Depois de na sexta-feira termos apresentado 25 empresas da lista das 50 que responderam ao nosso desafio para explicarem o que fazem e o que ambicionam, hoje, uma dia antes de começarem as palestras da Web Summit, publicamos as restantes. Fazem parte do grupo total das 150 start-ups nacionais que este ano foram selecionadas para participar no evento.

Reveja as 25 start-ups que apresentamos na primeira parte do artigo “Start-ups nacionais no Web Summit: o que fazem, o que ambicionam”

Match-Photos

  • Qual o âmbito de atuação do projeto. Nós colocamos os ‘holofotes mediáticos’ nos espectadores – de momento em jogos de futebol – através da nossa tecnologia que permite a captura de imagens em tempo real de todo o estádio nos momentos mais emotivos dos jogos. Adicionalmente procedemos à classificação automática das fotografias que permite a identificação do local – bancada, sector, fila e lugar – e no limite de quem está presente em cada imagem, de forma a que cada espectador possa aceder, descarregar e partilhar gratuitamente as suas imagens nos melhores momentos de cada jogo.
  • Qual a maior conquista: Nos últimos dois meses termos fechado acordos com quatro clubes de futebol da Liga NOS e estarmos em conversações, bem adiantadas, para que mais três clubes portugueses de primeira linha sejam também nossos parceiros.
  • A maior dificuldade: Acompanhar a logística e organicamente o crescimento do projeto e a rápida adesão por parte dos clubes. São “boas dores de crescimento”.
  • Objetivos para 2018: Internacionalizar e termos como parceiros vários clubes de futebol das principais ligas europeias.
  • Principais necessidades no momento: O fortalecimento da rede de parceiros que permita a rápida internacionalização é uma constante prioridade. A incorporação de novos investidores é uma possibilidade para habilitar o ritmo e crescimento e internacionalização que planeamos.

MITMYNID

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: BIZCARGO.com é um portal online, desenvolvido integralmente pela MITMYNID, para procurar e comparar os melhores serviços de transporte e logística com soluções simples ou multimodais porta-a-porta, onde os clientes podem pedir cotações grátis, gerir os seus bookings e acompanhar a execução do transporte. Procura e combina serviços para fornecer soluções otimizadas, dando relevância a requisitos como ecoeficiência, duração, preço e avaliação dos serviços, etc. Aumenta a visibilidade dos operadores de serviços logísticos no mercado e torna simples e rápidos os processos harmonizados de gestão de cotações, booking eletrónico e acompanhamento da execução. A plataforma promove os serviços de todas as empresas que atuam no setor dos transportes e da logística, sejam integradores, operadores ou prestadores de serviços complementares.
  • Qual a maior conquista: O BIZCARGO não tem dependência de nenhum grupo empresarial, disponibiliza uma nova abordagem de procura de serviços de logística e transporte baseada em catálogos de serviços e permite tratar o booking eletrónico e acompanhar a execução das operações num único local. Inova também pela capacidade de colaboração entre operadores tanto na contratação como na execução das operações e disponibiliza aplicações móveis para que todos os intervenientes possam interagir com a plataforma. Esta conquista foi possível através de um projeto cofinanciado e pelo demonstrador realizado em ambiente real com o early adopter Grupo ETE – um dos maiores grupos de empresas portuguesas de transporte e logística.
  • A maior dificuldade: As expetativas das empresas que tomaram conhecimento desta plataforma foram crescendo enquanto estivemos em desenvolvimento. A gestão destas expectativas foi um dos grandes desafios que enfrentamos. Numa startup, com recursos limitados, o equilíbrio entre a disponibilidade desses recursos e a ambição de desenvolver o melhor produto, em menor período de tempo, é difícil de encontrar. Contudo, a experiência de longos anos a gerir e a desenvolver projetos de inovação contribuiu para que os resultados finais superassem o esperado.
  • Objetivos para 2018: O foco das atividades vai estar virado para o alargamento da oferta através da incorporação dos serviços de novas empresas operadoras e integradoras de transporte e logística e para o alargamento da base de clientes que procuram e contratam esses serviços. Numa primeira fase, visando empresas portuguesas que atuam em espaço nacional e internacional e, posteriormente, alargando a empresas de outros países seguindo assim o plano de expansão do BIZCARGO para coberta global.
  • Principais necessidades no momento: A MITMYNID nasce a partir de um spinoff de um grupo de investigadores e atualmente ainda não tem investidores externos. Para esta nova fase de crescimento à escala global abrimos o capital a investidores estratégicos que nos permitam escalar de modo sustentado.

Mobinteg

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A Mobinteg estará presente no Web Summit com dois projetos, a aplicação SMIITY e a plataforma “Tá Pedido”. A SMIITY é uma solução pioneira que vai além dos guias turísticos convencionais, já que permite que pontos de interesse comuniquem com os seus cidadãos e turistas através da ligação bluetooth a pequenos emissores de sinais: os beacons. Quando o utilizador está na proximidade de um beacon, receberá notificações push com conteúdos exclusivos alusivos àquele local, sendo este o “narrador” da sua própria história. A par dos pontos de interesse, a SMIITY disponibiliza informação contextual e local, desde notícias, eventos e percursos pedestres, permitindo ainda a partilha destes conteúdos nas redes sociais. Existe ainda uma versão em realidade aumentada, a SMIITY AR, que permite encontrar pontos de interesse quando o utilizador aponta a câmara em seu redor. Todos os conteúdos são apresentados ao cidadão ou turista na língua do seu dispositivo. A aplicação é inclusiva, nomeadamente para a comunidade invisual, dado que dispõe de um assistente visual o qual, com recurso à funcionalidade text-to-speech, converte o texto em áudio, também na língua do utilizador. Gratuita e compatível com dispositivos iOS e Android, a SMIITY pode ser descarregada no Google Play e na App Store, existindo também uma versão para Apple Watch. O “Tá Pedido” é uma plataforma de gestão de transportes a pedido, flexível, que procura cobrir falhas dos transportes públicos tradicionais, colmatar fracas acessibilidades e promover a inclusão social, melhorando e aumentando o acesso a bens e serviços. Será oficialmente apresentada ao público no Web Summit. Através da app, o cliente (ou familiar) pode recorrer ao serviço descentralizado (Junta de Freguesia, Casa do Povo, entre outras entidades), telefonar para central coordenadora e pedir uma viagem, identificando a origem, o destino e o horário.
  • Qual a maior conquista: Foi, sem dúvida, termos conseguido criar a nossa “família Mobinteg”. Em termos de negócio, destacamos a presença nos Estados Unidos, um mercado muito desenvolvido tecnologicamente e onde conseguimos desenvolver soluções avançadas, e onde estamos com mais de 80% da faturação.
  • A maior dificuldade: Neste momento estamos a viver um bocadinho as “dores de crescimento”, principalmente no que toca aos processos de desenvolvimento de software. Somos o que os americanos chamam uma “bootstrapped company”, ou seja, não temos investidores, o que nos leva a ser muito meticulosos nos investimentos que fazemos em desenvolvimento de produto, exploração de novas tecnologias, contratações.
  • Objetivos para 2018: Continuar a crescer e tornar os nossos produtos cada vez mais relevantes e em mais mercados. Temos projetos nos Estados Unidos, Portugal, Brasil, Itália e Espanha, para já, mas queremos chegar a mais lados com as nossas soluções tecnológicas.
  • Principais necessidades no momento: Mais do que investidores, procuramos parceiros que tenham interesse nas soluções tecnológicas que desenvolvemos e que nos possam fazer chegar a mais mercados.

Mobiware

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A Mobiware atua no âmbito do desenvolvimento de aplicações móveis e web. No contexto desta edição do WebSummit, iremos apresentar o mais recente produto – a IVAWARE. Uma aplicação mobile que pretende simplificar a vida aos freelancers no que respeita à declaração periódica de IVA.
  • Qual a maior conquista: Um projeto que integrou hardware e software. Uma mesa digital para um cliente internacional do mercado textil que permite a apresentação interativa de produtos durante uma reunião e ainda efetuar encomendas no mesmo momento.
  • A maior dificuldade: Ultrapassar alguns períodos em que as receitas são demasiado baixas para compensar o esforço de I&D.
  • Objetivos para 2018: Aumentar a equipa de desenvolvimento. Conquistar mais clientes internacionais.
  • Principais necessidades no momento: Investidores. Algo que nos permita crescer da forma mais rápida possível.

Muuv

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A Muuv é uma plataforma digital de compra e venda de carros usados, com o objetivo de juntar vendedores e compradores de carros particulares, de uma forma simples e totalmente transparentes para todos os intervenientes. Pretendemos revolucionar a forma como as pessoas compram e vendem carros usados, transformando o que é hoje, um processo arriscado e desgastante numa experiência mais segura e fácil.
  • Qual a maior conquista: Estamos felizes por conseguirmos ter um crescimento sustentado, com entrada em novas cidades e aumento de carros disponíveis na plataforma. Ao mesmo tempo, o feedback dos nossos clientes confirma a nossa proposta de valor, de tornar a compra e venda de carros usados numa experiência fácil, seguro e com valores justos.
  • A maior dificuldade: O grande desafio passa por quebrar as barreiras deste mercado tradicional, adequando-o às exigências do consumidor digital.
  • Objetivos para 2018: Solidificar a presença em Portugal, aumentando a oferta de carros e o número de cidades em que operamos. A expansão internacional também faz parte dos planos. Se possível, no final do próximo ano, a Muuv irá ser lançada no mercado espanhol.
  • Principais necessidades no momento: Investidores com o objetivo de melhorar a nossa capacidade de resposta à procura que temos recebido. O capital seria investido em tecnologia, operações e para preparar expansão internacional. Parceiros, porque acreditamos que existem sinergias a explorar com outras empresas que atuam no mercado automóvel.

Nazareth Collection

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A Nazareth Collection é uma etiqueta de moda que aplica fotografias em peças de roupa para senhora e homem. Cada fotografia, da autoria da criadora Márcia Nazareth, forma o padrão de cada t-shirt, túnica, top e lenço, as peças centrais de cada coleção da moda, inteiramente dedicada a um só tema. Porto, Fado e Lisboa foram as anteriores coleções da marca, todas elas de edição limitada e elevada qualidade eco-friendly. A marca está disponível em lojas de design de autor on e offline, é desenvolvida e confecionada a partir de Portugal, e destina-se aos mercados nacionais e internacionais.
  • Qual a maior conquista: Cada nova coleção é uma nova conquista. Foram até hoje feitas 12.
  • A maior dificuldade: A produção de pequenas quantidades
  • Objetivos para 2018: Crescimento sólido, financeiro e entrada de um investidor.
  • Principais necessidades no momento: Investidores e/ou parceiros na área têxtil

ParallelWisdom

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: O HOPERMAN é dedicado à indústria hoteleira e pretende colocar ao serviço da mesma o melhor que a tecnologia tem para oferecer. Tirando partido do valor dos dados que são criados todos os dias à volta de um hotel, usamos ferramentas poderosas de Data Science (como o Machine Learning e a Inteligência Artifical) para trabalhar esses dados e devolver resultados que têm a capacidade de revolucionar a forma como se gere a hotelaria. Queremos dar aos hoteleiros mais poder, confiança e capacidade de decisão.
  • Qual a maior conquista: A ParallelWisdom é bastante recente, mas tem por detrás uma equipa com mais de 20 anos de experiência na indústria hoteleira (foi, aliás, essa experiência que permitiu perceber os problemas e oportunidades que deram origem ao HOPERMAN). O projeto-piloto HOPERMAN foi implementado em seis hotéis, obtendo ótimos resultados e contribuindo para a melhor performance de cada unidade. Em dois destes hotéis, inclusivamente, temos trabalhado a previsão de cancelamento de reservas e com uma precisão de quase 90% conseguimos recuperar vários milhões, antecipando ações e otimizando operações. De acordo com os nossos testes, quando são tomadas ações sobre algumas reservas, consegue-se uma taxa global de redução de cancelamentos de até 80%, o que é bastante significativo em termos de revenue e budget.
  • A maior dificuldade: Dar ao HOPERMAN uma boa base de sustentabilidade, com a estrutura de desenvolvimento de produto necessária para fazer crescer o projeto-piloto e transformá-lo num produto concreto e comercializável. O HOPERMAN é uma ferramenta de fácil utilização, mas a sua construção é complexa, usa tecnologia de ponta, trabalha com grandes volumes de dados e interliga-se com diversos sistemas, exigindo um elevado grau de especialização na área de desenvolvimento, sem perder o foco nas necessidades muito específicas da indústria em questão, a que estamos atentos e queremos responder da melhor forma.
  • Objetivos para 2018: Queremos criar a estrutura de sustentabilidade do HOPERMAN e lançar o produto no mercado com as principais funcionalidades já disponíveis. A nossa missão é entregar ao mercado hoteleiro o melhor assistente virtual que pode ter. No final do primeiro ano gostaríamos de estar em 18 unidades em Portugal e 50 em Espanha, com uma boa projeção de crescimento para os anos seguintes.
  • Principais necessidades no momento: O apoio de investidores que acreditem no projeto e apoiem a criação da estrutura que sustentará o crescimento do produto HOPERMAN. É nesse sentido que temos vindo a trabalhar e esperamos em breve encontrar o match perfeito.

PetUniversal

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A Pet Universal fornece um conjunto de soluções cloud pioneiras de suporte ao tratamento clínico para centros de atendimento médico veterinários. Além de promover o rigor clínico, auxilia na otimização de processos bem como na integração com vários sistemas de terceiros. Queremos trazer as últimas tecnologias à veterinária para ajudarmos quem cuida dos animais.
  • Qual a maior conquista: Foi a oportunidade de trabalhar com centros de atendimento médico veterinários que nos têm ajudado a desenvolver e a evoluir o software e ainda a entrada, em 2bril de 2017, dos primeiros clientes do mercado espanhol.
  • A maior dificuldade: Angariar investidores para nos ajudarem a alavancar este projeto para atingir novas metas o mais rapidamente possível.
  • Objetivos para 2018: Tornar a Pet Universal uma referência a nível nacional e conquistar clientes em, pelo menos, dois novos países. Queremos fechar novas parcerias de distribuição nos mercados em que vamos entrar. Estamos também a desenvolver novas soluções inovadoras que vão para o mercado em 2018.
  • Principais necessidades no momento: São de marketing digital para conseguirmos ter o máximo de abrangência tanto a nível nacional como internacional; investidores para que consigamos meter os produtos no mercado com o timing certo, e parceiros, idealmente um por país, para nos ajudarem na distribuição e apoio pelo mundo fora.

Probe.ly

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: O Probe.ly é um SaaS (Software-as-a-Service) disponibilizado na cloud, capaz de procurar e encontrar vulnerabilidades, de forma automática, em qualquer serviço online. Além disso permite a gestão eficiente das vulnerabilidades encontradas através de uma interface web muito intuitivo e simples de usar. Para cada vulnerabilidade encontrada é disponibilizada ajuda detalhada para a respetiva correção numa linguagem muito clara e adequada às tecnologias do site. É um serviço dirigido a empresas que desenvolvam ou sejam responsáveis por sites. Qualquer empresa que desenvolve ou gere um site tem que se preocupar com a segurança e o Probe.ly a ajuda a melhorá-la.
  • Qual a maior conquista: O lançamento do Probe.ly depois de vários meses de desenvolvimento e testes.
  • A maior dificuldade: Gerir o tempo e as constantes mudanças de papel ao longo do dia: gestor, programador, vendedor, marketing, etc.
  • Objetivos para 2018: Aumentar significativamente o número de clientes e obter uma nova ronda de financiamento. Também temos muitos planos para novas funcionalidades.
  • Principais necessidades no momento: Precisamos de alguém que se foque nas áreas de marketing e divulgação do Probe.ly para chegarmos a um maior número de potenciais clientes. Também estamos a começar a preparar a próxima ronda de investimento para 2018 e a trabalhar com potenciais parceiros para revenderem o Probe.ly noutros mercados.

Reveal Portugal

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A nossa missão é dar a conhecer Portugal ao mundo. Estamos a criar um portal ambivalente, por um lado direcionado para o investidor (português ou estrangeiro), com notícias selecionadas sobre o nosso país, por outro, um conjunto de serviços que vão ao encontro das necessidades de todos os nossos utilizadores. Focamo-nos no ecossistema de empreendedorismo e start-ups em Portugal, oferecendo notícias, informações, artigos e um agregador de start-up hubs, espaços de coworks  e eventos direcionado para qualquer um que seja interessado nesta áre. Vamos centrar-nos em três conjuntos de serviços, alinhados com a “tagline” da nossa empresa: Startups & Incubadoras, através da Reveal Startup;  Investimento Imobiliário, através da Reveal Houses; e Cultura & Turismo, através da Reveal Culture.
  • Qual a maior conquista: Foi mesmo começar e ter a MVP pronta para lançar na data do WebSummit. Acreditamos que o mundo só agora recomeçou a descobrir Portugal e queremos ajudar a quebrar barreiras de comunicação através de canais digitais. Temos este projeto em mente faz mais ou menos um ano, acreditamos que temos um país com características únicas, pessoas fantásticas e queremos dar tudo isso a conhecer ao mundo. A maior conquista que podemos ter, será mesmo o reconhecimento do que estamos a fazer.
  • A maior dificuldade: São as mesmas que qualquer start-up sente numa fase de lançamento.Diria que são dúvidas no geral, relativamente ao projeto. “Estamos a fazer a mais?”, “Estamos a fazer de menos?”, “Estamos a desfocar?”. Sabemos onde queremos chegar, quais o projetos a apostar e sabemos os passos que temos de dar para chegar onde precisamos, com claros objetivos temporais. A dificuldade que vamos ter será mesmo ganhar tração e o tráfego que precisamos, visibilidade em certos nichos e mesmo conseguir trazer a recorrência de utilizadores à nossa plataforma, pois muito do nosso negócio dependerá do nosso poder de comunicação e marketing digital.
  • Objetivos para 2018: Queremos provar o conceito, afinar processos, aumentar a nossa rede de parceiros e ajustar o negócio. Fazer crescer algumas das nossas “verticais de negócio” para pensar em escalar. Queremos “empacotar” essas verticais, para que se possível daqui a um ano, possamos replicar alguns dos nossos serviços noutro país para além de Portugal.
  • Principais necessidades no momento: Será mesmo ganhar tração e reconhecimento da marca Reveal Portugal. Neste momento não procuramos investidores, queremos primeiro ganhar tração, continuar a fechar parcerias e clientes. A área de parcerias é de extrema importância para a Reveal Portugal, estamos a desenvolver o conceito de uma rede de parceiros selecionada que chamamos de “Reveal Portugal’s Partner Network”, vamos promover, partilhar conteúdo e/ou manter uma parceria de negócio que possa fazer sentido.

RI-TE Radiation Imaging Technologies

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: O âmbito de atuação da RI-TE é o da instrumentação para medicina nuclear, onde desenvolve sistemas de PET (Tomografia por Emissão de Positrões) com uma tecnologia inovadora que permite uma grande redução de custos aliada a elevada performance na obtenção de imagens PET de alta resolução. Esta tecnologia tem aplicação na imagiologia in-vivo de pequenos animais, na investigação pré-clínica de novos agentes terapêuticos e de diagnóstico, principalmente para doenças oncológicas mas também neurodegenerativas e outras. A redução de custos dos sistemas PET pré-clínicos, cujo preço ronda atualmente o milhão de euros, permite democratizar o acesso a esta tecnologia e alargar o leque de centros de investigação que a podem utilizar nas suas pesquisas.
  • Qual a maior conquista: A maior terá sido conseguir passar de um sistema muito simples desenvolvido em meio académico para um protótipo comercial com 16 vezes mais detetores e software/hardware dedicados, funcional e com resultados muito promissores. Esta conquista só foi possível com o empenho dos colaboradores da RI-TE, que por isso podem também ser considerados a sua maior conquista, a acrescentar às parcerias com universidades e outras empresas.
  • A maior dificuldade: Prende-se com a gestão de um projeto de alta complexidade tecnológica e que requer muito esforço de investigação e desenvolvimento, com recursos muito limitados. Diria que a maior dificuldade, e ao mesmo tempo também conquista, tem sido fazer muito com pouco.
  • Objetivos para 2018: Conseguir criar tração com um primeiro produto no mercado, o EasyPET training, que será o primeiro sistema PET dedicado à educação e treino de profissionais e técnicos na área da medicina nuclear (imagem médica, radiofarmácia, etc), com um preço acessível a qualquer universidade, escola de saúde ou centro de investigação.
  • Principais necessidades no momento: Investidores e parceiros para avançar com o desenvolvimento de um sistema PET pré-clínico (com cerca de 30 vezes mais detetores do que o atual), assim como para a promoção, marketing, design, produção, comercialização e distribuição do sistema training.

Rotacional

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: Posiciona-se no mercado da tecnologia Wearable, dispositivos direcionados para utilização diária, quer seja profissional quer seja pessoal, e que nos ajude facilitar a vida neste mundo de stress onde somos bombardeados de informação.
    Com este personal viewer chamado de VIP display, o utilizador consegue ver desde texto, gráficos e vídeos em frente do seu olho, sem que para isso deixe de ver o que o rodeia.
  • Qual a maior conquista: A concessão de duas patentes internacionais, um projeto aprovado pela European Space Agency e outro apoiado pela Comissão Europeia.
  • A maior dificuldade: Uma delas estará associada à área de manufaturação de óticas custom-made a preços aceitáveis e a uma escassez, a nível mundial, de fornecedores de um componente (microdisplay) interno.
  • Objetivos para 2018: Pretendemos lançar o nosso novo protótipo, o ViP Display. Um Head-Mounted Display que funciona por Wireless.
  • Principais necessidades no momento: Procuramos investidores para fase de mass production e comercialização do produto.

SANA HR

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: Quais são as equipas mais/menos produtivas? Quais são as chefias mais fortes/fracas? Onde está a ser gasto o budget da Formação? Para se conseguir responder a estas e muitas outras questões, nasceu o People Scorecard Software by SANA Human Resources. Neste sentido, o nosso âmbito de atuação prende-se com qualquer organização que tenha, naturalmente, pessoas. Há uma preferência em grandes organizações (500+) dado que estas já têm sistemas de gestão sólidos e o PSS integra os outputs (normalmente em Excel) desses sistemas de gestão e organiza-os de forma extremamente visual através de Dashboards.
  • Qual a maior conquista: O People Scorecard nasce de uma organização com pouco mais de um ano e meio de existência chamada SANA Human Resources.  Tendo já realizado projetos para a Midas e para a Galp, foi cada vez mais latente a necessidade em integrar um sistema que apresentasse de forma visual os indicadores de gestão sobre capital humano. Assim sendo, o nosso maior sucesso é precisamente a criação do People Scorecard Software.
  • A maior dificuldade: O produto ainda não foi disponibilizado para o mercado. Está em fase de desenvolvimento, pelo que, para já, a nossa maior dificuldade será não termos encontrado investidores ou clientes.
  • Objetivos para 2018: São precisamente encontrar investidores interessados no nosso produto e a partir daí crescer. Numa fase posterior, é preciso termos uma equipa de TI em full-time para o desenvolvimento do software da forma mais proficiente.
  • Principais necessidades no momento: Temos um possível investidor que se disponibiliza para financiar 50% do projeto. A nossa maior necessidade de momento será precisamente termos mais parceiros e/ou investidores de negócio.

Serfarma

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A serFarma tem como core business o projecto digital MEDimprove, que se posiciona na área do apoio no autocuidado e automedicação de problemas de saúde ligeiros, como uma constipação ou dor de cabeça. O MEDimprove é uma solução digital totalmente inovadora que apoia profissionais e também a população nas decisões relacionadas com o tratamento dos problemas de saúde ligeiros, contribuindo para uma automedicação responsável.
  • Qual a maior conquista: O lançamento em abril da plataforma MEDimprove para a população, que em Portugal toma o nome de Medicamento Certo (acessível em www.medicamentocerto.pt), é a nossa maior conquista até à data. Esta ferramenta permite consultar, de forma gratuita, informação de saúde credível e atualizada e obter recomendações de tratamento personalizadas, em qualquer lugar e a qualquer momento. Este projecto recebeu financiamento europeu em 2016, através da Fase 1 do SME Instrument, do H2020.
  • A maior dificuldade: Conseguir financiamento para avançar com o processo de internacionalização, que implica algumas adaptações à plataforma e todo o trabalho relacionado com o estabelecimento de contactos para encontrar parceiros de negócio nos países onde queremos replicar o projeto.
  • Objetivos para 2018: Promover e divulgar a plataforma Medicamento Certo de forma a aumentar a tração, que neste momento já é significativa: mais de 7800 pessoas utilizaram a plataforma e realizaram cerca de 30 mil pesquisas, apenas em sete meses. Brevemente, já será possível pesquisar também por medicamento (Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica). Queremos ainda oferecer a possibilidade aos utilizadores de concretizarem a compra ou reserva online dos medicamentos ou outros produtos de saúde recomendados, permitindo concluir todo o processo de uma forma fácil, cómoda e rápida. Para isso iremos integrar a nossa plataforma com parceiros que tenham plataformas de venda autorizadas, como as farmácias, parafarmácias ou outras empresas de venda online de produtos de saúde, como os cosméticos.
  • Principais necessidades no momento: Queremos captar investimento para a empresa de forma a avançar e expandir o projecto MEDimprove. Estamos abertos a vários modelos de financiamento, como Venture Capitals, Business Angels ou outros. Estamos também a tentar obter financiamento europeu (Fase 2 do SME Instrument) para implementar a internacionalização. Relativamente à vertente de negócio é fundamental para o projeto estabelecer parcerias com os diversos stakeholders relevantes nesta área da saúde, como sejam as farmácias, a indústria farmacêutica ou o sector privado.

Shake It

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A Shake It, com o seu produto EventShake, cria Apps para eventos. Ao longo de três anos fomos conquistando mercado em Portugal, primeiro no mercado dos congressos médicos, agora alargando para eventos corporativos de empresas, conferências de negócio e networking, eventos académicos de estudantes, viagens e até festivais. Ultrapassamos a marca das 100 apps para eventos criadas.
  • Qual a maior conquista: Convencermos a Sociedade Portuguesa de Cardiologia, que organiza talvez o mais relevante congresso nacional de medicina, a abandonar a solução internacional que dispunham para a App do evento e apostar em nós, que tínhamos na altura seis meses de existência. A conquista deste projeto e a sua boa execução não só colocou o nome da empresa no mapa do mercado dos eventos como se provou uma aposta ganha para a Sociedade que já confirmou neste momento as Apps para 2018 e 2019.
  • A maior dificuldade: A escala é sempre uma dificuldade difícil de ultrapassar no nosso caso. Os clientes valorizam a proximidade que temos de cada projeto, mas essa proximidade é o que também nos dificulta aumentar significativamente o volume de projetos sem aumentar o número de colaboradores formados que consigam dar continuidade sustentável ao tipo de serviço que oferecemos.
  • Objetivos para 2018: Consolidar a base tecnológica e automatizar processos que facilitem escala e utilização autónoma por parte dos clientes. Crescer 30% nos mercados existentes. Fazer pelo menos 10% da faturação fora de Portugal. Explorar um novo mercado (novo tipo de evento).
  • Principais necessidades no momento: Para continuarmos a crescer, a nossa maior necessidade reside na conquista de um parceiro para internacionalização, que nos permita levar o produto além-fronteiras e aumentar os seis eventos que já conseguimos conquistar fora do país.

SHELF.AI

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A Shelf.AI é uma plataforma de comércio eletrónico conversacional, dirigida aos retalhistas e através da qual os seus clientes podem, por exemplo, completar uma lista de compras de dezenas de artigos em menos de um minuto, a qualquer hora e onde quer que esteja, apenas falando para o seu smartphone. Adicionalmente a plataforma permite aos retalhistas dialogar com os consumidores através dos assistentes digitais Amazon Alexa, Google Home, Facebook Messenger ou Microsoft Cortana. Com base em mecanismos de inteligência artificial, a aplicação aprende os hábitos de consumo dos utilizadores, apresentando a cada interação os resultados mais relevantes para os produtos pretendidos e podendo mesmo fazer a gestão da despensa do agregado familiar.
  • Qual a maior conquista: Ser acolhida pelo programa tecnológico-empresarial da Universidade do Texas, através do qual iniciou atividade nos EUA e tem neste momento em curso conversações com diversos retalhistas que demonstraram interesse na plataforma. Entretanto, arrancou pilotos com dois retalhistas. Adicionalmente, a Shelf.AI viu aprovada a sua candidatura ao programa Horizonte 2020 Instrumento SME da União Europeia, tendo ficado classificada na 15ª posição entre 550 candidaturas semelhantes na área das TIC.
  • A maior dificuldade: A solução tem que ser demonstrada e testada em piloto antes de qualquer decisão. Por outro lado, para que um retalhista possa tirar pleno partido de todos os atributos disponíveis, o processo de decisão abrange diversos departamentos e é, portanto, necessariamente moroso.
  • Objetivos para 2018: No próximo ano a Shelf.AI conta fazer roll-out da solução em dois grandes retalhistas nos EUA e 1 grande retalhista na Europa. Paralelamente pretende também tornar-se reconhecida como a primeira aplicação que permite que qualquer retalhista possa interagir com os seus clientes através dos principais assistentes digitais disponíveis mundialmente, dando um passo mais na materialização da nossa visão –  reimagining grocery retail.
  • Principais necessidades no momento: Estamos a passar por um processo muito rápido de crescimento, quer a nível dos contactos comerciais abertos, quer dos requisitos e pressão sobre a nossa engenharia. Embora parceiros comerciais sejam sempre valiosos, essencialmente o nível de investimento e o recrutamento de qualidade são atualmente os nossos principais desafios.

Sound Particles

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: É um software 3D para pós-produção, atualmente a ser utilizado por todos os grandes estúdios de Hollywood, tendo já sido usado em filmes como “Batman v Superman”, “Cars 3”, “Despicable Me 3”, “Guardians of the Galaxy 2”, entre muitos outros.
  • Qual a maior conquista: A utilização pelos grandes estúdios, em algumas das maiores super-produções dos últimos dois anos, e o reconhecimento pela Academia de Cinema (Óscares) para os prémios científicos do próximo ano.
  • A maior dificuldade: A fase inicial é sempre a mais complicada – equipas de desenvolvimento pequenas o que torna o desenvolvimento inicial lento, orçamentos de marketing limitados, etc.
  • Objetivos para 2018: Massificar a utilização do software entre os profissionais de pós-produção áudio. Lançamento de novos produtos e novos tipos de licenciamento.
  • Principais necessidades no momento: Estamos a ponderar investidores. Para além disso, continuamos sempre à procura de parcerias interessantes.

Supper Stars

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A Supper Stars leva as melhores experiências gastronómicas ao cenário mais exclusivo, seja a nossa casa, escritório ou outro espaço privado.
  • Qual a maior conquista: A nossa comunidade de Chefs experientes e talentosos. Contamos com 40 Chefs de norte a sul de Portugal, que passaram por mais de 60 estrelas Michelin em mais de 25 países.
  • A maior dificuldade: Como qualquer outra Startup a dificuldade é crescer, algo que temos vindo a fazer fruto de uma oferta e um serviço que recebe ótimas avaliações e que repetem a experiência.
  • Objetivos para 2018: Internacionalização. Pretendemos estar em Espanha na primeira metade de 2018.
  • Principais necessidades no momento: Investidores para fazer crescer o serviço em Espanha após o lançamento e para expandir para outras geografias.

Tonic

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A Tonic App é a app profissional de todos os médicos. Aumenta a eficiência do trabalho clínico: permite a discussão segura e rápida de casos de doentes, a coordenação de equipas e agrega conteúdos profissionais para uso no trabalho do dia-a-dia, como tabelas de conversão de medicamentos ou calculadoras clínicas, entre outros.
  • Qual a maior conquista: A confiança dos nossos utilizadores, que são muito exigentes. Desde março de 2017, conseguimos mais de 1200 utilizadores médicos e fomos a aplicação mais descarregada na App Store na categoria medical no início de outubro.
  • A maior dificuldade: A velocidade a que o projeto tem que avançar. Alguém disse que é como cair abaixo de um penhasco e tentar construir um avião durante a queda… Mas é também esta velocidade que o torna estimulante.
  • Objetivos para 2018: Continuar a ser a aplicação preferida dos médicos e conquistar outro mercado Europeu. Vamos ainda começar a preparar nova ronda de investimento.
  • Principais necessidades no momento: Estamos agora à procura dos nossos primeiros clientes, que são hospitais públicos ou privados de grande dimensão. A Tonic App é gratuita para os médicos e está disponível para Android e iPhone. Pode, no entanto, ser adquirida por subscrição por hospitais, para aumentar a qualidade e a eficiência dos cuidados e reduzir custos.

Twoosk

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A twoosk actua como um marketplace no mercado de overstocks das tech utilities (telecom, energia, água, gás) tendo a sua gênese nas telecomunicações. É uma atuação num mercado B2B nicho, concentrado em materiais de rede para construção das networks.
  • Qual a maior conquista: A validação do modelo de negócio e o avanço para a fase de crescimento com o reforço da equipa inicial e contratação da equipa de desenvolvimento de software para temos a nossa própria plataforma.
  • A maior dificuldade: A gestão de tesouraria e financiamento. A dificuldade em explicar que ao encontrar um novo dono para stocks que teriam como destino a reciclagem, estamos a contribuir quer para o ambiente, na eliminação da necessidade de usar mais recursos quer que estamos a ajudar a balança comercial, que tem o seu maior défice nos produtos de alta tecnologia. Tivemos também muita dificuldade em encontrar recursos na área de IT, tendo aí optado por importar talento para Portugal.
  • Objetivos para 2018: O lançamento da plataforma própria e o início da abertura de seis mercados internacionais através do alcance global que o e-commerce nos proporciona.
  • Principais necessidades no momento: Parceiros inovadores com soluções que possam ser integradas no marketplace quer a nível de IT quer a nível de serviços logísticos. Precisamos também de financiamento, mas não estamos à procura de investidores. Acreditamos no potencial da empresa e queremos abrir o capital apenas quando for estritamente necessário.

UOU MOBILITY

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A UOU mobility é uma startup dedicada ao desenvolvimento e produção de produtos no âmbito da mobilidade sustentável, desenvolvendo um triciclo e uma bicicleta elétricas projetados para implementar redes de sharing de forma a dar resposta às necessidades de deslocação nos centros urbanos, como solução de mobilidade alternativa e complemento da rede de transportes públicos.
  • Qual a maior conquista: O facto do veículo que desenvolvemos ser objeto de um piloto em pareceria com os CTT. Foi uma grande concretização para nós a oportunidade de otimizar o veículo para a distribuição postal e ver a sua utilidade como uma realidade.
  • A maior dificuldade: Na fase inicial, alavancamos o projeto sozinhos, mantendo o nosso trabalho a tempo inteiro. Foi uma jornada difícil principalmente por sermos auto autodidatas nestas áreas da mobilidade. Fomos adquirindo experiência através dos sucessos e fracassos e com a conquista de parceiros.
  • Objetivos para 2018: A implementação do sistema de bike-sharing e trike-sharing em diversas autarquias a nível nacional, de forma a oferecer aos cidadãos uma solução integrada de mobilidade alternativa e fazer face às necessidades de deslocações diárias, fomentando a redução de carbono e promovendo uma mobilidade em rede mais sustentável e agradável para o utilizador. De futuro uma das apostas da UOU mobility será a exploração de novos mercados a nível internacional.
  • Principais necessidades no momento: Explorar novos conceitos que vão ao encontro do que temos vindo a desenvolver na área da mobilidade. É fundamental desenvolvermos parcerias e unir sinergias na área da mobilidade, tecnologia e automóvel. Esperamos ser capazes de atrair a atenção de um potencial investidor de forma a podermos escalar a produção e, dessa forma, termos capacidade de implementar os produtos à escala internacional.

Vision Tech Lab

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: O projeto traz ao mercado da ciber-segurança uma solução inovadora que permite a deteção de ataques a redes empresariais. Combinamos o uso de tecnologias de Deception com a introspeção ao sistema operativo de modo a recolher dados que, posteriormente, alimentarão algoritmos de aprendizagem automática. O nosso sistema aprenderá o comportamento dos atacantes e conseguirá detetar e alertar a existência de comportamentos maliciosos na rede.
  • Qual a maior conquista: Foi o reconhecimento do nosso produto: a nossa ideia foi merecedora de financiamento quer por projectos nacionais (PT2020) quer europeus (H2020). Fomos selecionados para participar no WebSummit 2017 como start-up alpha; temos uma parceria com uma multinacional que está a testar a nossa solução; e começaremos na próxima semana um programa de aceleração para empresas na área da ciber-segurança, denominado Startup Boot Camp Fintech and Cybersecurity 2018, em Amesterdão. Fomos selecionados entre 541 empresas de 73 países diferentes.
  • A maior dificuldade: A penetração num mercado tão fechado e conservador como o da segurança. Normalmente a aceitação de novos produtos nestes mercados é difícil e demorada. Para que os produtos sejam aceites as empresas precisam de ter um longo histórico na área da segurança. Contudo, a experiência dos fundadores num mercado tão conservador como o aeroespacial, no qual a segurança é um fator crucial, demonstra a nossa sensibilidade para este tipo de mercados.
  • Objetivos para 2018: A comercialização do nosso produto. Neste momento, existe um protótipo do produto a correr numa multinacional para que possamos construir um produto de acordo com o interesse do mercado. E estamos em contacto com outras empresas. Até meados de 2018, pretendemos que o nosso produto esteja a detetar intrusões na rede de vários sistemas empresariais europeus.
  • Principais necessidades no momento: Estamos interessados que investidores nos ajudem a crescer. Precisamos de entrar num mercado que é altamente competitivo e conseguir responder aos desafios que nos serão propostos. Deste modo, precisamos de crescer e aumentar a nossa equipa com elementos com um grande know-how na área da ciber-segurança para fazermos a diferença. Não podemos deixar de parte os parceiros uma vez que eles poderão ajudar a integrar a solução no mercado de forma mais rápida e prática. Pensamos que uma cooperação com empresas de integração de sistemas ou mesmo com empresas de anti-virus é algo que resultará em mais-valias para todos os intervenientes.

Voxelscope

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A Voxelscope consiste numa plataforma de realidade virtual que permite aos utilizadores criarem facilmente as suas experiências de realidade virtual/360º, iniciar em minutos uma campanha publicitária baseada em data com essa experiência e, no fim, analisar resultados e entender o comportamento da audiência e a sua interação com a experiência de realidade virtual. Neste momento estamos focados no mercado de criação de conteúdos digitais mas já identificámos oportunidades em mercados como a imobiliária e o turismo.
  • Qual a maior conquista: Termos conseguido provar o nosso produto com grandes marcas internacionais como a Samsung, a BMW e a Audi e grandes grupos de media.
  • A maior dificuldade: Expandir o negócio internacionalmente.
  • Objetivos para 2018: Internacionalizar rapidamente a plataforma para toda a Europa. Aumentar a equipa. Encontrar investidores com know-how do nosso mercado.
  • Principais necessidades no momento: Além dos importantes parceiros que já conseguimos, estamos ativamente à procura de parceiros nos mercados de turismo, imobiliário e criação de conteúdos digitais. Em relação a investimento, iniciámos recentemente a abordagem a investidores.

Wonder Cover

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: Desenvolvemos produtos assentes em tecnologias mobile para atividades de grupo, nomeadamente, o WonderCover é o primeiro acessório para dispositivos móveis a permitir a utilização simultânea de um único dispositivo eletrónico por parte de um grupo de utilizadores locais em jogos e atividades que impliquem ocultação da informação entre os intervenientes (jogos de cartas, dominó, scrabble, Trivial pursuit….) e assente num sistema desenvolvido pela empresa e com pedido de patente internacional pendente.
  • Qual a maior conquista: Portefólio de 14 jogos; parceria com a Federação Mundial de Bridge para desenvolvimento de produto; entrada no canal “Travel Retail Duty Free” a nível mundial; parcerias com key players internacionais; reconhecimento internacional através de prémios internacionais de design e de brinquedos (International Design Awards 2016, EUA – Menção Honrosa; European Product Design Award 2017, Europa – Medalha de Prata; PNIC 2017 – Prémio Nacional das Industrias Criativas, Portugal –  3º Prémio; Independent Toy Awards 2017, UK – Medalha de Prata, na categoria AppToys);  a integração de um Head of International Business Development: David Chechelasvili.
  • A maior dificuldade: Tem sido encontrar financiamento adequado a esta necessidade. Dado o fator novidade, outra dificuldade que sentimos é a penetração do produto nas lojas internacionais. A nossa estratégia para colmatar esta dificuldade passa pela criação de parcerias com entidades internacionais que estão a colaborar connosco no sentido de adequar o produto aos mercados de destino.
  • Objetivos para 2018: Concretização das oportunidades em carteira.
  • Principais necessidades no momento: Como se trata de um projeto que pretendemos à escala global é necessário investimento em termos financeiros tanto para marketing como para gerar uma rede parceiros em todo o mundo.

YOUSHIP

  • Qual o âmbito de atuação do projeto: A YOUSHIP visa satisfazer as necessidades dos utilizadores que desejam enviar encomendas, ligando-os com transportadores que disponibilizam o transporte. Trata-se de uma plataforma que permite que qualquer pessoa envie encomendas de uma forma fácil e ao melhor preço.
  • Qual a maior conquista: Atrair cerca de 2.500 utilizadores em fase de lançamento piloto.
  • A maior dificuldade: Lidar com a burocracia do Portugal2020.
  • Objetivos para 2018: Expandir o serviço para outros países.
  • Principais necessidades no momento: Vamos estar focados em conseguir parceiros nos diversos países para onde queremos expandir. Em relação a investidores, dado que planeamos suportar o investimento através de projetos europeus, para já não é uma prioridade.

Confira quais são as outras 25 empresas que completam a lista das 50 que aceitaram o desafio do Link to Leaders para se apresentarem antes de participarem no Web Summit 2017.

Comentários