Quão diferente seria a sua experiência enquanto consumidor se, em vez de ir buscar legumes e fruta embalada ao supermercado, colhesse os seus próprios alimentos?

A alemã Infarm quer acabar com os legumes e frutas embalados. A start-up desenvolveu hortas verticais que já estão a ser utilizadas em supermercados, restaurantes e escolas.

Fundada em 2013, em Berlim, a equipa da Infarm desenvolveu uma horta vertical indoor capaz de cultivar fruta, legumes e ervas aromáticas. Isto é conseguido graças à tecnologia desenvolvida pela start-up, que usa uma combinação de dispositivos IoT (Internet of Things), big data e análise de dados a partir da cloud. Esta combinação tecnológica é humoristicamente intitulada pela start-up de Farming-as-a-Service (fazendo alusão aos comuns Software-as-a-Service).

A ideia da Infarm é não só trazer esta experiência aos clientes das superfícies que utilizam os seus produtos e serviços, como também melhorar a qualidade da comida que estes vendem, visto que não são utilizados quaisquer tipos de químicos no processo de crescimento dos alimentos.

Uma publicação partilhada por INFARM (@infarm) a

Um terceiro ponto relevante no modelo de negócio da start-up alemã é que o intermediário dos alimentos é dispensado. O facto de os legumes crescerem numa espécie de incubadora anula a necessidade de haver distribuição, o que resulta num aumento das margens de lucro.

O negócio parece estar a ter a aceitação do público e tem atraído investidores. Ontem, dia cinco de fevereiro, foi anunciada a entrada de mais 20 milhões de euros numa ronda de investimentos de série A liderada pela londrina Balderton Capital. Segundo dados da Crunchbase, um dia antes da revelação desta última soma de dinheiro, a Infarm recebeu 2 milhões de euros por parte do programa da Comissão Europeia Horizon 2020.

Estes 22 milhões de euros serão utilizados para expandir a área de atuação para Londres, Paris e Copenhaga e, ainda, para continuar a melhorar as investigações e desenvolvimentos do armazém com perto de cinco mil metros quadrados.

Outros dos trunfos apresentados pelo sistema da Infarm é o facto de ser infinitamente escalável, dando a possibilidade ao utilizador de ir acrescentando módulos. Como é tudo feito com base na cloud, significa que não existe mais trabalho para o utilizador, visto que é tudo controlado e monitorizado a partir da central.

Com dois anos de funcionamento, a Infarm já tem mais de 50 hortas por Berlim. Em Portugal, apesar de a tecnologia ainda não estar disponível, há hotéis como o Noocity que instalaram uma horta no terraço.

Comentários