Ter um mentor com experiência na área em que uma start-up está a atuar é meio caminho andado para não cometer erros e poupar tempo e dinheiro a remediá-los.

As estatísticas revelaram que 93% das pequenas e médias empresas considera que a ajuda de um mentor pode ajudá-las a terem sucesso. Por curiosidade, os mesmos dados revelaram que, em 2013, apenas 14% dos negócios portugueses recorriam a mentores.

Vencedores da Get Started, uma competição de pitchs, criada pelo grupo de média norte-americano Cox Business, revelaram quais foram os melhores conselhos que receberam, segundo a INC.

1. Chad Zani (à esquerda na foto), vencedor da Get Started em Orange County, em 2016, com a start-up Envi, que recorre a uma pasta biodegradável para lavar carros.

“Um mentor disse-me para não stressar com ‘coisas’, explicando-me que stressar por causa de um problema nunca vai ajudar e mais rapidamente me vai fazer perder tempo e esforço com assuntos que têm pouca probabilidade de acontecer. Depois dessa conversa, sigo em frente quando estou 80% feliz com uma decisão tomada. Depois mudo os planos consoante o ‘feedback’ que vou recebendo”.

2. Jonathan Preedom, venceder da Get Started em Roanoke, em 2016, com a start-up Game Tracker, um aparelho de ajuda a caçadores.

“Potenciais investidores queriam que eu hipotecasse a minha casa como prova do meu desejo de ir ‘all in’ no negócio deles. Um mentor explicou-me que, apesar de poder ter essa tentação, a falta de segurança financeira pode criar um ambiente de desespero, levando um empreendedor a cometer erros graves”.

3. Kryystal Stubbendeck, vencedora da Get Started em Omaha, em 2016, com a Borrow Your Bump, uma plataforma online que permite a mulheres grávidas pedirem equipamentos/acessórios emprestados para o bebé a outras mães.

“A minha start-up é pessoal para mim. Perdi horas de sono, chorei, lutei com o meu marido por causa dela. Quase que desnudei a minha alma quando tentava receber dinheiro de investidores. Por isso quando dizem que não, dói. Sente-se um aperto no coração. Os mentores ensinaram-me a não levar as coisas tão pessoalmente”.

4. Torrey Tayenaka, vencedor da Get Started em Orange County, em 2015, com a Eva, um chuveiro inteligente.

“Sempre me apoiei imenso nos mentores, instrutores e grupos de empreendedores. O melhor conselho que recebi foi de que tudo pode e deve ser feito com uma metodologia. Agora tenho um processo para tudo, desde como lidar com o pedido de um cliente até como comparar um cliente feliz com um olheiro de orçamentos”.

5. Emily Gaddis, vencedora da Get Started em Nova Orleães, em 2016, com a Gator and Crane, que promove dietas saudáveis, reduz o desperdício e aumenta a procura local por comida através da sua empresa.

“Quando comecei, outros empreendedores locais tornaram-se meus mentores e ajudaram-me, por exemplo, a desenvolver um plano de marketing para o Facebook. O melhor conselho que me deram foi para pedir a empresas do exterior que me tratassem da contabilidade, dos recursos humanos e de outros serviços profissionais para que eu pudesse focar-me no que faço melhor”.

6. James Lawrence, vencedor da Get Started em Tucson, em 2015, com um “software” avançado que garante aos utilizadores de drones estarem em conformidade com as regras.

“Assim que se começa a ser conhecido por potenciais clientes descobre-se que todos querem a ideia. É preciso cuidado e proteger o produto com patentes e registos de marca. A competição é feroz e é importante percebê-la e identificar áreas que devem ser protegidas”.

7. Remmi Smith, vencedora da Get Started em Tulsa, em 2015, com o seu programa “C.H.E.F – Cook Healthy Exercise Frequently (Cozinha Saudável Exercita-te com Frequência, em tradução livre).

“O meu programa online ‘Cook Time with Remmi’ surgiu, na verdade, de uma ideia do meu irmão mais velho. Ele sugeriu que publicássemos vídeos online de nós a cozinhar porque ia ser divertido. Neste momento, sou mentora para a ‘Thrive15’, e é bastante gratificante partilhar a minha experiência e passá-la a empreendedores que podem estar a passar pelo mesmo processo que eu passei”.

8. Siloh Moses, vencedor da Get Starte em Las Vegas, em 2016, pelo Fork&Spoon, um restaurante que fornece um prato de comida por cada refeição comprada por um cliente.

“É fácil ficar pelo grupo com que sempre te deste e ser a pessoa mais rápida a trabalhar. Mas se queres correr uma maratona chamada ‘sucesso’, tens de correr contra os mais rápidos. Contra os que treinam diariamente para ser os melhores. Podes não ganhar um lugar no pódio e até podes ficar em último, mas o teu tempo foi bem gasto porque correste com um grupo mais rápido”.

9. Jen Koevary, vencedora da Get Started em Tucson, em 2016, com a MyCardia, um implante que pode ser posto na superfície do coração para regenerar tecidos danificados.

“Pede o parecer sobre o teu negócio a pessoas que não estejam associadas ao teu setor, porque elas podem trazer ‘insights’ novos ao teu negócio que pessoas da tua indústria não pensariam, nem chegariam lá”.

10. Eric Burns, vencedor da Get Started em Omaha, em 2015. A sua nova start-up, Gazzella Wifi, fornece soluções de marketing de WiFi a restaurantes de todo o mundo.

“O meu mentor, Nathan Preheim que tem a ‘Startup Collaborative’, uma aceleradora de negócios em Omaha (Nebraska, EUA), deu-me um conselho irónico: ‘ignora todos os conselhos dos teus mentores. Ouve apenas os teus clientes’. E ele tem razão. Nós recebemos ótimos conselhos e pareceres dos clientes. As pessoas que nos pagam as contas transformaram o produto naquilo que é hoje”.

Comentários