O Drivit propõe uma solução que permite monitorizar as viagens de automóvel através de um smarphone ou descobrir, por exemplo os postos de combustível mais próximos e com melhores preços. O Link to Leaders falou com o cofundador da start-up, uma das vencedoras 1.ª edição do Start-Up Lab by SRS, que explicou como esta ferramenta pode transformar o setor segurador.

O projeto Drivit começou a ganhar forma em 2016. Consiste numa solução que pode ser ser facilmente integrada em qualquer aplicação móvel, existente ou criada de raiz, e que permite gravar de forma automática, as viagens dos condutores e o contexto em que são realizadas, entre outras funcionalidades como fazer uma estimativa das despesas, saber se tem uma condução segura ou quais os postos de combustível mais perto e com os melhores preços.
Com este produto, as seguradoras, o target do Drivit, vão poder personalizar o preço do seguro para cada condutor, de acordo com o seu real risco de acidente, e disponibilizarem um serviço mais próximo e eficaz. Gonçalo Farinha, cofundador do projeto, acredita que a tecnologia Drivit começará por ajudar a tornar o seguro automóvel mais justo, simples e personalizado.

Como surgiu a ideia de criar a Drivit?
Nasceu das dificuldades que o setor segurador enfrenta em oferecer melhores produtos de seguro automóvel aos clientes, essencialmente devido à falta informação para avaliar o risco de acidente dos seus condutores, terem um contacto mais frequente e contextualizado com eles, promover e recompensar bons comportamento de condução.

Existem tecnologias que prometem alterar este paradigma, dando às seguradoras mais informação sobre as viagens dos seus condutores e do seu perfil de condução. Contudo, enquanto trabalhámos no setor segurador, vimos em primeira mão o insucesso da maioria destas iniciativas, fundamentalmente pelas limitações tecnológicas, não só em termos de custo e qualidade, mas também pelo enorme esforço associado à sua implementação.

Acreditámos que, com a nossa experiência, poderíamos criar uma solução que ajudasse finalmente a materializar os benefícios dos seguros baseados no comportamento de condução. Que fosse fácil de implementar por qualquer seguradora e fácil de usar pelos clientes, em que os indicadores de risco disponibilizados fossem de qualidade e fáceis de trabalhar, e que, dessa forma, pudéssemos tornar o seguro automóvel mais justo, ajudando as pessoas a evitar comportamentos de risco nas estradas e contribuindo para salvar vidas.

Quais as grandes vantagens de utilização da vossa solução?
A solução pode ser facilmente integrada em qualquer aplicação móvel, existente ou criada de raiz, e permite gravar de forma automática, com uma qualidade ímpar e um muito baixo consumo de bateria, as viagens dos condutores e o contexto em que são realizadas.

Para as seguradoras, por exemplo, a vantagem óbvia é a de poderem personalizar o preço do seguro para cada condutor de acordo com o seu real risco de acidente, utilizando para isso métricas de condução com duas a três vezes mais poder preditivo que qualquer das variáveis têm atualmente ao seu dispor (e.g. faixa etária).

O acesso a esta informação abre também a possibilidade de oferecerem um serviço mais próximo e mais eficaz e, através disso, construir uma relação mais duradoura com os seus clientes. Imagine-se poder contactar a seguradora imediatamente após um acidente enviando toda a informação do mesmo, incluindo a geolocalização, e com isso ter um acompanhamento personalizado no que toca à assistência em viagem e no transporte para casa, ou ter até o arranjo do carro imediatamente aprovado através da avaliação automática do acidente.

Por último, uma seguradora pode utilizar esta informação para oferecer novos serviços e informação útil aos seus condutores, como por exemplo indicações de como melhorar a sua eficiência e segurança de condução, como reduzir o seu custo de combustível, ou até onde abastecer o carro ao melhor preço.

A quem se destina?
Apesar da enorme mais-valia para o setor segurador, cedo nos apercebemos do grande potencial que a nossa solução poderia ter também em vários outros serviços de mobilidade, nomeadamente no novo paradigma de usage-based mobility e de mobilidade partilhada, e no desenvolvimento de novos serviços associados ao carro, tornando-os cada vez mais personalizados.

A nossa solução está por isso direcionada para todas as organizações que queiram, de uma forma fácil e com qualidade, criar serviços inovadores na área da mobilidade e dos seguros, incluindo a promoção de comportamentos mais sustentáveis e da condução segura, baseados em mais e melhor informação sobre condutores e do perfil de utilização dos seus carros.

(…) tem sido um desafio convencer as seguradoras nacionais a apostar de forma contundente no usage-based insurance.

Quais os maiores desafios que encontrou pelo caminho?
Apesar de ser um dos setores com maiores benefícios potenciais, tem sido um desafio convencer as seguradoras nacionais a apostar de forma contundente no usage-based insurance (UBI). Apesar de praticamente nenhuma seguradora duvidar de que esse é o futuro, e de já existirem alguns casos de sucesso lá fora, é um paradigma novo para o qual não existe ainda um grande histórico de sinistros, o que dificulta o trabalho das equipas de actuariado.

Adicionalmente, Portugal tem também alguns fatores que o tornam um mercado particular: as compras/vendas/fusões dos últimos anos têm trazido temas mais urgentes para o topo das prioridades das seguradoras; ou o facto do seguro ser por matrícula e não por condutor, o que levam os jovens a fazer o seguro em nome dos pais, acabando por eliminar um apetecível segmento com prémios elevados. Contudo, não só no setor segurador, mas também em outros verticais, a nossa solução tem-se destacado pela qualidade e facilidade de integração. Acreditamos que este facto, associado à aposta em alguns segmentos promissores, vai-nos em breve permitir trazer a público excelentes novidades.

Quem são os clientes da Drivit?
Sendo uma solução tecnologicamente complexa, demorámos cerca de um ano e meio desde o início do lançamento do nosso primeiro programa alfa para chegarmos hoje a um MVP 1.0. Contudo, este período de forte desenvolvimento/testes permite-nos hoje oferecer um serviço de telemática de qualidade ímpar e de fácil integração.

Após o lançamento da primeira versão da nossa solução fizemos um piloto com uma seguradora multinacional com um feedback muito positivo e, mais recentemente, concluímos o desenvolvimento de uma solução para a promoção da mobilidade elétrica e do seu elevado potencial face aos veículos tradicionais.

Começando a dar provas da excelente qualidade da nossa solução, a estratégia passa por expandir a nossa solução a nível internacional enquanto continuamos a explorar oportunidades para inovar, quer em Portugal quer no estrangeiro.

Como são geradas as receitas da plataforma?
Nos projetos que desenvolvemos temos duas componentes: uma setup fee e uma variable fee. A setup fee está relacionada com o acompanhamento e personalização requerida durante a fase de implementação, e que pode ser marginal caso não existam necessidades de customização. Quanto à variable fee, não é mais do que uma fee mensal por cada utilizador ativo que esteja a usufruir das funcionalidades potenciadas pelo nosso serviço.

O que a levou a concorrer ao Startup Lab?
Em primeiro lugar, toda a equipa envolvida. Saber que temos à nossa disposição um grupo de mentores e de personalidades de destaque nas suas áreas, muitos deles com uma vasta experiência internacional, é para nós uma enorme mais- valia.

Além do mais, sendo um programa que, de base, foi desenvolvido pela SRS Advogados, garante-nos também uma formação e acompanhamento na área jurídica e de propriedade intelectual de alta qualidade, que apesar de muitas vezes não serem as áreas de principal foco de quem está empenhado em fazer crescer o seu negócio, não deixam de ser igualmente importantes para assegurar o sucesso futuro do mesmo.

Já começou a participar nas sessões de formação do Startup Lab. Como está a decorrer?
Na nossa opinião, e do feedback que temos tido dos restantes envolvidos, está a correr muito bem. Mesmo havendo start-ups em estágios bastante diferentes de desenvolvimento, penso que a qualidade e relevância das formações têm permitido a todos fazer um balanço bastante positivo do programa.

Quais são as suas expetativas?
A nossa expetativa é que de uma análise próxima do nosso modelo de negócio e da nossa empresa, especialmente do ponto de vista jurídico e das exigências regulatórias, nos permita continuar a trabalhar para ajudar os clientes a implementar uma solução inovadora, como a nossa, com todos os benefícios que lhes pode trazer, a eles e aos seus clientes, com a confiança de que estarão sempre a cumprir com as melhores práticas em termos de compliance.

(…) a informação que conseguimos recolher sobre condutores, os seus perfis de condução e de todo o contexto associado, serão uma poderosa ferramenta na resolução de vários outros problemas (…)

Como vê a Drivit daqui a três anos?
Acreditamos que a nossa tecnologia começará por ajudar a tornar o seguro automóvel mais justo, simples e personalizado. Além disso, toda a informação que conseguimos recolher sobre condutores, os seus perfis de condução e de todo o contexto associado, serão uma poderosa ferramenta na resolução de vários outros problemas atuais e futuros. Esperamos que daqui a três anos, possamos ser vistos, senão como líderes, como leadership contenders na área dos serviços de telemática.

Para tal, a nossa estratégia de curto/médio prazo passa por aumentar adoção da nossa tecnologia, quer a nível nacional, quer internacional, sustentado num maior esforço na divulgação da nossa solução, no crescimento da nossa equipa e o nosso contínuo investimento em inovação.

Enquanto empreendedor, qual o conselho que lhe deram que se revelou mais útil até hoje?
Há sempre espaço para a inovar. Ser o primeiro a entrar num mercado é excelente, mas sobrevalorizado, é mais importante ser o melhor que ser o primeiro. Tentar sempre melhorar é o melhor caminho para te manteres na frente.

Que outros projetos gostaria de lançar no futuro?
Com o crescimento da população mundial e a contínua migração para os grandes centros urbanos, os problemas da mobilidade tornam-se cada vez mais críticos e complexos. O nosso grande objetivo é que a nossa tecnologia e os nossos esforços contribuam para resolver esses grandes problemas, abrindo caminho a uma mobilidade mais sustentável, mais flexível e também mais segura.

Comentários