Conheça algumas razões porque os trabalhos de verão são importantes no desenvolvimento dos adolescentes.

Para grande parte dos adolescentes, os cerca de três meses de férias de verão traduzem-se em lazer. No entanto, se procura que os seus filhos desenvolvam competências que lhes podem ser úteis no futuro, há alguns (bons) motivos para os incentivar a terem trabalhos de verão.

O objetivo não é integrar os adolescentes na empresa dos pais, familiares ou de amigos, porque, desta forma, continuam a estar no que se designa como “zona de conforto”. A ideia é retirá-los completamente desta bolha e incentivá-los a experimentar empregos em que nunca pensaram: como num restaurante de fast-food ou uma gelataria. Quanto mais duro for o emprego melhor.

A ideia associada a esta teoria é a de que estes “adultos em construção” vão olhar para a vida de uma forma distinta, num sítio onde não são especiais e onde têm de executar as tarefas que lhes são incumbidas.

“As lições são imensas”, explicou ao Quartz Richard Weissbourd, investigador e professor na Harvard’s Graduate School of Education. “Eles veem como as pessoas trabalham no duro e o quão rudes e descuidadas podem ser para eles. É uma verdadeira lição sobre como tratar as pessoas”, explica o investigador.

Eis quatro razões para incentivar os adolescentes a fazer trabalhos de verão:

Aprendem competências básicas para a vida adulta

Tal como referido, os trabalhos de verão ajudam os adolescentes a desenvolver competências importantes para o futuro profissional e pessoal. Segundo alguns autores norte-americanos é chocante a quantidade de pessoas jovens que saem de boas universidades e que não sabem lidar com problemas/tarefas básicas como mexer numa máquina de lavar roupa ou gerir a quantidade de trabalho que têm em mãos.

Ir trabalhar todos os dias, lidar com clientes e com horas de maior tráfego não vai fazer com que estes adolescentes aprendam a criar uma app ou a próxima grande empresa, mas vai ensiná-los a gerir o seu tempo, a priorizar tarefas e a não se sentirem sobrecarregados com pequenas coisas.

Aprendem a falar com pessoas

Os adolescentes que não são colocados à prova fora da sua zona de conforto vivem numa espécie de bolha protetora. Na escola só falam com quem lhes é próximo, colegas e professores, por exemplo, e em casa é raro haver situações que lhes causem desconforto.

Infelizmente, não é assim que funciona o mundo fora desta bolha adolescente. Quanto melhor for a capacidade de comunicar com pessoas novas, maiores serão as probabilidades de ser bem-sucedido em inúmeras áreas.

Neste âmbito, trabalhar com o público é um “balde de água fria” para os adolescentes aprenderem a comunicar com pessoas diferentes com quem, provavelmente, não entrariam em contacto.

Aprendem a valorizar o dinheiro

A velha ideia de que os trabalhos de verão ensinam os adolescentes a valorizar o dinheiro não podia estar mais correta. O facto de fazerem trabalhos em que recebem pouco não só os ajuda a perceber o valor do dinheiro, como também o valor de todos os produtos e serviços de que usufruem.

Neste ponto, é ainda relevante acrescentar que os adolescentes aprendem como funcionam os negócios. Isto pode ser importante para despertar a sua veia empreendedora.

Aprendem a tornar o trabalho aborrecido em interessante

Um grande número de investigações afirma que as principais diferenças entre os trabalhadores motivados e os desmotivados não se prende com o tipo de emprego, mas sim com a atitude que as pessoas têm perante o trabalho.

A verdade é que mesmo que muitos trabalhos de verão não exijam uma grande capacidade mental, este poderá ser um ponto a favor. Arranjar uma forma de tornar um trabalho repetitivo em algo divertido, criar relações com os colegas e ter iniciativa são tudo competências que podem ser úteis a estes adolescentes na sua futura vida profissional.

Comentários

Sobre o autor