Todos sabemos que não basta uma boa ideia para conseguir captar investimento. Mas afinal o que capta a atenção de um business angel antes de decidir investir numa start-up que está a dar os primeiros passos?

Um aspeto comum a todas as start-ups que estão a nascer é a necessidade de investimento. O orçamento é reduzido e as necessidades superiores ao capital disponível, pelo que o recurso à captação de investimento acaba sempre por surgir no horizonte.

Mas, embora todos os dias se publiquem notícias que dão conta de investimentos em start-ups, alguns muito avultados, a verdade é que não é um processo simples e são mais as portas que se fecham do que as que se abrem.

O que fazer? Apoorv Ranjan Sharma, investidor indiano e cofundador da Venture Catalysts, a primeira plataforma indiana de investimento e inovação, referiu no BW Disrupt seis dicas que todas as start-ups deveriam seguir antes de qualquer reunião com um potencial investidor.

Equipa

O fator que mais faz balançar a decisão favorável do investidor é a equipa. Uma boa equipa é a base do potencial sucesso de uma start-up, devendo integrar pessoas que não são apenas fortes na idealização, mas também na execução, de acordo com o que o mercado procura. É muito raro uma start-up idealizar um produto que se enquadra de imediato no mercado. O habitual é haver ajustes, tendo em conta o que o consumidor pretende, a concorrência do mercado e o processo de produção industrial. Dado o elevado risco que um investimento num estádio muito inicial de uma start-up acarreta, o investidor aposta normalmente mais nas pessoas do que no produto em si, ou seja, no que pensa acerca das competências da equipa, experiência na área e capacidade de adaptação ao ritmo de evolução da indústria em causa.

Produto

O produto ou o conceito é outro dos aspetos que os investidores têm em conta quando olham para uma start-up e ponderam investir. O seu produto deve ser único, dar resposta a uma necessidade concreta ou ser disruptor no mercado a que se destina.

Os investidores precisam de justificar o elevado risco que correm ao apostar nessa empresa, pelo que os empreendedores deverão apresentar-lhes ideias que venham preencher uma necessidade do mercado. Estes possuem elevados conhecimentos no campo das start-ups, pelo que é muito importante que os empreendedores lhes mostrem como e porque é que os seus produtos são diferentes e melhores do que os da concorrência.

É extremamente importante que um empreendedor demonstre ao investidor que a sua proposta lhe traz grande valor, sendo um aspeto por vezes desvalorizado pelos empreendedores de primeira viagem.

Tração do mercado

Vivemos num mercado altamente competitivo, em que apenas uma pequena parte das empresas consegue acesso a investimento. Isto faz com que seja importante uma start-up demonstrar uma elevada compreensão do mercado e da sua relevância no mesmo.

Os investidores em estádios iniciais de empresas precisam de ver uma oportunidade considerável nesse mercado, antes de avançarem com o seu dinheiro, o que as start-ups poderão conseguir através de produtos piloto ou clientes de versões iniciais gratuitas. As start-ups deverão também ter a capacidade de converter clientes de versões iniciais em potenciais clientes pagantes.

Escalabilidade

Os business angels têm quase sempre em consideração o potencial de escala da ideia de negócio, tendo em conta as necessidades do mercado e os consumidores. Para uma start-up que está a começar, surgirem novos fatores pode trazer uma necessidade de repensar parte da operação, como a marca ou a estratégia, de forma a melhor se adaptar às necessidades do mercado. Um bom empreendedor deverá investir a sua energia e paixão no plano de negócios, sem ficar preso ao mesmo, de forma a conseguir procurar constantemente novas formas de alcançar o máximo potencial de sucesso.

Networking

Se tiver uma boa rede de networking, isso fará com que já se encontre à frente de muitos outros que estão na mesma luta pelo investimento. Se não tiver, deverá recorrer aos contactos que tem em mãos e alargar a sua rede, com especial foco em travar conhecimento com pessoas influentes. De qualquer forma, a capacidade de estabelecer novos contactos e de manter os que já tem, é algo muito importante para a vida e crescimento do seu negócio e um parâmetro vital a integrar no seu pitch junto de investidores.

Converter utilizadores em clientes

Uma fase piloto irá ajudá-lo a testar a viabilidade de um novo produto junto de um determinado focus group, trazendo como benefício adicional o conhecimento do negócio e a publicidade boca a boca que despoleta. No entanto, deve conseguir converter os utilizadores iniciais em clientes fiéis. Para isso, deverá criar no consumidor uma experiência positiva. Torna-se fundamental abordar questões vitais pertinentes ao mercado e às necessidades dos clientes. Identificar os problemas que o novo produto resolve e explorar formas de este ser melhor do que as alternativas existentes no mercado ajudarão os empreendedores a melhorar os seus produtos e a conseguir mais clientes. Os empreendedores deverão ainda procurar criar produtos que envolvam os consumidores, de forma a levá-los a falar deles às pessoas com quem se relacionam diariamente.

Comentários