A aplicação mobile, que é um sucesso entre os adolescentes, foi vendida à ByteDance, uma start-up de média chinesa.

Apesar do público-alvo desta app não serem adultos, o mais provável é já ter ouvido falar sobre ela. Sendo especialmente popular entre os jovens, a Musical.ly tem mais de 200 milhões de utilizadores pelo mundo que, através da plataforma, partilham vídeos de 15 segundos a fazer playback e/ou a dançar.

Apesar de ainda não haver certezas sobre o valor do negócio, órgãos noticiosos como o Wall Street Journal e a Bloomberg noticiam que a venda  à ByteDance terá sido efetuada entre os 690 milhões e os 860 milhões de euros, o que eleva a Musical.ly a estatuto de unicórnio (start-up avaliada em mil milhões de dólares/860 milhões de euros).

A razão para a venda poderá prender-se com o facto da curva de crescimento de público da start-up ter estagnado, tendo assim atingido o seu valor máximo de utilizadores.

O comprador, a ByteDance, é considerada uma das start-ups mais relevantes no mercado chinês. Segundo a Bloomberg, a empresa vale perto de 17 mil milhões de euros e o seu produto mais conhecido, Jinri Toutiao (que apresenta as notícias mais relevantes do dia), tem cerca de 120 milhões de utilizadores diários.

A ByteDance distingue-se ainda no mercado chinês pela sua independência das três grandes corporações tecnológicas: a Tencent, a Baidu e a Alibaba.

O objetivo da compra da Musical.ly passa por conseguir expandir os produtos da ByteDance para outros mercados, visto que grande parte dos utilizadores da aplicação mobile não são asiáticos.

A aquisição oferece também uma possibilidade aos criadores da app. Alex Zhu, um dos criadores da Musica.ly, referiu em comunicado que “a avançada tecnologia de inteligência artificial e os seus developers podem potenciar a nossa inovação mais rapidamente e criar novas funcionalidades que os nossos utilizadores nunca viram antes”.

Comentários