Conheça o novo tipo de carne feito 100% à base de plantas que quer tornar a indústria alimentar mais sustentável e amiga do ambiente. Um projeto que já contou com investimentos na ordem dos 250 milhões de euros.

Filmes como o Cowspiracy trouxeram ao público (em geral) uma nova ideia sobre a indústria da criação de gado. Segundo o documentário, 18% das emissões de gases poluentes para a atmosfera são provocadas por este setor, um valor superior em 5% quando comparado com a poluição provocada por todos os meios de transporte do mundo. Mais, para produzir um quilo de carne de vaca são precisos mais de 15 mil litros de água (fonte: IME).

É este o problema que a norte-americana Impossible Foods quer atacar. Num mundo em que se esperam 9,7 mil milhões de habitantes até 2050, tem de haver métodos mais sustentáveis e eficientes de produzir alimentos que consigam acompanhar o crescimento da população.

Com este problema em mente, a Impossible Foods desenvolveu o Impossible Burger, um hambúrguer feito à base de plantas que apresenta um aspeto semelhante ao feito de carne.

Os hambúrgueres da Impossible Foods são feitos de leg-hemoglobina de soja, uma proteína que contém hemo, a mesma molécula que transporta oxigénio no nosso sangue e que o torna vermelho. Este último componente está presente em todos animais e plantas e é o ingrediente especial deste tipo de carne artificial.

No futuro, o principal objetivo da empresa é substituir vários tipos de carne pelo seu produto artificial criado a partir de plantas. Por agora, a Impossible Foods quer produzir mais de 450 quilos por mês da sua carne numa fábrica em Oakland, na Califórnia.

Ao lado desta empresa está Bill Gates – um dos investidores que entrou nos 250 milhões de euros nas várias rondas de investimento – , o magnata da Microsoft que tem como objetivo, juntamente com a sua mulher na Bill and Melinda Gates Foundation, reduzir a fome no mundo.

Um comunicado no site da fundação do casal Gates refere: “Numa era de crescente falta de recursos e do impacto progressivo das mudanças climáticas, encorajamos os agricultores a adotarem práticas sustentáveis que ajudem a crescer mais com menos terra, água, fertilizantes, e outros tipos de recursos, enquanto preservam os recursos naturais para as futuras gerações”.

Conheça também a história da Limex, uma start-up japonesa que quer solucionar três problemas: a desflorestação e o consumo excessivo de água e de petróleo.

Comentários