Dar voz a portugueses que estão à frente de empresas e projetos pelo mundo fora é o objetivo do projeto do Link To Leaders e da Plataforma Portugal Agora. Inês Caldeira, General Country Manager da L´Óreal Tailândia, Laos, Cambodja e Myanmar, é a quinta convidada desta iniciativa.

Este verão é diferente de tudo. Por esta altura já teria aterrado em Lisboa, abraçado os meus pais e amigos, rumado a Sul para os dias de sol eternos e os pores de sol da minha infância.

Tinha imaginado que o meu filho Antoine, agora com dois anos, começasse a criar memórias desse país maravilhoso que é Portugal.

As expatriações modernas habituaram-nos mal. O mundo ficou tão interligado que num piscar de olhos conseguíamos voltar a casa, minimizando as saudades e maximizando a experiência no estrangeiro. Depois veio a COVID, o lockdown e este Now normal (o normal de AGORA). A distância ficou real.

Quando cheguei à Tailândia há dois anos tive a sensação de viver a minha própria época de Descobrimentos. Os cheiros, as paisagens, os sabores, os desafios de negócio, a realidade social e o Budismo foram um abrir de olhos para a cultura a Oriente.

O “slow living” tailandês traduz-se em muitos aspetos da vida social. mas também profissional. As relações com clientes são sempre de longo prazo, as conversas sobre a carreira com os colaboradores tem um horizonte igualmente alargado. Não há pressa de chegar, de atingir um fim. O focus é posto no caminho. Não me interpretem mal, os tailandeses são altamente criativos e desenrascados num contexto de mercado de enorme dispersão e competição, mas ser n.º 1 não é um objetivo em si.

É por isso que a gestão de pessoas, a fidelização e aquisição de talento tem sido dos maiores desafios.

Paradoxalmente ao “slow living” dominante existe um movimento permanente. Estou convencida que o nome VUCA foi inspirado nestas geografias a Oriente. Não há um dia igual a outro e não falo do impacto da COVID. Novas marcas, marcas cadentes, locais ou internacionais, verdadeiras ou cópias, infinitas publicidades, uma distribuição complexa, novos modelos de negócio, a explosão do formato convenience store e agora ecommerce…. uma rapidez incrível que exige flexibilidade, agilidade. É portanto parte do meu papel fazer da inconsistência uma variável permanente. Porque realmente o único que é constante é a mudança.

Para o contexto do Sudeste Asiático, a Tailândia dispõe de bastantes dados sobre o consumidor, o mercado. Isso permite-nos avaliar o que aconteceu e ajustar estratégias, mas a maioria das decisões sobre o futuro são tomadas com base em instinto, experiência e focus. É fácil cairmos na tentação de dispersar.

Têm sido dois anos de enorme aprendizagem e descoberta. A COVID faz desta experiência algo único, mas não retira a sensação de que estou a viver um capítulo incrível da minha vida profissional.

Gostava de estar a escrever este artigo numa praia algarvia ou na Costa Alentejana. Não estou, mas não me queixo. A Tailândia também me ensinou que temos de aceitar a vida como ela é.

* Laos, Cambodja e Myanmar


Inês Caldeira começou o seu percurso na empresa L’Oréal, como estagiária no marketing da Divisão de Produtos de Grande Consumo (DPGP), área que congrega marcas como L’Oréal Paris, Garnier e Maybelline, tendo evoluído para gestora de produto júnior e, posteriormente, sénior.
Rumou a Paris, à sede do grupo L’Oréal, onde integrou a equipa de desenvolvimento de marketing internacional para trabalhar o desenvolvimento dos mercados asiáticos. De regresso a Portugal, em 2006, assumiu a gestão de marketing da Garnier e, em 2008, voltou a França como diretora de marketing da DPGP para a Europa.
Em 2010, assumiu a direção de marketing da L’Oréal Paris, tendo passado depois a diretora-geral da mesma marca. Em 2014 assumiu o cargo de General Country Manager da L’Oréal Portugal. Aos 35 anos foi a mais jovem gestora de sempre à frente do grupo em Portugal. Em 2018 partiu para a Ásia como General Country Manager da empresa na Tailândia, Laos, Cambodja e Myanmar.

Comentários