Foi lançado ontem, em Lisboa, o capítulo português da Entrepreneurs Organization, que conta já com 16 empreendedores. Ao Link To Leaders, Max Maendler, diretor Regional da EO Europa, explicou como os portugueses poderão beneficiar da experiência dos seus pares no mundo inteiro.

São 16 os empreendedores que fazem parte da delegação portuguesa da Entrepreneurs Organization (EO) que foi lançada ontem no Pestana Palace, em Lisboa, e que vai ser presidida por Miguel Santo Amaro, um dos fundadores da Uniplaces. Max Maendler, diretor Regional da EO Europa, garante que a EO promove a partilha de experiências entre os empreendedores dos 50 países onde está presente, ajudando-os a tornar as suas empresas mais fortes.

Para além de Miguel Santo Amaro, a delegação portuguesa conta com outros empreendedores portugueses como Pedro Janela, do Wygroup, André Gil, da Bliss, Tim Vieira, CEO da BraveGeneration, Tomás Champalimaud, da Reabilita, entre outros.

Max é também fundador da Lehrerkolleg, rede de professores dedicados. Enquanto muitos estão preocupados em criticar os sistemas de educação, Max cria soluções de longo prazo para melhorar o currículo e o ambiente de aprendizagem nas escolas alemãs.

O que é a EOnetwork e qual o valor que traz aos empreendedores?
A EO é uma comunidade global com mais de 12 mil empreendedores. O nosso objetivo é aprendermos uns com os outros e todos juntos. É de extrema utilidade, uma vez que me permite ganhar com a experiência dos meus pares – partilharmos regularmente tanto histórias de sucesso, como de insucesso.

Que tipo de ferramentas e recursos, para além do networking, disponibiliza a EO aos seus membros?
Há uma série de recursos que temos, que nos ajudam a aprender e a crescer enquanto empreendedores, até ao nível das competências de liderança. Para mim, o mais importante é o Fórum (em que reunimos com outros sete empreendedores numa base mensal, para refletirmos sobre desafios e partilharmos experiências), a rede de contactos (acesso imediato a membros de confiança por todo o mundo), eventos de aprendizagem fantásticos (alguns mudaram-me a vida) e o Caminho de Liderança (enquanto voluntário, consegue desenvolver uma série de competências de liderança).

Que histórias de sucesso pode partilhar sobre desenvolvimento de negócio entre membros da EO?
A minha empresa cresceu mais de 10 vezes desde que integrei a EO e conheço membros cujo crescimento foi muito mais significativo. Um dos membros que esteve numa reunião em Portugal, acaba de voltar da sua IPO no Nasdaq. Mas o crescimento do negócio é apenas parte da história. Aprender a ser um melhor líder pode trazer um impacto positivo na sua comunidade e mesmo no seu papel, enquanto mãe ou pai.

Quais os principais temas discutidos na Reunião de Presidentes?
A EO é uma organização liderada pelos seus membros. Cada capítulo tem o seu presidente e convidámos todos os presidentes da Europa, Médio Oriente e África a estarem nesta reunião em Lisboa. Aqui discutiremos como podemos dar resposta à nossa sede coletiva, para aprendermos ainda mais. Temos um programa pan-europeu de mentoria, em que poderemos estar em contacto a nível internacional com um empreendedor mais experiente que nos poderá dar o seu apoio. Temos de decidir como e quando expandiremos o nosso programa de aceleração para start-ups e o nosso prémio para o empreendedorismo estudantil. E talvez ainda mais importante seja o facto de estarmos cá, em Portugal, para conhecermos os nossos novos membros!

Porquê lançar agora um chapter da EOnetwork em Portugal?
Portugal é um país muito empreendedor, foi-o sempre. Estamos muito entusiasmados por lançarmos uma delegação aqui. Tendo eu vivido em Lisboa há muitos anos, acho que deveríamos ter avançado com um capítulo aqui há já mais tempo. Mas, como organização não lucrativa e uma organização liderada pelos seus membros, são coisas que acontecem por oportunidades. E tivemos a oportunidade de encontrar aqui um grupo fantástico de empreendedores que vão lançar esta delegação connosco.

É a Europa um continente empreendedor? Quais são os países mais ativos neste momento?
A Europa tem uma tradição empreendedora muito forte. Dos inovadores aos descobridores, até às mais recentes start-ups, os empreendedores europeus têm tempo e, mais uma vez, encontraram grandes respostas para os desafios dos seus tempos. O que me entusiasma particularmente é o facto de os empreendedores desta geração estarem a pensar mais globalmente do que nunca. Para estes, parece que quase não existem fronteiras entre os países.

Qual foi o seu maior sucesso e o seu maior falhanço enquanto empreendedor?
O meu maior sucesso enquanto empreendedor deve ter sido o de encontrar um sucessor, que gere agora a minha primeira empresa muito melhor do que eu teria sido capaz. Já quanto aos falhanços, há tantos! Contratei as pessoas erradas, tomei decisões estratégicas erradas, aprendi a dizer não aos consumidores tarde demais, fui demasiado audível em discussões internas, a lista não tem fim. De certa forma, o falhanço é o negócio do dia a dia de um empreendedor. O sucesso é construído por milhões de falhanços, pequenos e grandes. Acho que apenas temos de garantir que não deixamos que esses falhanços nos vençam…

Respostas rápidas:
O maior risco: Não tomar riscos
O maior erro: O próximo
A melhor ideia: Não importa tanto quanto o que se pensa
A mais importante lição: Nunca saberá a resposta
A maior conquista: A vida

Comentários