Saldos, descontos e promoções, estas são as palavras mágicas para muitos consumidores que esperam por esta altura do ano para aproveitar os preços. O grande desafio é fazer as escolhas mais acertadas e ainda ir a tempo de encontrar aquelas peças em que “anda de olho” há algum tempo.

Esta é uma excelente oportunidade para adquirir aqueles artigos que lhe fazem falta. Por isso, defina uma estratégia. Aproveite a época das promoções para investir no seu guarda roupa, mas evite as compras por impulso.

  1. Faça uma lista e defina um orçamento
    De modo a evitar fazer compras por impulso ou adquirir artigos que depois se vai arrepender de comprar, nada melhor do que fazer uma lista das peças que lhe fazem falta ou que podem complementar o seu guarda-roupa atual. Analise quais são as suas necessidades, antes de ir às compras, em termos de peças e de cores. Sobretudo, para não chegar a casa e verificar que, afinal, já tem um casaco igual ou cinco calças pretas. Defina também um orçamento máximo e evite ultrapassar este valor.
  1. Verifique se o tamanho é o mais adequado
    Nas promoções, é habitual que os tamanhos fiquem muito escolhidos e que tenha a tentação de comprar um número acima ou abaixo do seu, apenas para aproveitar o preço. Mas, se a peça ficar apertada, vai sentir-se desconfortável ou, se estiver demasiado larga, vai dar-lhe um ar desleixado. Neste caso, verifique que arranjos vai ter de fazer e avalie se estes lhe compensam. Se não existir o seu tamanho, é preferível não comprar. Outro erro muito comum é comprar um tamanho, a contar com os quilos que vai perder após uma dieta. Seja realista.
  1. Invista em básicos de qualidade
    Aproveite os saldos para comprar aquelas peças de marca, que estão, habitualmente, fora do seu orçamento. Os descontos são uma excelente oportunidade para investir nuns sapatos, mala, casaco ou em básicos de qualidade que durem mais tempo e contribuam para um visual mais sofisticado. Os modelos clássicos são boas opções, pois não passam de moda. Invista em materiais de qualidade e peças versáteis, ou seja, que se adaptem a vários contextos e ocasiões. Não se esqueça de que as tendências ficam rapidamente desatualizadas, pelo que devem ser as peças de valor mais baixo.
  1. Evite as peças solteiras e desajustadas
    Se já comprou uma peça que, depois de chegar a casa, verificou que não combina com nada do que tem ou então não se adequa ao seu estilo de vida, então o mais provável é que fique pendurada no cabide ou esquecida numa gaveta, sem nunca a usar. Na hora de comprar, questione-se: – Tenho falta desta peça? Posso conjugá-la com as outras que já tenho? Adequa-se ao meu estilo de vida? Favorece o meu tipo de corpo? E em que ocasião vou usá-la? Se responder negativamente, então é porque não é uma boa compra.
  1. Decida no momento
    Se encontrar uma peça que reúna todos os requisitos enumerados e que seja um bom investimento, não vá para casa pensar no assunto, pois corre o risco de não a voltar a encontrar.
  1. Experimente sempre antes de comprar
    O melhor será experimentar a peça e só a comprar se esta lhe servir, ficar bem e não tiver defeitos. Por vezes, as filas para os provadores são tão grandes, que desmotivam a experimentação dos artigos. Se tiver pouco tempo ou paciência, assegure-se de que a loja efetua trocas ou reembolsos.
  1. Verifique se a peça não tem defeitos ou manchas
    Antes de comprar, certifique-se de que a peça não está em mau estado, apresenta defeitos ou manchas. A legislação vigente determina que, se o consumidor comprar um bem com defeito, o comerciante está obrigado a reparar, efetuar a troca (substituição) ou a reembolsar o seu valor. No entanto, durante os saldos, os comerciantes podem vender produtos com defeito, desde que estes estejam devidamente identificados, através de rótulos ou de etiquetas que indiquem o defeito. Esteja atento ao prazo de validade, às condições de troca ou reembolso e guarde sempre o recibo de compra.
  1. Informe-se sobre qual é o desconto real
    Por vezes, as montras anunciam um desconto até uma determinada percentagem, induzindo o consumidor em erro. Verifique na etiqueta qual é a redução real do artigo, para saber se está a fazer um bom negócio, analisando o preço anterior e o atual.

A ajuda de uma personal shopper pode ajudar a rentabilizar as suas compras e garantir que está a tomar as melhores decisões. Por isso, agende uma sessão, se necessitar de um aconselhamento personalizado.

Comentários

Sobre o autor

Rita Carvalho

Rita Carvalho é consultora de Comunicação e Imagem. Autora do livro “Imagem Profissional, Guia de Estilo”, é licenciada em Relações Públicas, tem uma pós-graduação em Comunicação e Gestão Das Organizações, e o curso de Imagem Pessoal e Profissional da Blossom Image Consulting. Colaborou ainda com vários media e é autora do blogue In Styleland.