Elon Musk apresentou este novo projeto da SpaceX no International Austronautical Congress, que decorreu na Austrália na passada semana.

Depois de ter conseguido criar os carros elétricos com melhor cotação no mercado, de querer ligar cérebros humanos a computadores (Neuralink), de criar túneis por baixo das grandes cidades para dissipar o trânsito (The Boring Company) e de querer levar humanos até Marte em 2022 (SpaceX), Elon Musk quer agora criar uma ponte espacial entre as grandes metrópoles (que, por agora, ainda são na Terra).

O novo projeto subsidiário da SpaceX, que utiliza a tecnologia desenvolvida pela empresa, foi apresentado pelo CEO das empresas referidas, no International Austronautical Congress, que decorreu na Austrália, entre os dias 25 e 29 de setembro.

Esta nova ideia veio consolidar a ideia de que Musk quer tornar a humanidade numa espécie interplanetária. Durante a apresentação foram revelados os tempos estimados nas viagens intercidades:

Hong Kong – Singapura:  22 minutos.
Los Angeles – Toronto: 25 minutos.
Los Angeles – Nova Iorque: 25 minutos.
Nova Iorque – Paris: 30 minutos.

O plano é usar os foguetões construídos pela SpaceX e fazer voar os passageiros até uma altitude em que não há atrito – nem do ar, nem do vento -, o que aumentaria a velocidade e a eficiência em termos de consumo de combustíveis.

O vídeo apresentado no congresso (que pode ver abaixo) mostra um grupo de passageiros a entrar num barco futurista que segue para uma estação no meio do mar, onde está estacionado o foguetão da SpaceX. A nave chega a atingir os 27 mil quilómetros por hora no seu pico de velocidade. À chegada, a embarcação aterra na vertical, de forma a minimizar os danos causados e aumentar a esperança média de vida da nave.

Sendo uma tecnologia totalmente futurista e planeada a longo prazo, Elon Musk assegurou que o custo deste tipo de viagens não vai ser superior ao dos bilhetes disponibilizados pelas companhias aéreas que operam hoje em dia.

Comentários