A Indico Capital Partners deu hoje a conhecer o lançamento do VC I, um novo fundo especializado em start-ups tecnológicas.

A Indico Capital Partners, sociedade de capital de risco portuguesa, anunciou hoje o lançamento do seu primeiro fundo de investimento. O Indico Capital Partners VC I, considerado agora o maior veículo privado e independente português do seu género, tem mais de 46 milhões de euros para investir.

Angariado junto do Fundo Europeu de Investimento (FEI) e de mais 20 investidores privados e institucionais, de oito países, o dinheiro será utilizado para investir e capitalizar start-ups ibéricas promissoras, com especial enfoque nas de origem nacional. Os investimentos vão ser direcionados para áreas como inteligência artificial, fintech, cibersegurança, marketplaces, plataformas digitais B2C (business to client) e software-as-a-service (SaaS) que operem no mercado B2B (business to business).

Os 46 milhões de euros, que se prevê que tenham uma duração de 10 anos, serão distribuídos por rondas que podem ir de 150 mil a cinco milhões de euros, dependendo das necessidades e do estado de desenvolvimento dos projetos visados. O VC I vai especializar-se em start-ups em fase embrionária que queiram fechar rondas entre pre-seed e series A.

A equipa de gestão da sociedade, que conta com experiência de investimentos em start-ups como a Farfetch, Unbabel, Codacy e a Talkdesk, é composta por:

– Stephan Morais, ex-administrador executivo da Caixa Capital;
– Ricardo Torgal, ex-gestor de investimentos na Caixa Capital;
– Cristina Fonseca, cofundadora e acionista da Talkdesk.

Entre os apoiantes financeiros do fundo encontram-se nomes como a Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), através do Portugal Tech, e a Draper Esprit, um dos maiores fundos de capital de risco a nível mundial e que conta com investimentos em start-ups como a Revolut.

Stephan Morais, managing general partner da Indico, acredita que “este é um marco para o ecossistema português; vamos continuar a apoiar as start-ups tecnológicas portuguesas mais promissoras, mas agora com uma plataforma de investimento estável, maior e independente, suportada por uma base de investidores global e diversificada”.

Do lado de Ricardo Torgal, general partner da Indico, é sublinhado que “venture capital e start-ups não são uma moda, é uma atividade profissional que visa construir um portfolio diversificado e estar presente quando as empresas precisam de ajuda para crescer e atingir uma nova fase”.

Já Cristina Fonseca, venture partner do agora maior fundo privado português, afirma que “tenho apoiado muitas empresas ao longo dos últimos anos como mentora e business angel, por isso juntar-me à melhor equipa de investimento do mercado foi um passo muito óbvio, até para poder ampliar o meu impacto no ecossistema. É nesta fase inicial que ter apoio de pessoas experientes e acesso a uma rede global pode ser o fator decisivo para o sucesso.”

Saiba mais no site oficial da Indico Capital Partners.

Comentários

Sobre o autor