A comunicação nem sempre é uma prioridade para quem lança um negócio, o que é uma pena, segundo Margherita Pagani, professora na EMLYON Business School, em Paris, que aponta três razões para as start-ups investirem tempo e dinheiro nas redes sociais.

Entre os (vários) desafios com os quais se depara uma start-up no seu início, está o aumento da visibilidade junto do seu target. Criar o mais belo dos sites não serve para nada, se ninguém o visitar. Mas também não basta criar uma página no Facebook ou uma conta no Snapchat para seduzir.

Nesta matéria, Portugal ainda está longe de ter a maioria das empresas com soluções de ‘social business'”.  Apenas um terço (32,9%) das empresas afirma já ter adotado soluções de “social business”, que inclui as redes sociais, segundo o estudo da consultora IDC Portugal “IDC Portugal Tech Insights 2020” sobre “Social Business”. De acordo o estudo, representativo das 10 mil maiores organizações em Portugal, 25,7% das empresas afirmaram não ter adoptado soluções de “social business”, mas disse ter planos para fazê-lo nos próximos 24 meses, enquanto 31,4% diz não ter adotado nem planear fazê-lo. Além disso, 10% das empresas inquiridas afirmou não estar familiarizada com o conceito.

Margherita Pagani, professora associada em marketing digital e telecomunicações na EMLYON Business School, em Paris, aponta três razões para que as start-ups usem as redes sociais para promover as suas marcas e como parte integrante do seu modelo de negócio e fontes de receita.

1. Mais visitas e mais possibilidades de conseguir voar

Quando criamos uma start-up, uma das prioridades é dar a conhecer o seu trabalho ao maior número possível  de pessoas e, assim, aumentar a sua visibilidade. Para conseguir este objetivo, podemos, claro, comprar palavras-chave nos motores de busca ou fazer uma campanha promocional no Groupon. Apesar de serem ferramentas eficazes para aumentar a nossa visibilidade, existem outras formas de ações de marketing direcionado, muito interessantes para experimentar.

Há cada vez mais empresas a investir em publicidade nas redes sociais. Qual é a vantagem? A publicidade pode ser dirigida para o perfil de visitantes que corresponde melhor aos consumidores potencialmente interessados na sua oferta de produtos ou serviços. Há muitos exemplos de publicidade dirigida no Facebook, no Twitter ou no Youtube, com visualizações patrocinadas, contextualizadas em função da experiência do utilizador.

2. Mais compromisso e mais “brand love”

O segundo motivo pelo qual uma start-up deve investir na comunicação através das redes sociais é a noção de compromisso. Graças à interatividade e às “experiências” das plataformas digitais, uma start-up pode aumentar o envolvimento do utilizador com a sua marca.

A possibilidade de partilhar e de trocar opiniões, as dicas ou os comentários na página da marca estimulam o envolvimento e influenciam “a identidade social” da marca, isto é, a forma como ela é percecionada pela comunidade. Um estudo que Margherita Pagani coordenou realça o impacto do envolvimento interativo dos extratos sociais, acerca da sua ligação a uma marca ou “brand love”.

3. Mais qualidade dos dados

A terceira razão pela qual uma start-up deve estar presente nas redes sociais, é que estas oferecem-lhe a possibilidade de conhecer melhor o perfil do utilizador para interagir com ele. O tratamento dos dados qualitativos recolhidos nos comentários online dá um feedback direto sobre a oferta dos produtos ou serviços.

As estatísticas de desempenho trazem informações excelentes sobre o perfil dos visitantes, permitindo segmentar melhor o seu mercado e personalizar o serviço oferecido. Com uma vantagem competitiva fundamental: conhecer bem os seus clientes permite apresentar-lhes uma oferta à medida.

Comentários