A saída do Reino Unido da UE trará muitas mudanças económicas e políticas. Saiba quais os direitos e deveres das pequenas empresas perante o Brexit.

O processo de saída do Reino Unido da União Europeia já foi iniciado através do desencadeamento do artigo 50.º do Tratado de Lisboa. Este artigo permite um período de dois anos para a negociação com os 27 Estados Membros da União Europeia, que devem concordar e até finalizar os termos relacionados com a separação.

Será um novo território para a UE e é difícil imaginar as responsabilidades envolvidas. Uma vez que todos os estados terão o direito de vetar qualquer acordo após as condições de saída do Reino Unido, haverá uma série de tarefas envolvidas.

O processo de saída começou há um ano; no entanto, pensando do ponto de vista do Reino Unido, ainda há uma série de esclarecimentos necessários. Saiba o que poderá mudar para as pequenas empresas, segundo Cameron Samuel, CEO da publicação online City Of Hype, que partilhou com o Entrepreneur algumas dicas.

As taxas à importação alteram-se para as pequenas empresas

Mais de 130 mil pequenas empresas no Reino Unido serão obrigadas a pagar antecipadamente IVA sobre todos os bens importados da União Europeia após o Brexit. Esta é a primeira vez que os deputados implementaram tal lei.

Isto significa que haverá um imposto adicional e um custo de IVA, juntamente com o custo do próprio produto. Proprietários de pequenas empresas que importam produtos da Europa podem procurar novos fornecedores no Reino Unido para obter um comércio sem atrito e produtos com menor custo.

Vários grupos da indústria suspeitam que esta situação possa criar problemas para os importadores e retalhistas britânicos. Para as pequenas empresas atualmente em operação, o custo do IVA é repassado ao longo da cadeia de suprimentos ao importar da UE. Em 2020, esses custos serão entregues diretamente aos proprietários das pequenas empresas, que terão de pagar imediatamente. Este fluxo de caixa significa que os lucros demoram mais tempo a recuperar, o que é potencialmente perigoso para os retalhistas com fornecedores da UE.

A realidade é que as empresas com crescimento saudável e lucros constantes não terão muita dificuldade em pagar o novo IVA. As empresas que têm lucros menos consistentes podem querer reduzir os custos noutros lugares para garantir que haja fundos líquidos suficientes para cobrir os novos custos de IVA.

O financiamento de pequenas empresas após o Brexit

Com o financiamento da UE, dos governos europeus e de muitos bancos privados, foi possível que o Fundo Europeu de Investimentos (FEI) reunisse bilhões através de investimentos em fundos, a partir de 1994. Este cenário ajudou a estimular a inovação e até o crescimento das pequenas e médias empresas na UE. O FEI não empresta dinheiro diretamente às pequenas empresas; em vez disso, fornece financiamento através dos bancos.

Esses fundos também foram significativos para projetos empreendedores sediados no Reino Unido. Mas, após a saída, fica claro que a fonte de financiamento para esses projetos cairá por terra. O fundo já destinou quase 2 mil milhões de libras (cerca de 2,24 mil milhões de euros) para empresas sediadas no Reino Unido. Espera-se que isso tenha um impacto significativo na economia britânica porque fundos como Seedcamp e Hoxton não recebem financiamento. Sem novas empresas, a receita tributária no Reino Unido diminuirá, causando um aumento do défice na economia. Uma dica para as novas empresas que procuram financiamento: o crowdfunding pode ser o seu investimento inicial.

O EIS (Enterprise Investment Scheme) e o SEIS (Seed Enterprise Investment Scheme) são as autoridades fiscais do Reino Unido e os benefícios fiscais para investidores principalmente individuais continuarão a apoiar muitas das aividades das start-up.

Mudanças tributárias corporativas

Especialistas como Daniel Lyons, chefe do grupo de política tributária da Deloitte, são da opinião de que, após o Brexit, as questões levantadas e relacionadas com o imposto corporativo serão “administráveis”, o que é reconfortante para as pequenas empresas.

No entanto, o imposto corporativo está envolto em incertezas. O governo afirma que, depois do Brexit, pode cair para 17%, o que não é facilmente acessível para a economia. Mas não há certezas de que isso acontecerá. Apenas duas mudanças poderão ter implicações: a taxa de imposto sobre as sociedades e os benefícios fiscais. É possível ser mais generoso quando se trata de benefícios fiscais depois do Brexit do que o é agora.

Há, indubitavelmente, um período prolongado de incertezas no Reino Unido e na União Europeia, à medida que os negócios da Brexit continuam, o que não é uma boa notícia para as pequenas empresas. Embora, o impacto do Brexit possa ser amortecido pelo Reino Unido através da renegociação de acordos de substituição com a UE. É cedo demais para avaliar as possíveis implicações fiscais que poderiam ser implementadas.

Em resumo, o Brexit dá-nos uma boa oportunidade para repensar o que queremos do sistema tributário, finaliza Cameron Samuel.

Comentários