A marca de produtos e acessórios de moda, feitos com tecidos tradicionais moçambicanos, tem um cariz social e vai ajudar vários projetos em Moçambique.

O conceito deste projeto nasceu após uma viagem de voluntariado de Virgínia Coutinho a Moçambique, no início deste ano. Apaixonou-se pela terra e pelas pessoas e pensou em fazer algo que ajudasse a melhor as condições de vida das populações.

Trouxe de Moçambique um conjunto de capulanas, tecidos típicos daquele país, e procurou parcerias para montar um projeto que pudesse atrair facilmente o apoio das pessoas. Assim, nasceu a Kutsaka (que significa ser feliz, em Changana, um dialeto local), uma marca de moda de colares artesanais feitos do tecido das capulanas, agora vendidos online através do site e do facebook da marca.

Vertente social
Quais as mais-valias do projeto Kutsaka? Começa por apoiar diretamente a economia local, uma vez que todos os materiais usados na confeção dos colares são comprados aos comerciantes e fabricantes locais dos tecidos, ou seja, em Moçambique. Por outro lado, apoia obras sociais, na medida em que todos produtos à venda são criados e produzidos por jovens com deficiências motoras que se encontram na AIREV (Associação para a Integração e Reabilitação Social de Crianças e Jovens Deficientes de Vizela). Usando o conceito de comércio franco, cada produto tem referido o custo de produção, promoção e quanto será o lucro obtido.

O lucro da venda dos produtos Kutsaka reverte a 100% para dois projetos sociais de desenvolvimento económico em Moçambique, concretamente um projeto implementado pela ONGD Um Pequeno Gesto e outro pela empresa social Plataforma Makobo. O primeiro passa pela realização de ateliers de costura em Moçambique e incide na compra das máquinas e no apoio aos custos associados com infraestruturas e realização das formações. Os ateliers têm como objetivo “oferecer uma profissão, sustentar a economia local e quebrar o ciclo da pobreza”.

Virgínia Coutinho, fundadora da Kutsaka

O segundo consiste no projeto “Lancheira Solidária”, promovido pela Plataforma Makobo, garantindo apoio a
duas mil crianças, entre os 3 e 17 anos, que residem em bairros degradados de Moçambique e que frequentam o ensino primário público. Esse apoio consiste na entrega de uma lancheira com bens alimentares. Em troca, cada beneficiário deverá plantar uma horta e árvores de fruto.

Em breve a Kutsaka planeia aumentar a sua oferta, apresentar novas ideias e outros produtos com os tecidos, como almofadas, por exemplo. Entretanto, esta jovem marca social precisa de divulgação para levar mais longe a sua vertente social e de apoio aos projetos moçambicanos com que está comprometida.

Resumo
Responsável: Virgínia Coutinho
Mercado: Acessórios de moda com tecidos tradicionais moçambicanos
Necessidade: Divulgação
Contacto: www.kutsaka.pt  // www.facebook.com/Kutsaka.pt

Comentários