54% dos portugueses dizem mudar de emprego para desenvolver novas competências. Confira os resultados do estudo da Michael Page.

Mais de metade dos portugueses (54%) muda de emprego para desenvolver novas competências. Este é o resultado mais representativo do Índice de Confiança Laboral da Michael Page relativo ao primeiro trimestre de 2019 que foi divulgado ontem.

A par com este motivo, encontram-se a procura por uma melhor condição salarial (34%) e a evolução na carreira (30%). Por outro lado, metade dos profissionais portugueses considera a situação económica e laboral positiva.

Neste sentido, 58% dos inquiridos dizem haver clima de otimismo e 63% dizem ainda acreditar que este ambiente vai melhorar nos próximos seis meses. Talvez por esta razão, 57% dos inquiridos dizem acreditar que irão encontrar emprego nos próximos três meses

No que diz respeito aos objetivos profissionais, 69% dos trabalhadores afirmam estar confiantes relativamente ao desenvolvimento de novas competências, 61% espera executar novas funções e 55% espera ser promovido.

Outros 55% equacionam aceitar trabalhos temporários com o objetivo de procurar novas experiências e enriquecer as suas competências (60%) e também trabalhar com empresas diferentes e experimentar novas funções (44%). Em oposição, os argumentos dos 45% que não aceitariam trabalhos temporários passam pela falta de estabilidade financeira (68%) e o fraco desenvolvimento de competências (41%).

A confiança laboral em Portugal registou um aumento de 1%  comparativamente ao período anterior. O índice fixa-se assim nos 56%, um ponto percentual abaixo da média europeia. Saliente-se que a Alemanha é o país da Europa mais satisfeito com o mercado (69%) e Itália o menos satisfeito (44%).

O estudo foi feito com base em 603 respostas de profissionais, em território português, que se candidataram a ofertas de emprego através da plataforma online da Michael Page.

Quer manter os colaboradores? Mude a estratégia de retenção, sugere a Hays.

Comentários

Sobre o autor