A start-up portuguesa está entre as 11 que integram o programa de aceleração norueguês dedicado ao oceano.

A Undersee foi escolhida, de um total de 500 participantes, para fazer parte da lista das 11 start-ups, de sete países, que vão participar no programa no Katapult Ocean Batch 1. Trata-se de um programa de aceleração que pretende ajudar a construir e escalar empresas rentáveis com um impacto positivo sobre os oceanos.

A start-up portuguesa foi selecionada para participar no primeiro lote de aceleração que acontece, em Oslo, até dia 8 de abril. Desenvolveu um serviço de monitorização que permite que as empresas de aquacultura e agências governamentais apoiem as suas decisões com base em dados fiáveis sobre a qualidade da água e a sua dinâmica.

Tiago Cristóvão e Jorge Vieira, da Undersee

“É um grande privilégio pertencer a esta incrível comunidade e fazer parte deste Impact Investment Network focado nos oceanos. É uma nova fase para a nossa empresa, que nos coloca uma grande responsabilidade, mas acreditamos estar no caminho certo para alcançar os nossos objetivos e, com certeza, do lado certo da História”, afirmou Jorge Vieira, CEO e fundador da UNDERSEE.

“Analisámos um grande lote de excelentes empresas portuguesas, mas a Undersee foi a nossa escolha número um. A Undersee oferece à indústria da aquacultura uma ferramenta essencial para tomada de decisão – combinando de forma ímpar dados de sensores e dados satélite”, frisou Maren Hjorth Bauer, CEO e co-fundador da Katapult Ocean.

A par da portuguesa, as restantes start-ups tech participantes no programa de aceleração Katapult Ocean são:

#Atlan Space: combate à pesca ilegal através de drones  con IA;
#Brim Explorer: oferece navios de próxima geração para o turismo silencioso e sustentável;
#Evoy: elimina as emissões dos barcos;
#Fishency: usa inteligência artificial e a análise de dados para melhorar a sustentabilidade na aquacultura;
#Ichtion: Concebe sistemas que geram energia e removem a poluição de plástico do oceano;
#Recyclo: prevenção de resíduos que atingem os oceanos através da logística e de marketplace on-line para o comércio de resíduos;
#RemoraXYZ: permite-lhe assegurar que o seu jantar foi pescado de forma sustentável;
#ShipReality: acelera a revolução do transporte verde através da realidade mista;
#SubseaX: leva-o debaixo de água com um clique num botão;
#The Ocean Bottle:  Alertar as pessoas para pararem de deitar plásticos no oceano, através de uma garrafa reutilizável.

Refira-se que o Katapult Ocean é um programa de aceleração que tem como objetivo encontrar, investir e escalar negócios com um impacto positivo no oceano, como explicou ao Link To Leaders, Ross Brooks, BD e Finance Associate do Katapult Ocean, em agosto do ano passado, altura em que divulgou o projeto junto do mercado  português.

Na altura, Ross Brooks, que acredita nas infinitas oportunidades do oceano, explicou que o objetivo principal da iniciativa era apoiado por dois pilares: “construímos um ecossistema global de líderes empresariais, corporações, governos, instituições de pesquisa e organizações; e, além disso, aumentamos a conscientização em torno dos desafios e oportunidades no oceano”.

Recorde-se ainda que este é um programa prático, “com um currículo forte centrado em tecnologia oceânica”. O Katapult “fornece orientação prática e acesso a clientes-piloto, dados reais para testar soluções e testar instalações através dos nossos parceiros. Também investimos 150 mil dólares por empresa, além de facilitarmos o acesso a mais capital e a investidores para apoiar o crescimento adicional”, revelou na ocasião o BD e Finance Associate do Katapult Ocean.

Comentários