Este ano, parece que o Web Summit surgiu do nada. Senti que houve menos hype e mais um sentimento natural e autêntico em relação ao Web Summit 2017, o que é ótimo.

Fiquei agradavelmente surpreendido, com o quão madura Lisboa e os nossos empreendedores locais se tornaram, apenas no segundo ano do Web Summit, nesta maravilhosa cidade.

A organização da cimeira, a segurança e os transportes da cidade foram fantásticos, mas o mais impressionante foi a mentalidade dos nossos empreendedores em relação ao que se espera deles e deste evento.

Senti que o evento do ano passado foi avassalador para o nosso ecossistema empreendedor, ainda em fase de arranque, e que muitos empresários pensaram que estavam lá para atrair investimentos e esqueceram-se de tudo o resto. Este ano, as expectativas eram diferentes, mais realistas e, finalmente, mais sustentáveis para o sucesso futuro.

Então, o que vi que mostra o melhor do Web Summit:

– Vi empresas que estiveram em fases Alpha e Beta, no ano passado, no Web Summit, agora em níveis mais avançados de desenvolvimento. Muitas empresas com modelos de negócios aprimorados e prontos para crescerem com o investimento ou parceiros certos. Muitas empresas que não estavam focadas no investimento directo para chegarem ao próximo nível, mas mais em parcerias ou alianças estratégicas. Esta é uma óptima notícia, pois Portugal pode ter uma grande vantagem nesta área, devido aos baixos custos de funcionamento, mas também por oferecer um excelente mercado de teste para comprovar o conceito, bem como uma plataforma de lançamento para as fases de expansão. É bom ver as empresas não desaparecerem, mas serem resilientes e regressarem ao Web Summit. Espero ver algumas voltarem em 2018, com níveis de desenvolvimento ainda maiores ou com sucesso comprovado. Isto é o que é necessário para gerar ainda mais sucessos nas empresas portuguesas. O sucesso gera sucesso em todas as áreas. Também adorei ver algumas das nossas maiores empresas, em parceria ou a apoiar as novas empresas. Isto ajuda muito as start-ups a terem maiores oportunidades de sucesso, já que muitas das empresas estabelecidas possuem grandes canais de distribuição, que estas ainda não têm.

– Vi também um grande número de mulheres em todas as áreas, tanto nas start-ups, como participantes ou oradoras convidadas. Isto é absolutamente essencial para o nosso sucesso no futuro, já que as mulheres não estão à margem da mudança, mas sim no seu centro. Elas são e serão, no futuro, ainda mais importantes nas áreas de tecnologia, empreendedorismo e a criar soluções para o nosso planeta, em todas as indústrias e setores. O futuro é realmente um mundo feminino e é melhor fazer parte deste. Eu senti uma mudança e que o melhor ainda está para vir, quando ambos os sexos começarem a trabalhar em conjunto e a usar as capacidades interpessoais e intelectuais para encontrarem as melhores soluções para os desafios comuns.

Mesmo com todas as questões atuais, de assédio sexual em Silicon Valley e Hollywood, tenho a sensação de que o pior ficou para trás e que precisamos de olhar para o futuro e não começar um jogo de culpa. Quanto mais cedo ambos os sexos estiverem verdadeiramente focados a trabalhar em conjunto para superarem os desafios nos negócios, ou quaisquer outros, maior será a probabilidade de sucesso. Espero que esta seja uma tendência a continuar, pois apenas traz benefícios.

– Também tive o privilégio de experimentar o efeito de networking, que o Web Summit traz para os eventos noturnos, como jantares, encontros e cocktails no final do dia. É aqui que muitos relacionamentos de longo prazo são iniciados ou cimentados. E estes são essenciais para garantir ligações fortes, com vista ao crescimento e expansão dos nossos negócios, em todo o mundo. Os portugueses são excelentes anfitriões e comunicadores, pelo que temos de usar estes talentos para nos ligarmos ao mundo, através de pessoas que podem ajudar a fazer a diferença.

A minha lista sobre o pior não é realmente em relação ao Web Summit, pois tal seria injusto. Eu vejo o quanto melhorou este ano, tanto graças ao trabalho da organização, como da cidade de Lisboa.

– Então, eu diria que, se houver mais melhorias a serem feitas, é no setor dos negócios e do empreendedorismo. As empresas em 2018 devem marcar reuniões mais estratégicas e garantir que falam com todos os game changers, relativamente aos seus negócios. Não devem ficar à espera da oportunidade milionária que irá mudar o seu negócio, mas devem sim ir ao encontro e marcar reuniões com os potenciais game changers.

– No que se refere aos oradores, seria interessante se o público pudesse estar mais envolvido, colocando perguntas ou dando opiniões. Tal, criaria mais interação e, até mesmo, a obter mais dos oradores, melhorando a experiência de todos os envolvidos.

Também tivemos um tsunami da palavra IA (inteligência artificial). Sim, acredito que este será um grande tema e uma oportunidade atual e futura, mas ao mesmo tempo há oportunidades de disrupção em muitas outras áreas. Não sigam simplesmente as tendências, mas encontrem o vosso próprio nicho competitivo e concentrem-se em obter vantagem competitiva.

Em geral, todos os envolvidos estão de parabéns. Desejo as melhores felicidades (e trabalho árduo) a todas as empresas e espero vê-las de novo em 2018. O meu último comentário é que a Web Summit possa realizar o evento em Lisboa nos próximos 10 anos, pois acredito que os dois fazem um casal perfeito.

Versão do texto em inglês:

The best and the worst I saw at the Web Summit

It sort of just sneaked up on us this year the web summit. I felt as if there was less hype and more of a natural authentic feeling about 2017 Web Summit which is great.

I am pleasantly surprised how mature Lisbon and our local entrepreneurs have become in just the second year of the Web Summit in this wonderful city. The organization of the web summit, security and transport by the city are top notch but the most impressive has been our entrepreneurs mentality to what is expected from them and this event.

I felt that last years event was just overwhelming for our young start up ecosystem and that many entrepreneurs thought they were there to attract investments and forgot about all the rest. This year expectations were different, more realistic and ultimately more sustainable for future success.

So what was did I see that shows off the best of the web summit.

– I saw companies that were in Alpha and Beta phases last year back at the web summit in further advanced stages of development. Many of these with improved business models and ready to grow with the right investment or network partners. Many of these companies were not focusing on direct investment to get to the next stage but more on strategic partnerships or alliances. This is great news as Portugal could have a huge advantage in this area due to its lower running costs but at the same time offering a superb test market for proof of concept and then as a launch pad for the expansion phases. Its also great to see companies not disappearing but being resilient and back at the web summit in 2017. Looking forward to seeing some of these returning in 2018 at even a higher level of development or with guaranteed proven success. This is what is needed to drive further Portuguese company successes. Remember that success breeds success in all areas. I also loved seeing some of our larger established companies partnering or supporting our young start ups. This goes a long way in helping start ups to have a higher chance of success as many established companies have large distribution channels that start ups just don’t have.

– I saw a huge number of ladies in all areas from involvement in the start ups, attendees and also as invited speakers. This is absolutely essential for our future success as women are no longer just on the fringes of change but right in the center of it. They are and will in the future be even more important in technology, entrepreneurship and creating solutions for our planet in every industry and sector. The future is really a women’s world and its best we be part of it going forward. I really felt like the tide has turned and the best is still to come as both sexes start working together and using interpersonal and intellectual skills to find better solutions to common challenges.

Even with all the current sexual harassment issues going on in Silicon valley and Hollywood, I had the feeling that the worst is behind us and that we need to look at the future and not start a blame game. The sooner that both sexes are truly focused on working together to surpass challenges in business or any others then the probability of success is much higher. I hope this is a trend that continues as there is only benefit to be gained.

– I was also fortunate to experience the networking effect that the web summit brings to the night dinner events, talks and cocktails. This is really where many longterm relationships are started or cemented and is essential to ensure strong connections for our business to grow and spread around the globe. The Portuguese are great hosts and communicators and we need to use these talents to connect all over the world with people that can help make a difference.

My list on the worst is not really towards the web summit as this would be unfair. I see how much better it ran this year both thanks to the organization and I am sure the city of Lisbon.

– So I would say that if there is more improvement to be made then yes it’s again us the business and entrepreneur sector. I would say that for 2018 companies should set up more targeted meetings and make sure they speak to all the stakeholders that are game changers for their business. I would say less waiting around for silver bullets that by luck change their business but rather go meet the potential game changers with booked meetings.

– On the speaker side it would be interesting if the public could be more involved asking questions or giving opinions. This would create more interaction and ultimately get the best from your speakers and enhance the experience for all involved.

– We also had a Tsunami of the word AI (artificial intelligence). Yes I believe this will be a big topic and opportunity today and into the future but at the same time there are disruption opportunities in many areas. Don’t simply go with trends but find your own competitive niche and focus on obtaining the competitive advantage.

Overall congratulations to all involved and best of luck (hard work) to all the companies and hope to see you all back in 2018. My last comment is to the Web Summit close the event for the next 10 years in Lisbon as you both make a perfect couple.

Comentários

Sobre o autor

Tim Vieira

Tim Vieira é empresário em Angola desde 2001, país onde possui, juntamente com o seu sócio Nuno Traguedo, um dos mais relevantes grupos de Media – a Special Edition Holding –, que emprega mais de 500 colaboradores e detém algumas das principais agências de publicidade, eventos, ativações de marca e planeamento de meios (TBWA/Angola, Original Brands, Multileme, Onmedia). Tem também empresas de media em Moçambique e no Gana. É CEO... Ler Mais