A aposta da Universidade de Yale surgiu de um fundo de 30 mil milhões de dólares de doações de ex-alunos e empresas. Esta é a primeira instituição de ensino norte-americana a investir no mercado das criptomoedas.

Depois de um verdadeiro boom em 2017, o ano de 2018 não está a ser o mais favorável para as criptomoedas. Mesmo com uma queda no valor médio das principais moedas, que já supera o da Bolha da Internet (no ano 2000), estão a ser criados novos fundos para investir nas moedas digitais. O mais recente conta com investimento da Universidade de Yale que é a primeira instituição educacional a entrar neste mercado.

Segundo a Bloomberg, a universidade com sede em New Haven é uma das investidoras que ajudaram a juntar 400 milhões de dólares (347 cerca de milhões de euros) para a criação do fundo Paradigm, que terá uma carteira de ativos digitais. A este fundo juntaram-se o cofundador do “banco” de negociação em criptomoedas Coinbase, Fred Ehrsam, e ex-parceiros da Sequoia Capital e do criptofundo Pantera Capital.

A Universidade de Yale integra o Paradigm através do seu fundo de dotações, tradicional fonte de recursos financeiros que as instituições de ensino norte-americanas acumulam com doações de ex-alunos e empresas, para que invista em novos recursos que melhorem a sua administração e estrutura. O fundo de dotações da Universidade de Yale soma 30 mil milhões de dólares (aproximadamente 25 mil milhões de euros).

A Universidade de Yale já tinha adiantado à imprensa estrangeira que quase 60% dos seus ativos no ano fiscal de 2019 serão direcionados para investimentos alternativos, incluindo capital de risco, hedge funds – que são fundos de proteção ou cobertura de risco – e aquisições alavancadas (leveraged buyout).

O fundo Paradigm prevê investir em projetos em estágio inicial focados em criptomoedas, blockchains e bolsas de valores.

Comentários