Imagens que combinam geometria e arte e que podem ser usadas como uma linguagem visual universal por marcas e empresas. Este é o projeto de José Tavares, que criou, há alguns anos, a Iknie, uma linguagem com símbolos que quer globalizar-se.

O artista José Tavares criou “uma linguagem visual que é uma fusão de matemática, geometria e arte” e que dominou de Iknie. Apostar na expansão da marca é agora o seu objetivo, já que para o autor o seu projeto  é “uma língua” universal.

“Qualquer pessoa, independentemente da nacionalidade, linguagem, política ou educação pode entender de relance o significado da minha arte. E qualquer um pode usar as partes individuais, os Iknies, para criar sua própria arte”.

Para além do lado académico ligado à escrita simbólica, como lembrou José Tavares, a aplicabilidade da Iknie é vasta. “Tem aplicações em cerâmica, em joalharia, em moda e acessórios, em artigos para casa, em publicidade, em têxteis e em tantos outros setores. São imensos os usos”, exemplificou aquele profissional. E, acrescentou: “pode estar nas escolas com os mais novos e pode também estar em produtos de luxo. Uma coisa não impede a outra”.

Os primeiros traços
Licenciado em engenharia, na Checoslováquia (atual República Checa), José Tavares deu corpo ao Iknie Code em 1997. Queria ter algo seu, “queria inventar e construir com as minhas próprias mãos. Eu sabia que podia inventar… e, numa bela tarde em Praga, fiz os primeiros traços “Iknieanos”.

O criador do projeto explica que “esta lógica, que agora tem milhares de imagens e já está representada em dezenas de países foi “cozinhada” durante dois anos. Não hesita em afirmar que “esta ideia é uma invenção de “grande profundidade”. Juntar o ser humano à arte, à escrita, ao símbolo, à geometria e ao sinal é algo maior e profundo”. A recetividade das pessoas aos símbolos Iknie “é excelente e isso deixa antever uma boa adesão do mercado”.

Aplicação multifacetada
Neste momento, em que a estrutura da ideia está construída, José Tavares começa a colocar os seus Iknies nas primeiras paredes exteriores, através de parcerias que está a fazer com ONG, por exemplo, no Brasil e em África.

“Vai permitir dar mais visibilidade ao ‘mundo Iknie’. Vão aparecer produtos feitos por muitas centenas de mãos habilidosas e ágeis”. É nesta ótica que José Tavares tem como meta globalizar esta forma de comunicar.
Neste momento, é o único elemento da equipa Iknies, um “faz tudo”, como o próprio se define, uma situação que prevê alterar a médio prazo com a constituição de uma equipa.

Apesar do desenvolvimento conseguido até aqui, a Iknie necessita de investidores e de parceiros.  “Preciso de aconselhamento e de divulgação e de bons especialistas em várias áreas”, refere o mentor do projeto. “Não posso ser especialista em várias áreas. Eu sou um criador e inventor… não sou gestor, não sou informático nem sou advogado nem secretário”, salienta.

Para 2019 tem como meta chegar a 30 novas parcerias em vários países, mas acredita que, com alguma ajuda, as suas criações podem chegar mais longe, “às grandes marcas e aos mercados mais exigentes”. Os símbolos Iknie podem ser usados na moda, joalharia, cerâmica, têxtil ou acessórios. “Este novo produto pode resultar muitíssimo bem e pode criar bons negócios a nível internacional. Entre outras coisas, o aparecimento de uma nova ideia global pode ser algo muito aliciante para muitos investidores”, conclui José Tavares.

Resumo
Responsáveis: José Tavares
Área: Design, pintura, ilustração
Produto: Imagens simbólicas
Mercado: Nacional e internacional
Necessidade: Investidor
Contactos: ikniee@hotmail.com

Comentários