Dado que os visitantes evitam o registo numa loja online antes de se decidirem pela compra, seria fundamental que a solução lhes permitisse manterem-se conectados à loja sem a necessidade explícita de partilharem o contacto com a mesma.

Nascia assim o botão Followprice – uma solução em que os visitantes, à distância de um clique, podem guardar os produtos favoritos de diferentes lojas online num só lugar e serem avisados de descontos sobre os mesmos.

“Acreditamos que o botão Followprice poderá vir a ser visto como um botão de ‘like’ do Facebook, mas para as compras online. A Followprice é o alerta universal de preço e disponibilidade no comércio eletrónico”, referiu Vasco Borges Moreira, cofundador e managing partner da startup, ao Link To Leaders. “A solução está implementada em lojas com 9 milhões de visitas mensais, captando milhares de visitantes, gerando leads de muita qualidade, mais tráfego e mais vendas”, acrescentou o empreendedor.

O cliente é o centro de todas as decisões desta startup. É com base na experiência e no tacto do cliente que é moldada a estratégia da Followprice e que são desenhadas as soluções, tendo sempre em vista o aumento dos resultados.

Nos últimos dois anos, a Followprice conseguiu fechar uma parceria com a Fnac Portugal e outra com um grande grupo internacional de ecommerce com sede em Hong-Kong. Hoje são mais de 200 mil utilizadores a seguirem produtos através da startup, num total acima dos 2 milhões de vendas dos parceiros.

Um dos casos de sucesso apontados pela startup é o de um cliente proveniente de Hong Kong que, embora não apresente uma dimensão de grande escala, vende cerca de 200 mil euros mensais através dos alertas da Followprice.

Recentemente a Followprice adquiriu outra startup portuguesa, a PepFeed.

A startup está hoje presente em mais de 20 países, sendo Portugal, Espanha e Reino Unido aqueles em que tem maior expressão.

O projeto, que nasceu na incubadora de empresas do Taguspark, mereceu o apoio institucional do Programa Bluestart da Portugal Telecom. A equipa passou ainda por um programa de aceleração em Portugal, promovido pelo Lisbon Challenge – Beta-i, pela Startup Lisboa e também por um programa internacional de aceleração nos EUA, promovido pela Carnegie Mellon University. E conta ainda com o apoio da Microsoft.

Helppier, a solução para criar tutoriais interativos

HelppierTudo começou quando Hugo Magalhães, CEO e fundador da Helppier, trabalhava como programador de software. Uma das suas funções era criar documentação e foi aí que reconheceu a necessidade de desenvolver uma solução que simplificasse esta área, tanto em termos de custos de produção como de formação.

O software Helppier nasceu com a função de tornar simples a comunicação entre as empresas e os seus utilizadores online.

Como o nome indica, trata-se de uma ferramenta de ajuda online que permite a criação de guias passo-a-passo interativos, sem programação e de fácil atualização. Estes guias pretendem proporcionar aos utilizadores uma melhor experiência online, ajudando-os a navegar e a executar tarefas em regime de ​self-service, sem saírem do próprio ​software ou website.

“Um bom exemplo de aplicação do Helppier é no suporte ao cliente. As FAQ geralmente não esclarecem as dúvidas dos utilizadores e quando estes ligam diretamente para o apoio ao cliente acabam por ficar retidos entre a opção 1 e a 10 e se optarem por falar com um técnico acabam por desistir. A empresa perde clientes, perde tempo e vê o custo do apoio ao cliente a aumentar. Nós queremos mudar a maneira como os utilizadores são ajudados num website ou web app, atraindo-os até ao sítio certo, no tempo certo, como propósito certo,” referiu Joana Leite, communication & media da Helppier.

“Focamo-nos em ajudar as empresas a melhorarem o seu processo de onboarding e a facilitar a experiência dos utilizadores, com o mínimo esforço possível. Pretendemos levar o desenvolvimento desta tecnologia a todas as empresas que estejam à procura de rentabilizar tempo e recursos, melhorar a experiência online do utilizador e tornar os seus visitantes em novos clientes”, acrescentou Joana Leite.

A startup acredita que a forma como as empresas lidam diariamente com o apoio ao cliente e o ​user engagement mudou bastante nos últimos três anos. Para Joana Leite, as empresas procuram hoje ferramentas que proporcionem ao utilizador uma ajuda self-service contextualizada e que, ao mesmo tempo, rentabilize tempo e recursos.

É disso exemplo a NOS que conta com a Helppier para tornar a navegação na área pessoal do seu site mais funcional e intuitiva. A parceria inclui testes exclusivo da ferramenta online self-service da startup, durante os próximos seis meses, de forma a consolidar a experiência de serviço ao cliente online.

Esta parceira vai ainda mais longe, uma vez que “a criação de guias passo-a-passo permite também rentabilizar o tempo das equipas, que passam a criar autonomamente os seus tutoriais de ajuda. O principal benefício é poderem partilhar rapidamente os conteúdos autoexplicativos, que ficam sempre disponíveis para os seus clientes e colaboradores, minimizando assim horas em chamadas de ajudas ou formação”, partilhou Joana Leite.

A Helppier conta com cerca de dois anos e meio de vida, mas foi mais recentemente que viu a equipa crescer e ganhar outra estrutura, referindo como desafio diário atual o de conseguir dar resposta aos pedidos das empresas que usam a sua ferramenta.

Smarkio converte cliques em clientes

SmarkioCom a sua operação repartida entre Portugal (Porto) e o Brasil (São Paulo e Itajubá) e com uma equipa de cerca de 30 colaboradores, o Smarkio integra o Grupo Impacting, que detém mais três empresas do mundo dos negócios digitais de inovação: a Adclick, a empresa‐mãe que permitiu o surgimento da Beeleads e da Wondeotec e do próprio Smarkio.

Esta empresa, agrega tecnologias como o email marketing, sms, click to call, workflows, online reports, tracking e outras ferramentas de marketing digital e foca‐se em conversões, acelerando assim os resultados dos seus clientes.

É através de uma ferramenta digital desenvolvida para alinhar o processo de compra dos consumidores com os planos de venda dos seus clientes que os ajuda a conhecer e compreender os seus consumidores reais e potenciais, personalizando o contato antes, durante e após a venda.

Desenvolvida para se adaptar a diferentes contextos e necessidades, esta tecnologia permite uma automação planeada e inteligente, aumenta a produtividade dos canais de vendas e gera um maior retorno do investimento em marketing online e offline.

A Smarkio, cujas instalações são no UPTEC (Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto), recorre a metodologias e tecnologias de centralização, automação, personalização e envolvimento, através das quais implementa nos seus clientes estratégias, ferramentas e metodologias de gestão que permitem uma integração efetiva destes com os seus stakeholders, com o objetivo de otimizar os seus investimentos em marketing digital.

Na carteira de clientes, o Smarkio reúne já em Portugal empresas como a EDP, Porto Business School, Prozis, Audi, Vodafone, entre outras, e no Brasil o Itaú, Citibank, Uol, Porto Seguro, Grupo Caelis e a Ace Seguradora.

 

Comentários

Artigos Relacionados

Tiago Rodrigues, economista e gestor
Rosário Pinto Correia, Catolica Lisbon School of Business and Economics