Estou em conflito! Sim, estou em conflito. Será que não conseguimos ver o que se está a passar à nossa volta? Parece que estamos a enterrarmo-nos num buraco, na miséria e a criar um problema cada vez maior, a cada dia que passa.

Considero-me um realista. Sei e compreendo que os EUA são a única Super Potência do mundo. Os EUA têm uma localização geográfica vantajosa, protegida por dois grandes oceanos, a este e oeste, bem como vizinhos pacíficos, a norte e a sul das suas fronteiras. É também, sem qualquer dúvida, a nação do mundo com maior poder económico e militar. Mas será que é a nação mais amigável, honesta, humilde, livre, corajosa, virtuosa ou, até mesmo, mais fiável? Será um Super Problema, em vez de um Super Poder para si mesma e o mundo? Estará prestes a implodir e talvez arrastar-nos a todos? Aqui estão algumas ideias de alguém, que adora o mundo, mas acima de tudo, adora as pessoas.

Enquanto escrevo este texto, outro momento infeliz de terrorismo acontece em Nova Iorque, no qual se perderam oito vidas. Podia ter escrito este texto, há algumas semanas, quando morreram 55 pessoas, em Las Vegas, ou no futuro, quando mais vidas serão perdidas, perante outros atos de terrorismo, a nível local ou internacional. Porque é que isto está a acontecer? Como é que uma Super Potência pode ter tão pouco controlo sob estes ataques terroristas internos, que parecem acontecer quase diariamente? Como é que um Super Poder pode ter tanto medo e estar tão desesperado e fraco? Como é que um Super Poder pode odiar e ser odiado por tantas pessoas, e amar e ser amado por tão poucas? Eu também estou solidário com o resto do mundo que, constantemente, sofre os efeitos secundários de decisões tomadas por este Super Poder.

A resposta é óbvia. Tem sido óbvia no passado, é óbvia hoje em dia e vai continuar a ser óbvia no futuro.

DIVISÃO: Os EUA são uma nação dividida e, pior do que isso, os EUA têm dividido outras nações. Esta é uma receita para o desastre, uma vez que as nações divididas caem, enquanto que as nações unidas ascendem.

A história tem-nos ensinado, que somos mais fortes quando estamos unidos e mais fracos quando divididos. Estamos unidos pelo amor e divididos pelo ódio.

Os EUA atualmente têm muitos ódios:
– Odeiam os muçulmanos, judeus ou qualquer outra pessoa, que não seja um americano branco, conservador e cristão.
– Odeiam os negros, Mexicanos, Chineses, Africanos, habitantes do Médio Oriente, Europeus, Sul Americanos ou qualquer outra pessoa que não seja um Americano branco (de acordo com o conceito americano de Steve Bannon e não os índios nativos).

A lista de amor nos EUA é mais curta, é simplesmente “ama-te a ti e a mais ninguém”. Ao contrário da boa Bíblia Cristã, que diz para “amar o próximo como a si mesmo”.

Os vizinhos dos Americanos estão incluídos na lista de ódios acima referida e não na lista de amores. E é triste, muito triste todo este ódio.

O medo dos nossos vizinhos leva-nos a adotar comportamentos irracionais, a odiar constantemente, causando problemas ainda maiores. Temos de deixar de escavar, deixar de odiar e deixar de ter medo. Caso contrário, iremos testemunhar a autodestruição de um Super Poder, de dentro.

Atualmente, os EUA são o seu pior inimigo e parecem mais os Estados Divididos da América (EDA). Não podem dar-se ao luxo de lutar contra problemas internos e externos, em simultâneo, uma vez que nenhum poder é suficientemente forte para sobreviver a esta divisão. Este medo provoca atitudes, que conduzem a uma maior divisão. Estamos a eleger líderes que causam uma maior divisão ao alimentarem os nossos medos. O que é assustador, é que já vimos isto a acontecer inúmeras vezes na história e parece que não acreditamos que está a suceder de novo. Movimentos e líderes promoviam as suas ambições e visões através da propaganda, hoje em dia, fazem-no através de notícias falsas.

Será que os EUA conseguem ter assim tanto ódio, tantos inimigos e ainda assim acreditarem que estão a praticar as políticas internas e externas mais corretas? Parece que esta nova administração rapidamente espalhou o ódio e aumentou o seu número de inimigos, desde que assumiu o comando. Como é que os EUA podem ser um exemplo, se são odiados por tantos, interna e externamente? Poderão os EUA salvarem-se? Será que todos os Americanos poderão vir a cantar o hino, orgulhosamente, de pé? Será que a América do futuro deixará de tornar 1% da população mais rica e 99% mais pobres, todos os anos? Três indivíduos mais ricos equivalem a 120 milhões de pessoas mais pobres. Será que a terra da liberdade e dos mais fortes se vai tornar na terra dos presos e assustados?

Um verdadeiro Super Poder deve liderar o mundo de forma moral, mas também deve ter fortes crenças de proteção ambiental, por que tem mais a perder. Em vez disso, vemos o contrário a acontecer, vemos esse suposto Super Poder a desistir do mundo e a afastar-se dos acordos internacionais, que nos beneficiarão a todos, incluindo os EUA. Mais uma vez, por si só, sendo o único país que não faz parte do Acordo de Paris e a deixar outros acordos.

Um Super Poder não pode sentir-se como uma vítima e atirar os brinquedos do berço, como tem estado a acontecer, recentemente, afirmando ter o poder para negociar melhores acordos, “o que é treta”. A verdade é que se tornou um Super Poder por já ter tido e beneficiado de grandes negócios. A sua autoimplosão é da sua inteira responsabilidade.

Intromete-se nos assuntos de tantos outros países, sempre com uma atitude de superioridade e, muitas vezes, mudando aspetos políticos e sociais de países independentes. Está na hora de os EUA olharem internamente e resolverem os seus próprios problemas, deixando os outros resolverem os seus próprios. Os EUA, desde o início, têm sido uma das nações mais brutais, bárbaras e que mais sangue derramaram, tendo estado em guerra constante, externamente ou internamente, durante a maior parte destes recentes 200 anos. Um Super Poder, que continua a agir dessa maneira, sem amor e empatia, está condenado.

Um país com o típico Steve Bannon, que defende que “são uma nação de cidadãos e não de imigrantes”. Este é um branco assustado e com uma arma, agarrado ao passado, com um sentimento de vítima, uma ideia antiquada do conflito americano e sem esperança. A boa notícia é que houve uma besta semelhante a este cidadão no passado: o dinossauro, e devido à capacidade limitada do seu cérebro, entre outras limitações, extinguiu-se, pelo que acredito este cidadão não existirá num futuro próximo e em número relevante. Na verdade, no mundo atual, as pessoas estão a partilhar ideias, sendo a tolerância uma virtude, bem como o respeito, a empatia e o amor, que é a cola que nos mantém unidos.

Este típico cidadão, Steve Bannon, é aquele que derrubará os seus amados EUA com o ódio e crenças descabidas. A esperança é de que um dia falemos sobre esses cidadãos como falamos dos dinossauros, na medida em que eles já não existem. Estes sabem que os seus dias estão contados e é, por isso, que eles estão tão desesperados para cimentar a mudança. Tal aconteceu com os traficantes de escravos no passado quando estavam de saída. Uma coisa é certa: não haverá um final feliz para estes cidadãos. No futuro, estes serão substituídos por seres humanos mais inteligentes e com maior capacidade de adaptação. É extremamente triste perceber que este cidadão teve uma situação e educação extremamente privilegiada, mas não conseguiu aproveitá-la para o bem do seu país ou do seu semelhante. Ele teme, simplesmente, o futuro e fará qualquer coisa para impedir a sua inevitável morte, em vez de se adaptar ao novo mundo.

O farol da luz está, atualmente, virado para a escuridão, a história mais triste que o mundo já viu.

À medida que termino este artigo, tenho conhecimento que mais 27 pessoas morreram num ataque a uma igreja, no Texas, por um cidadão Americano branco. Mal posso esperar pelo momento, em que estes se tornem dinossauros.

Versão do texto em inglês:

Super Power Impodes, were are the Leaders? 

I am conflicted !!! Yes, I am conflicted. Do we not see what is happening around us? We seem to be digging ourselves into a hole, into misery and creating a bigger problem each passing day.

I consider myself a realist, I know and understand that the USA is currently the only world Super Power, this I do not dispute. The USA has a geographically advantageous location, protected by two major oceans, east and west and peaceful neighbors north and south of it’s borders. Its also, without question, the strongest economic and military nation in the world. But is it the friendliest, the most honest, the most humble, the freest, the bravest, most virtuous or even the most trustworthy nation? Is it maybe a Super Problem instead of a Super Power to itself and the world? Is it about to implode on itself and maybe taking us all with it? Here are some thoughts from someone who loves the world and most of all it’s people.

While I write this, another sad event of terrorism has occurred in NYC where 8 lives have been lost. I could have written this a few weeks ago when 55 lives were lost in Las Vegas or in the future when more lives will be lost to such acts of terror local and foreign. Why is this happening? How can a Super Power have so little control over these internal terrors that seem to be occurring almost daily? How can a Super Power be so scared, so desperate and ultimately so weak? How can a Super Power hate and be hated by so many and love and be loved by so few? I also sympathize with the rest of the world who constantly suffer the ripple effects of decisions made by this Super Power.

The answer is obvious, it’s been obvious in the past, it’s obvious today and it will continue to be obvious in the future.

DIVISION; The USA is a divided nation, and worst still, the USA is further dividing other nations. This is a recipe for disaster as divided nations fall and united nations rise.
History has taught us that we are strongest when United and weakest when divided. We are united by love and divided by hate.

The current USA has many hates:

– Hate the Muslim, Jew or any non White conservative American of Christian faith.

– Hate the Negro, Mexican, Chinese, African, middle eastern, European, East European, South American, Islanders or anyone else who are not White American (Accordingly original American = Steve Bannon and not the native indians)

The list of love in the USA is much shorter, it’s simply love yourself and no-one else. Contrary to what the good Christian Bible tells which is that we should love everyone, love our neighbor as we love ourselves.

America’s neighbors are included on the hate list above and not on the love list. Sad, its really Sad all this hatred.

The fear of our neighbors causes us to act irrationally, hate continuously, causing the problem to get bigger. We need to stop digging, stop hating and stop fearing. If we don’t, then we will witness the self destruction of a super power from within.

Currently the USA is it’s own worst enemy and it seems more like the Divided States of America (DSA). It cannot afford to be fighting internal and external issues at the same time as no power is strong enough to survive division. This fear is causing actions that create further division, we are electing leaders who cause further division by feeding our fears. The scary thing is that we have seen this happen over and over in history and we seem to not believe it is happening again right now. Movements and leaders use to forward their ambitions and visions using propaganda now its using fake news.

Can the USA really have so much hatred and so many enemies and still believe it’s practicing the right internal and external policies? It seems that this new administration has quickened the spread of hatred and increased its enemy numbers since taking over. How can the USA be an example if its hated by so many internally and externally. Could the USA still save its self? Could all Americans in the future sing their Anthem standing proudly? Will the future America stop making the 1% wealthier each year and the 99% poorer, 3 Richest individuals are equal to the 120 million poorest. Will the land of the free and the brave become the land of the imprisoned and scared?

A true Super Power should be leading the world in a moral manner, it should also hold strong environmental protection beliefs because it has the most to loose. Instead, we see the opposite happening, we see this supposed super power give up on the world and walk away from international accords that would benefit us all including the USA. Again standing by itself as the only country not part of the Paris accord and getting out of other agreements.

A Super Power cannot feel like a victim and throw it’s toys out the cot as it has being doing recently, claiming it can negotiate better deals, “what utter bollocks”. The truth is that it became a Super Power because it already had and has benefited from great deals. Its self-implosion cannot be blamed on anyone else but itself.

It meddles in so many other country’s issues, always feeling superior and often even changing political and social aspects of independent countries. It’s time for the USA to look internally and fix their own problems and leave the others to learn and resolve theirs by themselves. The USA has since its inception been one of the most brutal, barbaric and blood spilling nations of all, it has been at constant war externally or internally for most of the last 200 years. A Super Power who keeps acting this way without Love and empathy is doomed.

A country with the typical Steve Bannon Citizen which is a scared White gun carrying, past looking, victim feeling, out dated idea conflicted American has no hope. The good news is that there was a similar beast to this citizen in the past, it was called the dinosaur and due to their limited brain capacity and other limitations, they became extinct, just as this citizen won’t exist in the near future in any relevant number. In todays real world people are mixing, ideas are being shared, tolerance is a virtue, respect, empathy and love is the glue that holds us together.

This current typical Steve Bannon citizen is the one who will bring down his beloved USA with hate and entitlement believes. The hope is that one day we speak about these citizens as we do about the dinosaurs in that they no longer exist. These citizens know their days are numbered and that’s why they are so desperate to cement change. It happened to the slave traders in the past as they were on the way out, same situation. One thing is certain though, there is no happy ending for this citizen, in the future they will be bred out and loose out to the more intelligent and adaptable human beings. It’s extremely sad to note that this Citizen had the most privileged circumstances and up-bringing of any citizen in history, but could not develop to take advantage of it for the good of his country or fellow man. He simply fears the future and will do anything to stop his inevitable demise instead of adapting accordingly to the new world.

The beacon of light is currently turning in to the hole of darkness, the saddest story the world has seen.

As I end off this piece, I hear more breaking news, another 27 people have just been killed in another attack at a church in texas by a white American citizen. Can’t wait for them all to be dinosaurs.

Comentários

Sobre o autor

Tim Vieira

Tim Vieira é empresário em Angola desde 2001, país onde possui, juntamente com o seu sócio Nuno Traguedo, um dos mais relevantes grupos de Media – a Special Edition Holding –, que emprega mais de 500 colaboradores e detém algumas das principais agências de publicidade, eventos, ativações de marca e planeamento de meios (TBWA/Angola, Original Brands, Multileme, Onmedia). Tem também empresas de media em Moçambique e no Gana. É CEO... Ler Mais