Estive há uns dias com um grupo de diretores, primeiras linhas de uma empresa industrial, num dia de trabalho à roda do tema das lideranças com impacto.

Foi o 1.º de um ciclo de sessões nestes domínios da liderança, muito focado nas experiências de cada um enquanto líderes. E, sobretudo, uma oportunidade para cada um se conhecer melhor enquanto líder. No final do dia, as conclusões apontavam para um dia bem conseguido.

Ora vejamos as observações finais de alguns dos participantes:

  • Apesar de liderarmos equipas, passamos muito mais tempo a gerir (planear, afetar recursos, controlar, otimizar processos, etc) do que a liderar (alinhar, comunicar o caminho, desenvolver, dar feedback ou reconhecer as pessoas das nossas equipas). Há, pois, que tomar consciência desta realidade e equilibrar a nossa intervenção nos dois campos.
  • Quando chegamos a diretor, muitas vezes reproduzimos o que fizeram connosco. A nossa “escola” enquanto diretores normalmente são os chefes que tivemos ao longo da vida. Os “chefes”… Importa, pois, perceber e usar as estratégias de liderança que tiveram um impacto positivo em mim e não reproduzir os maus exemplos de lideranças negativas que passam pelas nossas vidas.
  • Tenho que aprender a pedir feedback. Se dar feedback é difícil, saber receber uma apreciação sobre nós não é mais fácil. Mas é fundamental. Tenho, pois, de ouvir mais o que me dizem, sem me justificar ou tentar contrapor. Apenas ouvir e agradecer.
  • Percebi que preciso eu mais das pessoas da minha equipa do que eles precisam de mim. Eu amanhã saio e virá outro “chefe”. Mas se eles deixarem de fazer o que fazem, eu tenho um sério problema… E esta consciência vai de certeza mudar o modo de olhar para cada um deles.
  • Talvez a minha maior responsabilidade, enquanto líder, seja criar as condições para que cada um possa dar o seu melhor.
  • Não tinha a consciência da responsabilidade que tenho no desenvolvimento das pessoas que trabalham comigo. E que este deveria ser um dos meus objetivos: desenvolver as pessoas que lidero para as levar a um patamar superior.
  • Nunca pensei dizer isto, até porque sou conhecido por ser algo “duro”. Mas acho que depois de hoje, vou passar a dizer mais vezes “Obrigado”.

São mensagens simples, muito simples, mas muito poderosas!

Por isso, quando ia para casa, dei comigo a pensar “Yes! Hoje foi um dia grande! Que valeu a pena! Com bons gestores a crescerem para ser igualmente bons líderes! Obrigada!”.

Comentários

Sobre o autor

Isabel Viegas

Isabel Viegas é professora na Universidade Católica e Membro do Conselho Estratégico da Formação de Executivos da FCEE da mesma universidade. Foi Diretora-Coordenadora de Recursos Humanos do Grupo Santander em Portugal, de 2003 a 2016, bem como Diretora de Recursos Humanos da Jazztel Portugal, entre 1999 e 2003. Anteriormente, desempenhou vários cargos de responsabilidade na Direção de Recursos Humanos da Marconi. É Licenciada em Psicologia e Mestre em Políticas e... Ler Mais